Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
4

TARANTINO DE VOLTA

Seis anos depois de "Jackie Brown", o seu filme de menor sucesso, o realizador norte-americano Quentin Tarantino está de regresso com "Kill Bill: Volume 1", esta semana estreado nos Estados Unidos. O irreverente cineasta de "Cães Danados" e "Pulp Fiction", cortou "Kill Bill" e dividiu-se em dois volumes ou filmes. O segundo só chega em 2004.
2 de Outubro de 2003 às 00:00
 Tarantino rodeado por Daryl hannah (esquerda) e Uma Thurman
Tarantino rodeado por Daryl hannah (esquerda) e Uma Thurman FOTO: Fred Prouser/Reuters
Desta vez, porém, Tarantino parece ter ido longe de mais. A crer nos actores que dirigiu, a "coisa" não foi mesmo nada fácil.
Uma Thurman - que tem o papel principal, uma assassina que, armada de uma catana japonesa, passa o filme todo a tentar matar o traçoeiro ex-patrão - confessa que as filmagens foram muito duras. "Foi uma locura: fui espancada, torturada, assassinada e lutei contra centenas de tipos...", garante.
Nos Estados Unidos, "Kill Bill" recebeu boas críticas, delirantes em alguns casos, embora com a devida ressalva de que a obra é bastante violenta e, mesmo, "gore". Tarantino diz que quem vê o filme inicia uma viagem pelo seu cérebro, enquanto Lucy Liu garante que os "telespectadores vão abandonar a sala de cinema ou ficar enjoados. É muito violento", garante a actriz que integra o elenco com Daryl Hannah, Michael Mad-sen, David Carradine e Samuel L. Jackson.
Ver comentários