Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

Reinventar o dia-a-dia

A versão ocidentalizada do fascinante universo das danças de salão, filmado originalmente pelo realizador japonês Masayuki Suo (’Shall We Dansu’), chega esta semana às salas de cinema nacionais, num ‘remake’ cujos trunfos residem no elenco de luxo, composto por Richard Gere, Jennifer Lopez e Susan Sarandon.
13 de Janeiro de 2005 às 00:00
Para o novo ‘Vamos Dançar’, o realizador britânico Peter Chelsom bebeu o essência do original nipónico (a magia dos corpos envolvidos em voluptuosas danças), mas acrescentou-lhe os padrões de Hollywood, numa comédia romântica previsível.
A grande virtude, porém, reside na sensibilidade com que foram filmadas as cenas de dança e no trabalho dos actores. Richard Gere suou as ‘estopinhas’ para aperfeiçoar os passos de dança, enquanto Susan Sarandon deu a intensidade emocional característica das suas interpretações. Jennifer Lopez, por seu lado, conferiu ao filme a sensualidade exigida pela temática.
O cenário foi transferido para Chicago (apesar das cenas terem sido filmadas em Winnipeg, Canadá) e a trama gira em torno do sorumbático e bem-sucedido advogado John Clark (Richard Gere) que, apesar de ser casado com uma mulher admirável (Susan Sarandon), sente-se como se vivesse em piloto automático. Um dia, porém, vê o perfil de uma bela e exótica mulher (Jennifer Lopez) na janela de um estúdio de dança. Na tentativa de a conhecer, decide inscrever-se nas danças de salão, que lhe abrem a porta para um admirável universo e o salvam do torpor da rotina. As suas inexplicáveis ausências, contudo, levam a mulher (Susan Sarandon) a desconfiar que ele possa ter um caso extraconjugal...
OUTROS FILMES
'MARIA CHEIA DE GRAÇA'
Maria tem 17 anos e vive numa pequena aldeia na Colômbia, onde trabalha para ajudar a sustentar a família. Ao descobrir quer está grávida, parte para a capital, onde arranja ‘emprego’ como correio de droga. Um drama assinado por Joshua Marston, com Catalina Moreno como protagonista. O círculo de críticos de Chicago já a considerou uma das mais promissoras revelações da Sétima Arte.
'A CASA DA MORTE'
Um grupo de amigos decide ir até uma ilha deserta onde estaria a decorrer uma festa, mas ao invés de diversão vão deparar-se com um problema: os zombies que por ali deambulam. O resto é previsível: cabeças desfiguradas, desmembramentos e corpos por toda a parte. Um filme de Uwe Boll, com Jonathan Cherry, Ona Grauer, Jürgen Prochnow e Clint Howard, que recupera a fórmula dos filmes de culto de Série B dos anos 70 e 80.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)