Barra Cofina

Correio da Manhã

Cultura

Winehouse ganha óscares da música

Controversa, desbocada, tresloucada, perigosa e... genial. É pelo menos esta a forma como os norte-americanos olham para Amy Winehouse, que apesar de não poder entrar no país do Tio Sam arrecadou na noite de domingo (madrugada de segunda-feira em Portugal) cinco dos seis prémios Grammy pa-ra que estava nomeada.
12 de Fevereiro de 2008 às 00:30
A cantora, de apenas 24 anos, venceu nas principais categorias, entre as quais Revelação de 2007, Canção do Ano, Melhor Álbum Pop e Melhor Intérprete Pop Feminina. Visivelmente emocionada, Amy Winehouse falou via satélite para Los Angeles, cidade da Califórnia onde decorreu a cerimónia: “Estes prémios são para a minha mãe, para o meu pai e para o meu Blake [marido], que está preso. E para Londres. Isto é para Londres porque Camden Town está a vir a baixo.”
O pleno da nova diva da música soul só não foi conseguido porque Herbie Hancock arrecadou o galardão para Melhor Álbum do Ano. O lendário pianista e compositor fez história, já que há 43 anos que a principal categoria dos Grammy Awards não ia parar às mãos de um artista de jazz. Foi preciso gravar ‘River: the Joni Letters’ para que o enguiço se quebrasse.
No final, Hancock não conseguiu esconder o contentamento pelo feito. “Gostava de agradecer à Academia por este ano ter corajosamente rompido com a tradição”, escolhendo um artista que não cria música pop, afirmou. Aos 67 anos, Herbie Hancock levou também para casa o galardão para Melhor Disco de Jazz Contemporâneo.
Kanye West foi outro dos vencedores da noite, ao arrecadar quatro prémios em oito nomeações, incluindo Melhor Álbum de Rap e Melhor Intérprete de Rap. Entre os vencedores destaque ainda para Bruce Springsteen. ‘The Boss’ conseguiu ver o tema ‘Radio Nowhere’ ser eleito Melhor Canção Rock do ano, juntando a isso a Melhor Interpretação Instrumental Rock graças à música ‘Once Upon A Time In The West’.
CERIMÓNIA EM DOIS CONTINENTES
O facto de Amy Winehouse não ter conseguido autorização para entrar nos Estados Unidos, devido aos recentes problemas com drogas e álcool, obrigou a cantora a um directo via satélite, que por causa da diferença horária aconteceu quando a madrugada já ia longa na Europa. Contudo, a cantora britânica não se mostrou incomodada com o facto, revelando grande felicidade com uma noite em que quase não teve concorrência. O tema ‘Rehab’, incluído no álbum ‘Back to Black’, ficou a partir de ontem marcado em definitivo como o grande hino do ano passado.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)