Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura
2

Victória Guerra: "Não tive tempo para vergonhas" (COM VÍDEO)

Victória Guerra é uma das revelações do filme 'As Linhas de Wellington', superprodução sobre as invasões napoleónicas que estreia em Portugal no dia 4 de Outubro.
9 de Setembro de 2012 às 01:00
Victória Guerra, As Linhas de Wellington, Cinema, Torres Vedras, Wellington, Invasões napoleónicas, Marcelo Urgeghe, Valeria Sarmiento, Entrevista, Nudez, Nudez frontal, Incesto, Festival de Veneza, Tabu, Paulo Branco, Estreia
Victória Guerra, As Linhas de Wellington, Cinema, Torres Vedras, Wellington, Invasões napoleónicas, Marcelo Urgeghe, Valeria Sarmiento, Entrevista, Nudez, Nudez frontal, Incesto, Festival de Veneza, Tabu, Paulo Branco, Estreia FOTO: João Miguel Rodrigues

Correio da Manhã - Conhecia bem o período da História de Portugal marcado pelas invasões napoleónicas?

Victória Guerra - Conhecia as linhas de Torres Vedras e Wellington, mas não o lado humano. Mais do que sabia da escola, procurei aprender o que as pessoas desse tempo passaram.

- Como preparou ‘Clarissa', a jovem inglesa residente em Portugal que interpreta em ‘As Linhas de Wellington'?

- Primeiro que tudo procurei perceber como as raparigas pensavam naquela época. A forma de falar com os homens, com as mulheres, de andar e de estar... Vi imensos filmes de época e, com livros de História, fui perceber o impacto da guerra nas pessoas, o que não é assim tão visível naquela personagem.

- Ela flutua acima de tudo aquilo...

- Acho que ela sente, mas não quer demonstrá-lo. Lembrei-me de como era aos 15 anos. As coisas com gravidade passavam-se um bocadinho ao lado. E depois o texto era fantástico - o Carlos [Saboga] fez um trabalho incrível e isso facilitou muito.

- Parece um papel feito à medida de uma luso-inglesa.

- Tenho dupla nacionalidade, pois o meu pai é português e a minha mãe inglesa. Fiquei fascinada por fazer um trabalho em inglês e logo um filme de época.

- Como definiria a sua personagem?

- É difícil... Já não é menina, ou pelo menos não quer sê-lo, mas também ainda não é mulher. Não tem mãe, o pai está doente e tem a governanta chata atrás. Quer fugir à tristeza e a tudo o que está a acontecer à sua volta. Tem muita esperança dentro dela, é uma pessoa muito fresca. É difícil encontrar uma palavra... É ‘sassy'. Diz aquilo que pensa, sem filtro, mas ao mesmo tempo sabe o que quer e sabe fazer com que aconteça.

- Numa das cenas do filme aparece completamente nua. Teve dúvidas em fazê-lo?

- A cena está lindíssima. Não vou dizer que não fiquei nervosa e que não foi estranho, como é óbvio, mas o Marcello Urgeghe é um actor incrível. Deixou-me à vontade e divertimo-nos imenso. O Andre Szankowsky [director de Fotografia], a Valeria [Sarmiento, realizadora do filme] e nós estávamos lá todos para o mesmo. Não tive tempo nem espaço para vergonhas, porque a cena faz todo o sentido. A Victória pode sentir-se desconfortável, mas a ‘Clarissa' não se sente de todo. (risos).

- É o que passa dessa cena...

- Só poderia funcionar assim. É uma das cenas que mostram como ela é: uma pessoa que tem à-vontade e confiança em si própria. E foi muito bem filmado: parece um quadro. Não me senti nada desconfortável. Fiquei muito feliz por a cena ter ficado daquela forma.


- Na mesma cena, ela comenta que aquela seria a primeira vez que iria fazer sexo com alguém que não era da sua família... Pensa que o público irá rir-se ou ficar chocado?

- Nas duas vezes que vi o filme, percebi que acharam imensa piada. É engraçado, porque quando fiz a cena não a levei por esse lado. Ela sentia-se triste por não ter conseguido ter sexo fora da família. E foi divertido ver a reacção do público a algo que não é a coisa mais normal do Mundo e até é um bocado chocante.

- Para quem começou nos ‘Morangos com Açúcar' e tem feito televisão, o que muda ao rodar uma cena de exteriores com dezenas de actores e figurantes à sua volta?

- Não há comparação possível. Uma coisa é fazer 20 ou 30 cenas por dia e outra coisa é rodar uma cena num dia inteiro, em que se está duas horas a preparar e depois entra-se num décor com milhares de figurantes, vestidos com trajes de época e todos sujos. É tão poderoso que estás mesmo ali. É mágico. Não tem nada a ver com um estúdio de televisão. Quando começo a filmar já não sou a Victória - sou a 'Clarissa' e entrego-me de uma forma completamente diferente.

- Fez-lhe alguma diferença ser dirigida por uma mulher?

- A Valeria teve muita sensibilidade com a minha personagem. Dizia-me muitas vezes que a ‘Clarissa' era como uma daquelas bonecas das caixas de música. Ela é de poucas palavras e todos tivemos espaço para criar e experimentar. Se não gostava ou achava que podia ser diferente, então dizia alguma coisa.

- Quando é que viu o filme pela última vez?

- Foi anteontem à noite, em Veneza. Foi arrepiante. Não se vê a guerra, mas sim o que a guerra faz às pessoas.

- Se lhe pedirem uma razão para ver ‘As Linhas de Wellington', o que diria?

- Uma? Há mil razões. O filme relembra aos portugueses o que aconteceu e a força que tivemos para superar dificuldades. E para ver o excelente trabalho dos actores e porque é um filme português e devemos acreditar no nosso cinema.

- Costuma ver filmes nacionais?

- Sim, tento.

- E qual é o seu favorito?

- Posso dizer que recentemente vi ‘Tabu' e fiquei absolutamente fascinada. Nunca tinha visto nada tão mágico...

- Depois de protagonizar uma curta-metragem premiada em Los Angeles e de ter este filme no Festival de Veneza, tem o sonho de uma carreira internacional?

- Tenho esse sonho e ser bilingue ajuda. Se é possível ou não, logo se vê.

PERFIL

Victória Guerra nasceu há 23 anos em Faro, filha de pai português e mãe inglesa. Estreou-se na série juvenil 'Morangos com Açúcar' em 2006 e desde então participou em várias telenovelas. Antes do seu papel em 'As Linhas de Wellington', protagonizou a curta-metragem 'Catarina e os Outros', onde interpretou uma adolescente seropositva.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)