Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
3

NOIVA, DONZELA E LOUCO ENCONTRAM-SE NA MAIA

Entre o absurdo e o burlesco passando pela comédia de costumes. Em pleno palco do Fórum da Maia, estes géneros dramatúrgicos vão divertir a plateia esta noite, em mais uma sessão do Festival Internacional de Teatro Cómico da Maia.
18 de Outubro de 2002 às 00:06
Num solo com autoria, direcção e interpretação de Adelaide Teixeira, podem ser testemunhadas, a partir das 21h00, as peripécias de "A Noiva". Ela é uma mulher de meia-idade, romântica, louca, patética, que há mais de 30 anos procura, em desespero, o seu amado no meio da multidão. No dia do casamento, porém, ele não comparece no altar. A noiva pensa que alguma contrariedade ou que alguém o impediu, alguém lho roubou…Desde então, vestida para casar, ela não mais deixou de o procurar.

Logo a seguir, às 21h30, o encenador Sebastião Apollonio apresenta ao público a donzela e o seu pai, numa "comédia sofisticada e muito divertida", escrita por Gláucio Gil para a Ideias Ideais, de S. Paulo (Brasil).

"Toda a Donzela tem um Pai que é uma Fera" conta as "artes" de Porfírio, um jovem mulherengo que para socorrer o "certinho e bem comportado" Joãozinho, acolhe em sua casa a donzela Daisy. A hilariante confusão declara-se quando o pai da moça – um general de elevados padrões morais e bons costumes –, aparece em palco.

Do Brasil passa-se à Argentina, com a criação e interpretação de Loco Brusca, pelas 23h30. Em "Capitain Mierden", o nosso herói está encarregue de mostrar aos seus colegas os últimos movimentos das Forças da Aliança, assim como alguns do seus planos para o futuro. Crítico, humorista e improvisador, Loco Brusca recorre a várias técnicas teatrais e circenses para interagir com o público, que, por certo, retém ainda na memória o seu fabuloso "Speerman", apresentado na edição do ano passado.
Ver comentários