Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado

Grupo de Frank Black tinha novo disco para apresentar mas foram os sucessos de outrora que marcaram a noite.
Pedro Rodrigues Santos 26 de Outubro de 2019 às 15:17
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado
Pixies em Lisboa: uma festa em ritmo acelerado

Como é que se encaixam quase 40 canções num concerto com pouco mais de duas horas? Dando o "litro" sem trocar uma única frase com o público e sem voltarem ao palco para um ‘encore’!

Nada de novo se estivermos a falar dos Pixies num Campo Pequeno completamente lotada nesta sexta-feira à noite. Na calha estava ‘Beneath the Eyrie’, o novo disco do grupo de Frank Black lançado em Setembro… mas não por essa razão que a praça de touros lisboeta esgotou.

A larga maioria estava lá para ouvir as canções dos quatro discos (e um mini LP) que moldaram a sua juventude entre 1987 e 1991 e nisso, não saíram de lá defraudados. ‘Gouge Away’ deu o tiro de partida para uma noite de rock sempre a alta velocidade; o grupo quase nem dava tempo para aplaudir o fim de um tema para logo atacar o seguinte.

O público demorou a aquecer, principalmente quando os Pixies "atacavam" as canções do novo disco – deixaram apenas uma de fora das 12 que fazem parte dele –, como ‘Los Surfers Muertos’ ou ‘Ready for Love’. Bastava, no entanto, dedilharem os acordes de ‘Here Comes Your Man’, ‘Hey’ ou ‘Where Is My Mind’, para a sala cantar em uníssono.

Eis que surge ‘Monkey Gone to Heaven’, tocada e cantada de uma forma mais desprendida do que seria de esperar, para então lançarem a noite para a reta final. E foi para esse trecho que estavam "guardadas" as canções que arrastaram a multidão até ao Campo Pequeno.

‘Vamos’, ‘Where Is My Mind’, ‘Bone Machine’ e ‘Wave of Mutilation’ aceleraram ainda mais o ambiente que já estava para lá de bom, para depois encerrarem em grande estilo com ‘Debaser’, ‘Tame’ e um fabuloso ‘Gigantic’. Os cronómetros pararam ao fim de 2h15 de espetáculo, com Frank Black e os seus pares a agradecerem com vénias os aplausos vibrantes da assistência.

Mereciam um’encore’? Sem dúvida, mas já lá vai o tempo em que voltavam ao palco com as luzes acesas, como sucedeu na estreia dos Pixies no Coliseu dos Recreios, em Lisboa, no já longínquo ano de 1991

Lisboa Campo Pequeno Frank Black Where Is My Mind artes cultura e entretenimento música
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)