Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
6

Morreu José Mário Branco, o músico que viveu inquieto

Cantor é considerado um dos mais importantes autores e renovadores da música portuguesa.
Correio da Manhã e Lusa 19 de Novembro de 2019 às 09:22
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
José Mário Branco com o radialista António Macedo na Rádio Comercial
José Mário Branco em atuação em 1998.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
José Mário Branco
José Mário Branco
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
José Mário Branco com o radialista António Macedo na Rádio Comercial
José Mário Branco em atuação em 1998.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
José Mário Branco
José Mário Branco
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
José Mário Branco com o radialista António Macedo na Rádio Comercial
José Mário Branco em atuação em 1998.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
O músico fotografado durante uma entrevista na sua casa, em Lisboa.
José Mário Branco
José Mário Branco
O cantor, músico e produtor José Mário Branco morreu esta terça-feira aos 77 anos, disse à agência Lusa o seu ‘manager’, Paulo Salgado.

Nascido no Porto, em maio de 1942, José Mário Branco é considerado um dos mais importantes autores e renovadores da música portuguesa, em particular no período da Revolução de Abril de 1974, cujo trabalho se estende também ao cinema, ao teatro e à ação cultural.

Foi fundador do Grupo de Ação Cultural (GAC), fez parte da companhia de teatro A Comuna, fundou o Teatro do Mundo, a União Portuguesa de Artistas e Variedades e colaborou na produção musical para outros artistas, nomeadamente Camané, Amélia Muge, Samuel e Nathalie.

Uma das maiores vozes da música de intervenção portuguesa, José Mário Branco aderiu ao PCP, foi perseguido pela PIDE e teve que se exilar em 1963. Em 1971, saía o disco Mudam-se os Tempos Mudam-se as Vontades, um dos mais célebres. 





Depois da Revolução dos Cravos, volta de Paris e lança em 1978 A Mãe.

"Quero ser feliz porra, quero ser feliz agora", gritou José Mário Branco em 1980, no palco do Teatro Aberto. Tinha 37 anos e foi uma das vozes mais reivindicativas do seu tempo, colocando-se sempre ao lado do povo.

Há dois anos, o produtor surpreendeu os fãs com um disco duplo, cheio de inéditos. Tratou-se de ‘Inéditos 1967-1999’, uma recolha de canções gravadas entre 1967 e 1999 e nunca antes editadas em digital. Entre elas, os temas ‘Fim de Festa’ (lançado num EP de marchas da Comuna–Coopearte) ou ‘Quantos é que nós somos’ (gravado para um disco de homenagem a Otelo Saraiva de Carvalho). 




Ao longo da sua carreira, José Mário Branco passou pela música, teatro e cinema. Enquanto autor, compositor e intérprete, colaborou com Camané e Amélia Muge, entre outros.

O último disco a solo de José Mário Branco foi Resistir é Vencer, de 2004. Em 2009, juntou-se a Sérgio Godinho e a Fausto Bordalo Dias no projeto Três Cantos.

Em 2017, estreou o documentário Mudar de Vida – José Mário Branco, vida e obra realizado por Nelson Guerreiro e Pedro Fidalgo. Seria premiado como Melhor Documentário de Longa Metragem pela Academia Portuguesa de Cinema.  



José Mario Branco músico cantor autor morte
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)