Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

A fazer História com um sorriso

De recorde em recorde, o FC Porto confirmou a chegada às ‘meias’ da Liga Europa com um registo impressionante. A goleada frente a um Spartak em crise sublinha a confiança da equipa de Villas--Boas, que soma por vitórias todos os jogos como visitante nesta prova. Com dez golos marcados nas duas mãos, o dragão fixou um novo máximo em quartos-de-final da Taça UEFA/Liga Europa. E somou a décima vitória na prova (12ª, contando com o play-off com o Genk).
15 de Abril de 2011 às 00:30
Hulk marcou um grande golo e demonstrou o seu poder físico aos jogadores do Spartak. McGeady não foi excepção
Sporting de Braga só precisava de empatar sem golos em casa mas a missão complicou-se muito cedo
Pior notícia para os portistas foi a lesão do lateral-direito Fucile, substituído por Sapunaru
Paulo César, que tinha sido adaptado a lateral-direito, foi expulso ainda durante a primeira parte
Guarda-redes Helton e treinador André Villas-Boas celebraram no final. Próximo passo é o 'submarino amarelo' Villarreal
Ruben Micael voltou a marcar, estabelecendo o 2-4 final num lance em que teve tempo para tudo
Missão do FC Porto em Moscovo era fácil graças à goleada no Dragão (5-1) mas Cristian Rodríguez, aqui a festejar golo com João Moutinho, encarregou-se de a facilitar
Abraço de Roberto e Luisão no final do empate entre PSV e Benfica foi o final feliz para um jogo que chegou a parecer muito complicado
Lens ainda marcou o segundo golo mas no final teve que assistir à festa dos portugueses
Apesar da goleada de 4-1 sofrida no Estádio da Luz, os holandeses acreditaram que podiam seguir em frente. Lens foi um dos mais inconformados
Dzsudzsak causou calafrios aos benfiquistas ao inaugurar o marcador
No final manteve-se o nulo e Domingos Paciência pôde celebrar a passagem às meias-finais. O Benfica está no caminho para a final de Dublin.
Lima ainda esteve perto de inaugurar o marcador numa altura em que o Braga tentava conter os ataques do Dínamo de Kiev
Alan voltou a demonstrar que consegue chegar mais alto do que os adversários do Sporting de Braga
Hulk marcou um grande golo e demonstrou o seu poder físico aos jogadores do Spartak. McGeady não foi excepção
Sporting de Braga só precisava de empatar sem golos em casa mas a missão complicou-se muito cedo
Pior notícia para os portistas foi a lesão do lateral-direito Fucile, substituído por Sapunaru
Paulo César, que tinha sido adaptado a lateral-direito, foi expulso ainda durante a primeira parte
Guarda-redes Helton e treinador André Villas-Boas celebraram no final. Próximo passo é o 'submarino amarelo' Villarreal
Ruben Micael voltou a marcar, estabelecendo o 2-4 final num lance em que teve tempo para tudo
Missão do FC Porto em Moscovo era fácil graças à goleada no Dragão (5-1) mas Cristian Rodríguez, aqui a festejar golo com João Moutinho, encarregou-se de a facilitar
Abraço de Roberto e Luisão no final do empate entre PSV e Benfica foi o final feliz para um jogo que chegou a parecer muito complicado
Lens ainda marcou o segundo golo mas no final teve que assistir à festa dos portugueses
Apesar da goleada de 4-1 sofrida no Estádio da Luz, os holandeses acreditaram que podiam seguir em frente. Lens foi um dos mais inconformados
Dzsudzsak causou calafrios aos benfiquistas ao inaugurar o marcador
No final manteve-se o nulo e Domingos Paciência pôde celebrar a passagem às meias-finais. O Benfica está no caminho para a final de Dublin.
Lima ainda esteve perto de inaugurar o marcador numa altura em que o Braga tentava conter os ataques do Dínamo de Kiev
Alan voltou a demonstrar que consegue chegar mais alto do que os adversários do Sporting de Braga
Hulk marcou um grande golo e demonstrou o seu poder físico aos jogadores do Spartak. McGeady não foi excepção
Sporting de Braga só precisava de empatar sem golos em casa mas a missão complicou-se muito cedo
Pior notícia para os portistas foi a lesão do lateral-direito Fucile, substituído por Sapunaru
Paulo César, que tinha sido adaptado a lateral-direito, foi expulso ainda durante a primeira parte
Guarda-redes Helton e treinador André Villas-Boas celebraram no final. Próximo passo é o 'submarino amarelo' Villarreal
Ruben Micael voltou a marcar, estabelecendo o 2-4 final num lance em que teve tempo para tudo
Missão do FC Porto em Moscovo era fácil graças à goleada no Dragão (5-1) mas Cristian Rodríguez, aqui a festejar golo com João Moutinho, encarregou-se de a facilitar
Abraço de Roberto e Luisão no final do empate entre PSV e Benfica foi o final feliz para um jogo que chegou a parecer muito complicado
Lens ainda marcou o segundo golo mas no final teve que assistir à festa dos portugueses
Apesar da goleada de 4-1 sofrida no Estádio da Luz, os holandeses acreditaram que podiam seguir em frente. Lens foi um dos mais inconformados
Dzsudzsak causou calafrios aos benfiquistas ao inaugurar o marcador
No final manteve-se o nulo e Domingos Paciência pôde celebrar a passagem às meias-finais. O Benfica está no caminho para a final de Dublin.
Lima ainda esteve perto de inaugurar o marcador numa altura em que o Braga tentava conter os ataques do Dínamo de Kiev
Alan voltou a demonstrar que consegue chegar mais alto do que os adversários do Sporting de Braga

Se os 5-1 do Dragão já deixavam perto do zero os níveis de incerteza quanto ao desfecho da eliminatória, Helton fê-los baixar ainda mais: uma defesa notável perante McGeady (6'), impediu que um golo madrugador acendesse uma ténue chama do lado russo.

