Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

Rihanna seduz Lisboa num ritmo imparável (COM VÍDEO)

A enina dengosa e tímida dos Barbados cresceu, ganhou confiança e a sua carreira disparou para um êxito que nem ela nunca imaginaria… Agora é uma mulher sedutora, poderosa e a sua sensualidade transborda mal pisa um palco. Ontem, de volta ao Pavilhão Atlântico em Lisboa – onde já actuou em nome próprio, ainda em 2006, no Coliseu dos Recreios –, foi mesmo assim: Rihanna voltou a mostrar porque é uma das artistas mais rentáveis do ano.

18 de Dezembro de 2011 às 01:00
Nélson, de 17 anos, foi um dos que passou a noite ao relento
Raquel, de 14 anos, veio de Alfragide para ver Rihanna no seu dia de aniversário
Cantora começou por dizer à plateia: 'Estão prontos, Lisboa?'
Rihanna cantou em cima de um capô de um carro
Longa espera acabou com gritos e correria
Grupo pernoitou ao frio e dormiu em sacos-cama para ser dos primeiros a entrar
Sensualidade e ousadia marcaram concerto de ritmo imparável
Fãs correram para garantir lugar junto ao palco
Pavilhão Atlântico ouviu temas como 'Man Down', 'Only Girl (In the World)' ou 'Disturbia'
Olhos de cerca de 18 mil pessoas estiveram vidrados em Rihanna
Fãs esperaram muitas horas e exibiram cartazes
Rihanna seduziu Lisboa num ritmo imparável
Dezoito mil fãs passaram serão de sábado no Parque das Nações
Segurança acompanhou de perto entradas no Pavilhão Atlântico
Danças sensuais marcaram serão
Rihanna mostrou-se pouco tímida em Lisboa
Momentos de diversão e música marcaram horas antes da abertura das portas
Artista de 23 anos apresentou uma grande produção que exigiu 28 camiões de material
Rihanna surgiu de biquíni colorido em palco
Nélson, de 17 anos, foi um dos que passou a noite ao relento
Raquel, de 14 anos, veio de Alfragide para ver Rihanna no seu dia de aniversário
Cantora começou por dizer à plateia: 'Estão prontos, Lisboa?'
Rihanna cantou em cima de um capô de um carro
Longa espera acabou com gritos e correria
Grupo pernoitou ao frio e dormiu em sacos-cama para ser dos primeiros a entrar
Sensualidade e ousadia marcaram concerto de ritmo imparável
Fãs correram para garantir lugar junto ao palco
Pavilhão Atlântico ouviu temas como 'Man Down', 'Only Girl (In the World)' ou 'Disturbia'
Olhos de cerca de 18 mil pessoas estiveram vidrados em Rihanna
Fãs esperaram muitas horas e exibiram cartazes
Rihanna seduziu Lisboa num ritmo imparável
Dezoito mil fãs passaram serão de sábado no Parque das Nações
Segurança acompanhou de perto entradas no Pavilhão Atlântico
Danças sensuais marcaram serão
Rihanna mostrou-se pouco tímida em Lisboa
Momentos de diversão e música marcaram horas antes da abertura das portas
Artista de 23 anos apresentou uma grande produção que exigiu 28 camiões de material
Rihanna surgiu de biquíni colorido em palco
Nélson, de 17 anos, foi um dos que passou a noite ao relento
Raquel, de 14 anos, veio de Alfragide para ver Rihanna no seu dia de aniversário
Cantora começou por dizer à plateia: 'Estão prontos, Lisboa?'
Rihanna cantou em cima de um capô de um carro
Longa espera acabou com gritos e correria
Grupo pernoitou ao frio e dormiu em sacos-cama para ser dos primeiros a entrar
Sensualidade e ousadia marcaram concerto de ritmo imparável
Fãs correram para garantir lugar junto ao palco
Pavilhão Atlântico ouviu temas como 'Man Down', 'Only Girl (In the World)' ou 'Disturbia'
Olhos de cerca de 18 mil pessoas estiveram vidrados em Rihanna
Fãs esperaram muitas horas e exibiram cartazes
Rihanna seduziu Lisboa num ritmo imparável
Dezoito mil fãs passaram serão de sábado no Parque das Nações
Segurança acompanhou de perto entradas no Pavilhão Atlântico
Danças sensuais marcaram serão
Rihanna mostrou-se pouco tímida em Lisboa
Momentos de diversão e música marcaram horas antes da abertura das portas
Artista de 23 anos apresentou uma grande produção que exigiu 28 camiões de material
Rihanna surgiu de biquíni colorido em palco

