Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
2

"Paixão supera crise"

António Baldaya Rego Botelho dirige a mais antiga ganadaria açoriana que, após a estreia em Maio no Campo Pequeno, foi distinguida por ter exibido os melhores toiros da temporada na praça lisboeta
23 de Dezembro de 2011 às 01:00
Entrevista, António Baldaya Rego Botelho, Tourada, Ganadaria, Açores
Entrevista, António Baldaya Rego Botelho, Tourada, Ganadaria, Açores FOTO: direitos reservados

Correio da Manhã – A sua ganadaria acaba de ser premiada com o galardão para o melhor curro de toiros lidado no Campo Pequeno este ano. Como reagiu?

António Baldaya Rego Botelho – O sentimento é de uma profunda felicidade não só pelo sucesso da temporada e, em especial, daquela memorável noite de 19 de Maio, mas sobretudo pelo facto de este galardão ser um orgulho e representar o culminar de muito trabalho e dedicação.

– A crise tornou o seu trabalho mais exigente?

– Vivermos numa descontinuidade geográfica cria-nos dificuldades, ao nível do clima, que prejudicam as condições das pastagens e, consequentemente, o pastoreio, além dos elevados custos de deslocação. Mas a crise é ultrapassável com a paixão e com a entrega que uma ganadaria exige.

– Além disso, o toiro de nome ‘Guarda’, lidado pelo matador espanhol António Ferrera, mereceu o galardão de mais bravo de Lisboa. Foi possível curá-lo e aproveitá-lo como semental?

– Sim, o ‘Guarda’ não criou preocupações, porquanto curou bem as feridas e não se ressentiu da viagem de regresso à Caldeira. Foi um toiro bravo e temos esperança de que a genética se imponha.

– Este êxito constitui um justo prémio para tanta entrega e cuidados ou há algo mais?

– O trapio, a casta e a bravura não surgem sem mais. Ainda que tenhamos sido agraciados pelo factor sorte, o aspecto determinante para o sucesso reside numa séria selecção, onde se dá às varas a importância que têm.

PERFIL

António Baldaya Rego Botelho tem 49 anos, é casado e pai de dois filhos. Dirige, com o irmão José, a mais antiga ganadaria dos Açores (fundada na Terceira em 1953), que possui mais de 400 cabeças de toiros.

Entrevista António Baldaya Rego Botelho Tourada Ganadaria Açores
Ver comentários