Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
5

NEM TUDO NA VIDA É PARA CONTROLAR...

Sente-se escravo da agenda? A sua vida é um "stress", a tentar encaixar no espaço de 24 horas todas as tarefas que, supostamente, o tornarão numa pessoa feliz e realizada? Pois o caso da Laura e do Alberto, cuja história é contada no espectáculo "Dona Santinha", que amanhã se estreia em Carnide, pode servir-lhe de exemplo.
8 de Outubro de 2003 às 00:00
 Um elenco mediático: P. Rapazote, M. Albuquerque e C. Cavalinhos
Um elenco mediático: P. Rapazote, M. Albuquerque e C. Cavalinhos FOTO: Jordi Burch
Falamos de mais uma produção do Teatro da Luz, gerido artisticamente por Luís Esparteiro e que volta a aliar um elenco mediático à imaginação das Produções Fictícias. Desta feita, Maria João Cruz (com a colaboração de Tiago Rodrigues e Nuno Duarte) escreveu uma comédia ligeira em que nos pinta o retrato de um casal moderno, "agendo-dependente". Nas suas vidas, tudo é planeado: até o sexo "louco e imprevisto" tem dia e hora marcados.
Um dia, porém, o caos instala-se: alguém se encarrega de sabotar a agenda de Alberto e o casal tem de resolver a crise recorrendo a um "mediador de agendas". Para complicar a situação, eis que lhes entra pela porta dentro uma santa milagreira, cheia de boas intenções mas com muito pouco jeito para resolver problemas...
É este o enredo desta peça ligeira, despretensiosa, que vai dar ao público a oportunidade de ver, ao vivo e a cores, actores que conhece do pequeno ecrã. Laura é Marina Albuquerque ("Ana e os 7"), Alberto é João Cabral ("Jornalistas"), o mediador de agendas e secreto vilão é Pêpê Rapazote ("Coração Malandro") e a santinha é Cristina Cavalinhos ("Anjo Selvagem"). Sob a direcção de António Pires, eis um espectáculo que nos prova que nem tudo na vida é para controlar e que o inesperado é, muitas vezes, o mais saboroso.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)