Os minutos seguintes trouxeram um FC Porto a ganhar confiança, adaptando-se às conhecidas dificuldades do sintético do Luz-hniki e afinando as saídas para o contra-ataque. Foi assim que, aos 27 minutos, e com Fucile a receber assistência, Falcão segurou a bola e embalou a locomotiva Hulk, que deixou dois russos para trás e finalizou à vontade.

Com o moral de rastos pela péssima carreira doméstica, o Spartak baixou os braços e esteve perto do KO em mais um contra-ataque lançado por Falcão. Rodríguez não evitou o guarda-redes, mas redimiu-se em cima do intervalo, concluindo de cabeça um canto de Hulk.

Na segunda parte os níveis de concentração baixaram, multiplicando as oportunidades para os dois lados, num jogo que ganhava contornos de amigável. Já sem Moutinho, poupado ao risco de suspensão, Guarín confirmou o estado de graça e Falcão subiu a parada na liderança dos marcadores em mais um canto bem trabalhado. Pelo meio, o Spartak salvou a honra com golos algo facilitados pelo eixo central do FC Porto, antes de Ruben Micael encerrar o jogo com um último sorriso.

HULK IMPARÁVEL NA RÚSSIA

Hulk - Uma arrancada impressionante permitiu-lhe dar início à goleada portista em Moscovo. Marcou o canto que deu o golo de Rodríguez, mas ficou muito desapoiado na parte final, com a saída de Falcão. Decisivo quando foi necessário.

Helton - Seguríssimo. Evitou o golo de McGeady (6') e deu confiança à equipa. Isento de culpas nos golos russos.

Fucile - Mostrou-se atento na dobra aos centrais. Saiu lesionado, após um lance com Dzyuba.

Rolando - Não conseguiu travar Ari que entrou de rompante pela área portista e fez o 4-2.

Otamendi - Apesar da desconcentração da defesa, mostrou-se seguro, mas em serviços mínimos.

Álvaro Pereira - Sentiu algumas dificuldades para travar McGeady. Fez um cabeceamento para a sua própria baliza. Valeu a intervenção de Helton.

Fernando - Discreto e eficaz.

Guarín - Ajudou a defesa e fez o 3-0 (47'), a passe de Hulk.

João Moutinho - Tentou o remate de longa distância, mas sempre ao lado. Saiu ao intervalo.

Christian Rodríguez - Desperdiçou uma boa ocasião de golo, quando, isolado, rematou para defesa de Dikan (31'). A fechar a primeira parte fez o 2-0 portista com um cabeceamento ao primeiro poste, após canto de Hulk. Fez a assistência para o 3-0 de Falcão.

Falcão - Fez o passe para o primeiro golo de Hulk. Voou para o 4-1 de cabeça. Saiu aos 72' com Villas-Boas a pensar no clássico (domingo).

Sapunaru - Entrou para o lugar de Fucile e não complicou.

Ruben Micael - Fez o 5-2 com um remate forte.

James - Um remate à trave.

"NINGUÉM SE LEMBRA DE QUEM FICA PELAS MEIAS-FINAIS"

"Nós queremos chegar à final. Se já lá estivéssemos, se calhar apostava na vitória, mas ainda falta uma eliminatória. As pessoas lembram--se sempre de quem esteve nas finais, mas ninguém se recorda de quem fica pelas meias-finais", disse André Villas-Boas, no final do encontro de ontem.

"Os jogadores acreditam ainda mais. As meias-finais vão ser jogos de grande intensidade", acrescentou o treinador, que elogiou a exibição da equipa em Moscovo.

FICHA DE JOGO

LIGA Europa - ‘Quartos' - 2.ª mão

Estádio Lujniki - Assistência: 17 000

SPARTAK: Dikan, K. Kombarov (D. Kombarov 46'), Suchy, Sheshukov, Makeev, Alex, Rafael Carioca (Ibson 69'), Yakovlev (Ari 46'), Dzyuba, McGeady, Welliton.

Treinador: Valeri Karpin

FC PORTO: Helton, Fucile (Sapunaru 28'), Otamendi, Rolando, Alvaro Pereira, Fernando, Guarín, João Moutinho (Rúben Micael 46'), Cristian Rodríguez, Hulk, Falcão (James 72').

Treinador: André Villas-Boas

Golos: 0-1 Hulk (28'), 0-2 Cristian Rodríguez (45+2'), 0-3 Guarín (47'), 1-3 Dzyuba (52'), 1-4 Falcão (54'), 2-4 Ari (72'), 2-5 Ruben Micael (89')

Árbitro: Viktor Kassai (Hungria) 6

Disciplina: amarelo: Dzyuba (25')

Classificação do jogo 6

FC PORTO LIGA EUROPA SPARTAK GUARÍN RUBEN MICAEL FALCÃO HULK ANDRÉ VILLAS-BOAS
Ver comentários