Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
1

Sophia de Mello Breyner Andresen lembrada no dia em que completaria cem anos

Sophia faria esta quarta-feira um século de vida e o País, de norte a sul, dedica-lhe homenagens em todas as áreas artísticas.
Ana Maria Ribeiro 5 de Novembro de 2019 às 09:32
Sophia de Mello Breyner Andresen
'A menina do mar', publicado em 1958, é um dos mais conhecidos textos de Sophia de Mello Breyner Andresen
Sophia de Mello Breyner Andresen inspirou-se nas paisagens gregas para escrever alguns dos seus mais belos trechos de poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
'A menina do mar', publicado em 1958, é um dos mais conhecidos textos de Sophia de Mello Breyner Andresen
Sophia de Mello Breyner Andresen inspirou-se nas paisagens gregas para escrever alguns dos seus mais belos trechos de poesia
Sophia de Mello Breyner Andresen
'A menina do mar', publicado em 1958, é um dos mais conhecidos textos de Sophia de Mello Breyner Andresen
Sophia de Mello Breyner Andresen inspirou-se nas paisagens gregas para escrever alguns dos seus mais belos trechos de poesia
"Era preciso agradecer às flores/Terem guardado em si/Límpida e pura,/ /Aquela promessa antiga/De uma manhã futura." Quem escreveu? Sophia, claro.

A poeta, que abominava o termo poetisa, por o achar depreciativo, nasceu no Porto, a 06 de novembro de 1919 - faz esta quarta-feira 100 anos -, e até dezembro o País, de norte a sul, enche-se de evocações da sua obra e de homenagens à sua memória.

De origem dinamarquesa pelo lado paterno, Sophia de Mello Breyner Andresen estudou Filologia Clássica na Universidade de Lisboa e publicou os primeiros poemas nos anos 40.

Em 1946, casou com Francisco Sousa Tavares, com quem teve cinco filhos (divorciou-se em 1985). Com breve passagem pela política (foi eleita para a Assembleia Constituinte, em 1975, pelo círculo do Porto na lista do Partido Socialista), a sua grande paixão eram as palavras e a escrita encheu-a de prémios. Em 1999, tornou-se na primeira mulher a receber o Prémio Camões.

Sophia morreu em 2004, aos 84 anos, em Lisboa, e repousa desde 2014 no Panteão Nacional.

Esta quarta-feira, é lembrada num concerto comemorativo do seu centenário, no Teatro Nacional de São Carlos, Lisboa.

A partir das 20h00, ouve-se ‘Orfeu ed Euridice’, de C. W. Gluck, no arranque de um programa de celebrações que abrange todas as áreas artísticas.
Terem Sophia de Mello Breyner Andresen Lisboa Límpida Aquela Porto artes cultura e entretenimento literatura
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)