Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
7

TOM JONES E SPARKS EM LISBOA

O galês Tom Jones e os norte-americanos Sparks são os mais recentes nomes a juntarem-se ao cartaz de espectáculos em Lisboa. Mr. “sex bomb” actua a 21 de Junho, no Pavilhão Atlântico, enquanto os Sparks têm concerto marcado já para o próximo dia 26 de Março, no Centro Cultural de Belém.
20 de Fevereiro de 2003 às 00:00
Tantas vezes desejado quantas adiado (recorde-se que o músico chegou a ter concerto agendado o ano passado, precisamente para o Atlântico), Tom Jones chega a Lisboa num particular momento de forma... e de fama. Em tempos conhecido como “Mr. sex bomb”, ou “Medallion man” (o homem das medalhas, em tradução livre), Tom Jones é hoje um respeitado cantor, sendo convidado com frequência por novos artistas. Foram os casos do ex-Take That, Robbie Williams, ou do reputado músico e produtor de hip--hop, Wyclef Jean, dos Fugees. Tratado hoje entre os pares como “mr. cool”, Tom Jones, de 62 anos, foi recentemente distingudio com um prémio da indústria britânica (Brit) pelo seu contributo para a música.

Em Lisboa, Jones deverá privilegiar as canções do seu mais recente disco, simplesmente intitulado “Mr. Jones”, um trabalho desenvolvido em parceria com Wyclef Jean e no qual ensaia uma aproximação às novas linguagens musicais.

No entanto, os êxitos conseguidos durante a sua já longa carreira não deverão também faltar no espectáculo. Entre os mais desejados contam-se “Delilah”, “The Green Green Grass of Home”, a versão de “Kiss” (Prince), “Danny Boy” e “What’s New Pussycat”, entre muitos outros.

DUO VETERANO

Os Sparks, por seu lado, são unanimemente reconhecidos como autores de uma das mais bizarras propostas da pop. Fundados nos anos 70 pelos irmãos Ron e Russell Mael, o grupo conheceu várias formações ao longo da sua carreira, marcada também por diversas interrupções.

Verdadeiros diletantes musicais, Ron e Russell misturam ironia, sexo, paranóia e tudo o mais em canções que cruzam todo o universo da pop. De entre os vários êxitos que foram conhecendo, muito em especial na Europa (onde o seu trabalho é mais reconhecido), contam-se “Amateur Hour”, “Never Turn Your Back on Mother Earth” (uma das primeiras canções sobre ambiente), ”The Number One Song in Heaven” (com produção de Giorgio Moroder), “When I’m With You” e “ThisTown ain’t big Enough For Us”.
No CCB, o duo apresentará um espectáculo dividido em duas partes. A primeira será preenchida com, as canções do novo álbum, “Lil’ Beethoven”, e a segunda exclusivamente com os êxitos mais antigos.

Os bilhetes são amanhã postos à venda nos locais habituais, com preços entre os 15 e os 22,5 euros. Para Tom Jones há que aguardar pelo final do mês.
Ver comentários