Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

ANNA KOURNIKOVA PERDE

Com apenas 21 anos, Kournikova alcançou a fama e a fortuna, mas por mais paradoxal que pareça, na modalidade que tudo lhe tem proporcionado, as vitórias continuam adiadas.
27 de Agosto de 2002 às 23:05
Na 1ª ronda foi copiosamente derrotada por uma jovem indonésia de 18 anos, Angelique Widjaja (6-3 e 6-0) e vaiada quando deixou o “court”.

A russa não chegou a estar em campo três quartos de hora e acumulou (?) 40 erros não forçados, tendo a jogadora oriunda do Bali apenas obtido um "winner". Trocando tudo isto por miúdos, Kournikova deu a vitória à adversária.

Por falar em atributos, embora de outra natureza, ninguém melhor do que a ninfeta russa para tirar proveito. Capa de todas as revistas possíveis e imaginárias, disputada por um número impressionante de patrocinadores, o seu mealheiro estoirou há muito com os contratos publicitários milionários, baseados na sua imagem e não nos resultados obtidos.

Continua sem ter ganho um único torneio. A este facto a jogadora sustenta: "Já estive tão perto tantas vezes, pelo menos uma vintena de vezes. As primeiras foi por falta de experiência e as outras por falta de sorte". Mas não pensa em desistir, até porque nos últimos tempos tem treinado seis horas por dia.

Após a participação no "video clip" de Enrique Iglesias, segundo deram eco os "tablóides" londrinos durante Wimbledon, a russa e o cantor terão, no mínimo, provocado a ira e os protestos dos hóspedes alojados nas redondezas, com sons sugestivos de que algo mais íntimo se passava. Bem diferente de quem descansa para o próximo encontro.

Derrotada mas contente

Num plano diametralmente oposto esteve Corina Morariu, que não obstante ter sido derrotada por Serena Williams, por 6-2, 6-3, saboreou a derrota como se de uma vitória se tratasse. Este foi o primeiro jogo após uma luta tenaz contra uma leucemia que a afastou dos courts.

"Ainda há tão pouco tempo sentia-me exausta ao subir as escadas lá de casa e volvidos uns meses volto-me a sentir em condições de competir", lembrou a jogadora. As lágrimas correram-lhe pela face e Morariu foi ao ponto de pedir desculpa.

Qual desculpa, qual quê, está mais do que desculpada, agora que o desafio mais importante da sua vida foi ganho, importa seguir em frente e como aos 24 anos de idade ainda tudo é possível, a sua vida ganha novo alento. Refira-se a título de curiosidade que, durante a doença, Serena Williams foi uma das jogadoras que mais acompanhou a sua colega nos maus momentos, telefonando-lhe em várias ocasiões.

Safin teve de suar

Diabólico foi o embate entre o russo Marat Safin e o alemão Kiefer, com o primeiro a vencer após 4h31 pelos parciais de 6-3, 4-6, 4-6, 6-4 e 7-6 (7-4). Safin, 2º pré-designado, só ao 3º “match-point” fechou o embate, perante um Kiefer “duro de roer”.

Entretanto, durante a madrugada, Agassi venceu o compatriota Ginepri, por triplo 6-3, enquanto o australiano Philipoussis, frente ao holandes Schalken, foi forçado a abandonar por lesão no 4º “set”.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)