Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

PIRATARIA MADE IN HOLLYWOOD

O Reino Unido está a ser inundado de cópias piratas de filmes como "O Senhor dos Anéis - As Duas Torres" que, segundo se sabe, foram feitas, imagine-se só, a partir de cópias enviadas para os membros da Academia de Hollywood e que se destinavam a servir apenas e só como elemento de apreciação destinada à votação para os Óscares.
29 de Janeiro de 2003 às 00:03
De resto, a origem das cópias não deixa dúvidas, até porque quem as visionar não deixará de reparar que, de 15 em 15 minutos, aparece no ecrã a mensagem “For Your Consideration” (“Para Sua Consideração”).

Segundo a Federação Britânica contra a Pirataria (FACT), já entraram no Reino Unido mais de dez mil cópias ilegais, algo que está a “chocar” sobretudo os norte-americanos, até porque uma das condições para se ser membro da Academia de Hollywood é o total sigilo e discrição no que diz respeito às cópias dos filmes para apreciação.

“Acho que é extremamente frustrante que as pessoas que estão envolvidas na indústria tenham deixado fugir cópias dos filmes da Academia”, disse, a propósito, David Lowe, director geral da FACT.
De acordo com aquela federação, as referidas cópias chegaram ao mercado negro com uma qualidade de som e imagem muito superior aos tradicionais filmes piratas.

EM PORTUGAL POR DEZ EUROS

Mas não foi apenas o novo filme da saga de “O Senhor dos Anéis” (cujo DVD será lançado em Agosto no Reino Unido) que “escorregou” das mãos de gente menos escrupulosa da indústria de cinema de Hollywood. Ao que se sabe também milhares de cópias ilegais de “Gangs of New York” (que se estreia no nosso País a 1 de Março) e “Harry Potter e a Câmara dos Secretos”, estão já disponíveis no mercado negro e já chegaram a Portugal (ver artigo relacionado).

A dimensão que as coisas, entretanto, atingiram está a ter consequências imediatas. Várias distribuidoras decidiram mesmo cancelar algumas das cópias para visionamento que se destinavam aos membros da Academia Britânica de Cinema e de Televisão que deveriam apreciá-los até ao próximo dia 23 de Fevereiro, dia em que se realizará a entrega dos BAFTA (prémios britânicos correspondentes aos Óscares).

”AINDA NÃO VI NIGUÉM SER PRESO”

Não se julgue que a pirataria de filmes é um fenómeno imberbe em Portugal. Segundo dados da Federação de Editores de Videogramas (FEVIP) no ano passado foram apreendidas mais de 30 mil cópias ilegais em suporte DVD e DiVX (CD de vídeo feito a partir do DVD segundo uma técnica de compressão, o MP4).

A fiscalização anda no terreno mas é muito difícil castigar os usurpadores. “Estamos atentos sobretudo aos Newsgroups e averiguar as ofertas que nele são feitas”, comenta Paulo Santos, presidente da FEVIP, revelando: “Há muitos piratas apanhados e julgados, mas ainda não vi ninguém ser preso”.
Ver comentários