Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

Portimão recebe o maior evento filatélico do ano

A Mostra Filatélica chega em novembro.
J. Pires Santos 9 de Janeiro de 2017 às 21:33

A cidade de Portimão vai receber, em novembro, a Exposição Filatélica Nacional, o maior evento filatélico que se realiza este ano em Portugal.

O Pavilhão Arena será o palco da ‘Portimão 2017’, que espera acolher as melhores coleções portuguesas em cerca de mil quadros expositores.

Esta edição traz grandes novidades e vai ser aberta a todas as colecções filatélicas, já que terminaram as exposições Inter-Regionais. O certame competitivo inter-regional era aberto a coleções que fossem apresentadas pela primeira vez ou que ainda não tivessem obtido o galardão de medalha de prata – grau mínimo para concorrer numa exposição nacional.

Aguarda-se a distribuição do regulamento, com as respetivas alterações.

A organização do evento tem o patrocínio da Federação Portuguesa de Filatelia, dos Correios de Portugal e da Câmara Municipal de Portimão.

Além da ‘Portimão 2017’, o plano exposicional da Federação Portuguesa de Filatelia para o corrente ano inclui mais 28 certames filatélicos organizados por 15 entidades federadas distribuídas por todo o País.

O primeiro evento do ano está marcado para fevereiro, numa organização do Núcleo Juvenil de Filatelia da Escola Secundária Almeida Garrett, de Vila Nova de Gaia. O certame assinala o ‘Dia de Almeida Garrett’ na escola com o mesmo nome.

A sétima edição desta mostra será assinalada com um carimbo comemorativo lançado pelos Correios de Portugal. Os participantes nesta exposição são os alunos do Núcleo Juvenil da Escola.

LISBOA CAPITAL IBERO-AMERICANA DA CULTURA

Os Correios de Portugal editaram, a 7 de janeiro, uma emissão que pretende homenagear a eleição, no ano passado, pela União das Cidades Capitais Ibero-Americana (UCCI), de Lisboa como capital da cultura em 2017.

Esta emissão filatélica é composta por quatro selos e um bloco filatélico que representa Portugal e os países da América do Sul. O selo de 0,47 euros apresenta, em primeiro plano, um vaso em cerâmica de uma figura antropomórfica, no Perú, e, em fundo, as ruínas Incas de Machu Picchu.

Já o selo de 0,65 euros é dedicado ao Brasil e reproduz o instrumento musical berimbau e, em segundo plano, a Igreja de São Francisco, em Salvador da Bahia.

Os dois últimos selos da emissão têm a taxa de 0,80 euros cada. Um deles apresenta a imagem do Sport City Oaxaca, no México. Já o último selo de 0,80 euros reproduz, em segundo plano, o Palácio do Congresso Nacional, em Buenos Aires, Argentina.

Em primeiro plano, a pagela divulgadora da emissão refere que é um "grupo de emigrantes que aguarda no Terreiro do Paço, em Lisboa o momento para embarcar, imagem de 1913". Ora o monumento que se encontra no Terreiro do Paço é a estátua de D. José, inaugurada no século XVIII, e não a que aparece no selo.

Quanto ao bloco que reproduz o Terreiro do Paço, em Lisboa, é indicado na pagela como sendo a Praça do Município.

colecionismo J. Pires Santos CTT
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)