Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Museu de Arte Urbana com 300 obras de Vhils

Câmara apoia 46 iniciativas, desde a cultura ao desporto, com 8 milhões de euros.
José Rodrigues 13 de Janeiro de 2017 às 08:45
Retratos esculpidos de Vhils nas paredes dos velhos armazéns de Ponta Delgada
Graffiti da autoria de Vhils com cara de José Saramago na fachada da Universidade Carlos III, em Madrid
Escultura do português Vhils em Kiev
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Retratos esculpidos de Vhils nas paredes dos velhos armazéns de Ponta Delgada
Graffiti da autoria de Vhils com cara de José Saramago na fachada da Universidade Carlos III, em Madrid
Escultura do português Vhils em Kiev
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Retratos esculpidos de Vhils nas paredes dos velhos armazéns de Ponta Delgada
Graffiti da autoria de Vhils com cara de José Saramago na fachada da Universidade Carlos III, em Madrid
Escultura do português Vhils em Kiev
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Fachada do edifício sede da GS1 Portugal, em Lisboa, revestida por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Calçada portuguesa com o rosto da fadista Amália Rodrigues, criada por Vhils
Depois da Casa das Histórias Paula Rego, Cascais vai ter este ano "um segundo navio almirante da cultura", revelou esta sexta-feira o vice-presidente da câmara, Miguel Pinto Luz. Trata-se da criação do Museu de Arte Urbana, com o artista Vhils na primeira linha, com 300 obras da sua coleção particular.

A acompanhar Vhils - Alexandre Farto de seu nome, pintor e grafiteiro português, conhecido pelos seus "rostos" esculpidos em paredes - estarão outros artistas nos 1200 metros quadrados de arte urbana no bairro dos Museus.

A novidade foi divulgada na cerimónia de apresentação das principais iniciativas da autarquia para este ano, e que contou com a presença do presidente da câmara, Carlos Carreiras.

São 46 iniciativas, desde música, teatro, desporto passando pela política.

Segundo Miguel Pinto Luz, todos os eventos têm uma participação financeira da câmara na ordem dos 8 milhões de euros.

Parte da receita virá do turismo, nomeadamente da taxa turística que começa a ser cobrada no próximo mês de fevereiro (secundando a iniciativa de Lisboa). No total, Cascais pensa cobrar, só no caso dos hotéis, 1,2 milhões de euros de taxa.
Ver comentários