Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
6

Novo disco de Amália traz canções inéditas de 1969 a 1975

Disco triplo 'Amália. É ou Não É' chega esta sexta-feira aos escaparates.
Lusa 29 de Junho de 2018 às 09:23
 Amália Rodrigues homenageada 20 anos após a sua morte
Amália, Musical, Amália Rodrigues, Fado, Filipe la Feria, Politeama, Cultura, Música
 Amália Rodrigues homenageada 20 anos após a sua morte
Uma atuação inédita de Amália Rodrigues é esta sexta-feira lançada
Edição discográfica reúne 46 temas, dos quais sobressaem o inédito 'Fado Lamentos', com letra e música da própria Amália
 Amália Rodrigues homenageada 20 anos após a sua morte
Amália, Musical, Amália Rodrigues, Fado, Filipe la Feria, Politeama, Cultura, Música
 Amália Rodrigues homenageada 20 anos após a sua morte
Uma atuação inédita de Amália Rodrigues é esta sexta-feira lançada
Edição discográfica reúne 46 temas, dos quais sobressaem o inédito 'Fado Lamentos', com letra e música da própria Amália
 Amália Rodrigues homenageada 20 anos após a sua morte
Amália, Musical, Amália Rodrigues, Fado, Filipe la Feria, Politeama, Cultura, Música
 Amália Rodrigues homenageada 20 anos após a sua morte
Uma atuação inédita de Amália Rodrigues é esta sexta-feira lançada
Edição discográfica reúne 46 temas, dos quais sobressaem o inédito 'Fado Lamentos', com letra e música da própria Amália
O triplo CD "Amália. É ou Não É", que inclui inéditos de Amália Rodrigues, do período de 1968 a 1975, numa edição coordenada por Frederico Santiago, chega esta sexa-feira ao mercado.

Em declarações à agência Lusa, Frederico Santiago afirmou que, nesta edição, "há bastantes inéditos", e destacou a canção "Ni la Sota ni el Caballo", um 'tanguillo', a versão em francês de "Havemos de Ir a Viana", de Pedro Homem de Mello e Alain Oulman, mais quatro cantigas de Arlindo de Carvalho.

"E depois, há todas as surpreendentes versões inéditas que foram preservadas", acrescentou Frederico Santiago.

Todo este material foi gravado nos estúdios da Valentim de Carvalho, em Paço de Arcos, nos arredores de Lisboa, à exceção de quatro fados, em 1969, na segunda parte de uma atuação da fadista no Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, da qual já tinham sido editadas duas canções, com orquestra, no duplo CD "Amália Canta Portugal" (2016).

Nesta edição incluem-se "Havemos de Ir a Viana", "Povo que Lavas no Rio", "Formiga Bossa Nossa" e "Vou Dar de Beber à Dor".

O terceiro CD inclui "numerosos ensaios em estúdio", entre os quais a canção "Eu tenho um Coração Novo", cuja letra pode atribuir-se, com algumas reservas, a Amália Rodrigues.

Esta edição inclui, disse Frederico Santiago, todo o repertório editado originalmente nos 'singles' e EP, de 45 rotações, publicados entre 1968 e 1974, quando Amália gravou "a nata do repertório do 'fado alegre', como muitos hoje lhe chamam, com cantigas como 'É ou Não É', que dá título à edição, pois também neste domínio o seu repertório e o seu legado são inultrapassáveis".

"No 'fado alegre' Amália é imbatível", enfatizou Frederico Santiago.

A edição inclui textos de Frederico Santiago e de Nuno Gonçalo da Paula, autor do livro "Nóbrega e Sousa -- Música no coração" (2010), e fotografias inéditas de Augusto Cabrita.

Frederico Santiago tem investigado a obra de Amália Rodrigues (1920-1999), contextualizando e catalogando o seu legado.

O triplo CD "Amália. É ou Não É - os 45 rpm (1968-1975)" é a primeira edição, este ano, do projeto da edição aumentada e remasterizada, a partir das bobinas originais, da obra integral da artista.

Sob orientação de Frederico Santiago foram editados, sempre com inéditos, "Amália no Chiado", "Fado Português", "Tivoli 62", "Someday", "Amália... Canta Portugal", "Amália em Itália", "Amália no Coliseu" e "Fados'67".

NL // MAG
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)