Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

O terror do Holocausto na primeira pessoa

Nanette, amiga de Anne Frank, publica experiência dramática.
Natacha Nunes Costa 27 de Janeiro de 2016 às 10:03
Nanette Blitz Konig foi uma das sobreviventes que contrariou as assustadoras estatísticas do Holocausto
Nanette Blitz Konig foi uma das sobreviventes que contrariou as assustadoras estatísticas do Holocausto FOTO: DR

O mundo celebra esta quinta-feira o Dia Internacional da Memória do Holocausto. Uma data instituída em 2005 pelas Nações Unidas e adotada pela União Europeia para homenagear os cerca de seis milhões de judeus mortos em campos de concentração e os sobreviventes que tiveram de refazer as suas vidas.

É o caso de Nanette Blitz Konig, que levou décadas para conseguir escrever sobre os horrores que viveu no campo de concentração de Bergen-Belsen, durante a II Grande Guerra.

Em 2015, 70 anos depois do fim do Holocausto, a holandesa decidiu que devia escrever um livro sobre a experiência. O objetivo foi claro: "não esqueçamos este período da História, evitemos repetir o sofrimento causado pela intolerância".

Colega de Anne Frank

A holandesa, de 86 anos, foi uma das sobreviventes que contrariou as assustadoras estatísticas do Holocausto. Até 1933, nove milhões de judeus viviam na Europa. Em 1945, no final da II Grande Guerra, dois em cada três desses judeus tinham sido mortos pelos nazis, entre os quais a escritora germano-holandesa Anne Frank, amiga de escola de Nanette.

As memórias descritas são intensas e devastadoras. Sobrevivi ao Holocausto é um relato sobre a vida nos primórdios da guerra, o clima de tensão vivido pelas famílias levadas para os campos de concentração e de extermínio, o desaparecimento de familiares e amigos e desconhecimento e sobre o dia-a-dia com mortos, doenças e cheiros terríveis.

Uma história de superação

Além de tudo isto, Nanette também é um testemunho de superação. A holandesa, radicada no Brasil há 50 anos, conseguiu reerguer-se depois de um trauma doloroso. Casou, teve filhos e hoje ajuda a criar os netos.

Bilhete de identidade do livro

 

















Título:
 Sobrevivi ao Holocausto

Autor: Nanette Blitz Konig

Sinopse: Em 1938, Nanette era uma menina feliz que vivia com os pais, Martijn e Helene, em Amesterdão. Com o avanço das forças nazis pela Europa e a invasão da Holanda em 1940, Nanette e a sua família sentiram, pouco a pouco, o seu mundo a encolher. Vítimas de xenofobia, seriam excluídos da sociedade holandesa em apenas três anos.
Em setembro de 1944, a menina foi enviada com o pai e a mãe para o campo de concentração de Bergen-Belsen. O acaso permitiu que Nanette sobrevivesse. Agora, quase 70 anos depois Nanette relata de forma detalhada o caminho percorrido pela sua família e o seu fim trágico. A história de Nanette, real e simultaneamente sensível e chocante, narra a luta diária pela sobrevivência, em que teve de vencer o insuportável para conseguir manter-se viva.

Páginas: 224

Editora: Vogais

ISBN: 978 - 989 - 88 - 3131 - 6

Preço: 13,94 euros (no dia da publicação desta notícia)

Holocausto testemunho sobrevivente Sobrevivi ao Holocausto Nanette Blitz Konig Anne Frank II Grande Guerra
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)