Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

"O meu avô é um lutador"

Ricardo Trêpa, neto de Manoel de Oliveira, fala de ‘O Gebo e a Sombra’, novo filme do avô.
7 de Outubro de 2012 às 01:00
RICARDO TRÊPA, MANOEL DE OLIVEIRA, CINEMA, FILME, 'O GEBO E A SOMBRA'
RICARDO TRÊPA, MANOEL DE OLIVEIRA, CINEMA, FILME, 'O GEBO E A SOMBRA' FOTO: Vítor Mota

Correio da Manhã - O seu avô foi recentemente homenageado, agora pelo Parlamento. Cresceu a ver isto acontecer...

Ricardo Trêpa - De facto. E é uma homenagem mais do que merecida a um homem que, aos 103 anos, continua a filmar e a querer viver e trabalhar. Mesmo depois dos graves problemas de saúde ainda há pouco tempo...

- Depois desses problemas cardíacos [que o levaram ao hospital], como está o seu avô?

- O meu avô é um lutador e luta para se manter cá, lúcido, a fazer o que ama. Mas claro que ficaram marcas. É um feito ele chegar aos 103 anos com a qualidade de vida que sempre teve.

- Como é agora a rotina dele?

- Tem cuidados extras e uma enfermeira 24 horas/dia, mas está cheio de vontade de viver.

- E terá forças para mais filmes?

- ‘A Igreja do Diabo', escrito pelo Machado de Assis, é para ser filmado no Brasil e será o próximo. E tem mais um ou dois projectos.

- Terá forças para ir até ao Brasil?

- Ele tem vontade e autorização do médico. E, tendo forças, irá. É uma questão de haver financiamento para o filme.

- Sente-se honrado por ser neto e actor exclusivo de Oliveira?

- Não me vejo como exclusivo, mas considero-me parte do universo dele. É uma honra, claro.


- Emociona-o ver todas as pessoas de pé a aplaudi-lo?

- Emociona-me sabendo que o meu avô se sente muito honrado, já que é também uma forma de o público admirar o seu trabalho.

- Quais as diferenças entre Oliveira em família e no plateau?

- Uma única: em casa não usa câmara.

- E a dirigir actores, dá liberdade?

- Total. O Manoel tem uma visão muito própria e única do que é representar. É uma interpretação mais marcada, teatralizada.

- Não sente que há um pouco de ingratidão do público nacional, que rejeita os filmes de Oliveira?

- Se calhar por não compreenderem o cinema de Oliveira. Há muita gente que prefere tiros e maminhas do que um raciocínio expresso em palavras.

- ‘O Gebo e a Sombra' é todo falado em francês. Foi difícil para si?

- Procurei ajuda porque não tinha um francês que se adaptasse ao papel. Mas gosto do universo Oliveira: há sempre muito trabalho antes de chegar ao plateau.

- A sua personagem é o vilão?

- É o revolucionário, a ‘Sombra'.

- É um filme actual...

- Sem dúvida, e fala de pobreza, um ponto em sintonia com o momento que atravessamos.

PERFIL

Ricardo de Oliveira de Sousa Trêpa nasceu no Porto há 39 anos. Neto de Manoel de Oliveira, estreou-se no cinema pelas mãos do realizador em 1990, em ‘Non, ou A Vã Glória de Mandar'. Além dos filmes de Oliveira, fez também televisão (novelas). É proprietário do restaurante D'Oliva, em Lisboa. ‘O Gebo e a Sombra' estreia já na quinta-feira.

RICARDO TRÊPA MANOEL DE OLIVEIRA CINEMA FILME 'O GEBO E A SOMBRA'
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)