Com ela, para montar o cenário, vieram 28 camiões e uma comitiva de 140 pessoas. Mas os olhos de cerca de 18 mil pessoas estavam mesmo todos virados para a artista. E Rihanna não defraudou: com um minicasaco azul cintilante, a jovem surgiu em palco dentro de uma bola cromada, envolvida em vários bailarinos de fatos coloridos e prontamente se atirou a ‘Only Girl (In the World)', single de sucesso do seu quinto álbum, ‘Loud', que dá nome à digressão que ontem arrasou em Lisboa.

‘Disturbia', do terceiro disco ‘Good Girl Gone Bad', rapidamente a despiu, para mostrar o corpo bem feito e sedutor, apenas envergando um biquíni colorido, que se passeou em placas deslizantes por todo o palco. ‘Shut Up and Drive' animou ainda mais a plateia, já de si bastante histérica, com Rihanna em cima de um pretenso capô de carro que uma fã, içada da plateia, ajudaria a ‘destruir'. A canção ‘Man Down' levou a assistência ao rubro antes de uma versão de Prince (‘Darling Nikki'), em que a jovem caribenha voltou de smoking ao palco, fato que também rapidamente despiria antes de se atirar a um solo de bateria que enlouqueceu ainda mais o Atlântico.

‘Unfaithful', tema de 2006, abriria uma muito emocionante sequência de baladas, antes de um final que se esperava, como todo o espectáculo, rasgativo e sem fôlego. Nota dominante: um concerto imparável, sempre com Rihanna a mostrar o seu poder.

"A MINHA VIDA AGORA É TUDO 'VAI, VAI, VAI'..."

"A minha vida agora é muito diferente. Em Barbados, era só uma rapariguinha normal que ia à escola, tinha uma vida muito relaxada. Agora é tudo ‘vai, vai, vai'... Acontece tudo muito depressa." Estas foram as primeiras palavras de Rihanna ao CM, em 2006, na sua primeira actuação no Pavilhão Atlântico, em Lisboa. Tímida, de voz baixa e com aquele de rapariguinha da porta ao lado, a jovem, então com 18 anos, acedera conversar com o nosso jornal minutos antes de subir ao palco para fazer a primeira parte das Pussycat Dolls. Ontem foi ela a estrela principal.

LONGA ESPERA ACABOU COM GRITOS E CORRERIA

Gritos, empurrões e muita correria. Mal se abriram ontem as portas do Pavilhão Atlântico, cerca das 18h00, as filas aparentemente alinhadas desordenaram-se na ansiedade de se entrar em primeiro lugar. À espera, estavam milhares de jovens, muito jovens, e sobretudo raparigas.

Acompanhadas dos pais, irmãos, namorados ou em grupos de amigos, as teenagers eram mesmo em maior número e era também sobretudo feminina a voz que mais se ouvia em eco à volta de todo o pavilhão.

Muitos jovens fãs optaram mesmo por contrariar o frio e a chuva e pernoitaram ali para garantir o lugar mais perto do palco.

Nas longas horas de espera houve uma forma de distracção que todos uniu: cantar os êxitos da artista que dominou ontem o serão. ‘Man Down', ‘Umbrella' ou o recente ‘We Found Love' foram os temas mais ouvidos de Rihanna na (des)afinação dos muitos que aguardavam pelo espectáculo.

CARIBENHA NA LISTA DAS MAIS RENTÁVEIS

Pode não ter sido a cantora a arrecadar mais dinheiro em 2011, mas Rihanna não se pode queixar dos rendimentos: entre discos e concertos, a caribenha de 23 anos somou à sua conta bancária 22,2 milhões de euros. O valor coloca-a no quinto lugar de um ranking restrito, elaborado pela revista ‘Forbes'. Na liderança, sem grandes surpresas, está Lady Gaga que conseguiu a proeza de lucrar 69,2 milhões. Taylor Swift, a menina do country, amealhou 34,6 milhões de euros. À californiana Katy Perry cabe a terceira posição deste ‘top 5', com 33,8 milhões de euros, seguida de Beyoncé, que chegou aos 26,8 milhões.

RIHANNA CONCERTO LISBOA PAVILHÃO ATLÂNTICO MÚSICA
Ver comentários