Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
3

São José Correia dá queda no palco

Atriz enfrenta mais um monólogo, desta feita escrito e encenado por Rui Neto. Uma peça poética mas assustadora sobre o final dos tempos
7 de Fevereiro de 2014 às 08:45
São José Correia na peça 'Worms'
São José Correia na peça 'Worms' FOTO: Jorge Jacinto

São São José Correia não está nua em cena – ao contrário do que chegou a ser noticiado – mas está em queda. Na peça ‘Worms’, de Rui Neto, a atriz de 39 anos está presa a uma máquina cénica que deixa o seu corpo em permanente estado de desequilíbrio. Como se, qual Alice no País das Maravilhas, estivesse a cair num poço fundo, sem fim à vista.

O espetáculo, estreado no final do ano passado em Lisboa, passa este fim de semana pelo palco do Teatro Municipal Joaquim Benite, em Almada, e propõe, em tom poético, uma reflexão sobre o fim dos tempos.

São José Correia, que enfrenta o segundo monólogo da sua carreira, diz que se deixou encantar "pela poesia do texto, pela sua beleza", mas acrescenta que ficou surpreendida pelas dificuldades encontradas na construção da personagem.

"O universo do teatro do absurdo fascina-me, mas a verdade é que dá poucas certezas a que me agarrar", conta a atriz. Quem é esta mulher em queda? "Continuo à procura", acrescenta. "Gosto dela, mas ainda não a conheço completamente..."

Quanto a Rui Neto, admite que ‘Worms’ – que é como quem diz, ‘Vermes’ – é um texto que "tem muito a ver com os tempos de hoje". "Não é preciso imaginar uma catástrofe nuclear para escrever sobre o fim do Mundo. Basta olhar à nossa volta, porque é a sensação que temos", diz o autor, e também encenador, que há muito queria trabalhar com São José Correia em teatro. ‘Worms’ vê-se em Almada dias 7 e 8 às 21h30, dia 9 às 16h00.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)