Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Benfica empata e Veríssimo falha promessa de Rui Costa

Minhotos marcaram primeiro num autogolo de Gilberto, que as águias salientam ter sido precedido de fora de jogo. Estreia de Paulo Bernardo a titular.
Filipe António Ferreira 16 de Janeiro de 2022 às 01:30
Seferovic controlou a bola mas ficou em branco, com as águias a terem dificuldade em rematar à baliza
Seferovic controlou a bola mas ficou em branco, com as águias a terem dificuldade em rematar à baliza
A garantia presidencial de continuar a lutar pelo título e a confiança do treinador na antevisão do jogo deste sábado de certo caíram por terra, após o empate com o Moreirense em casa. O Benfica perdulário e sem chama, no primeiro jogo da segunda volta, pode ficar já a nove pontos do líder FC Porto na Liga.

A aposta do técnico das águias voltou a recair no 4x4x2, com a surpresa Paulo Bernardo a jogar preferencialmente pela direita. A águia surgiu pressionante, com muita posse de bola mas poucas oportunidades. Só por uma vez o Benfica rematou à baliza, com o remate de Rafa Silva a embater na trave.

O Moreirense tinha a lição bem estudada. Defender com as linhas bem juntas e tentar sair rápido nas transições. Conseguiu na perfeição a primeira premissa, nem tanto a segunda.

Com os atacantes encarnados com pouca bola, com João Mário apático e sem a velocidade de Rafa, o futebol da equipa da casa tornou-se previsível, muito mastigado, o que originou os primeiros assobios na Luz.

Com a mesma equipa após o intervalo, o Benfica pareceu querer mudar. Paulo Bernardo, num grande lance, atirou ao lado quando a baliza estava à sua mercê. Veríssimo mexeu a partir dos 60’, mas as mudanças operadas não resultaram: o Benfica repetiu os equívocos do primeiro tempo. O Moreirense subiu as linhas e chegou ao golo (polémico) numa infelicidade de Gilberto e Otamendi.

Mas logo a seguir as águias tiveram um assomo de vitalidade, decorrente de uma falha defensiva. Darwin Núñez voltou a deixar tudo empatado.

Havia muito para jogar. Veríssimo voltou a mexer e o Benfica entrou no seu melhor momento. Empurrou ainda mais o Moreirense lá para trás e voltou a atirar ao poste, por Grimaldo. As oportunidades sucederam-se perto da baliza do Moreirense. Perto, porque sem remates enquadrados, o Benfica nunca conseguiu proporcionar uma grande defesa a Kewin.

Os assobios voltaram no final. Ao terceiro jogo de Veríssimo no banco, o primeiro empate. Um resultado que vai deixar mossa no conjunto encarnado, que queria levantar-se depois do tónico que o vice-líder Sporting deu na jornada anterior. Agora, pode ver aumentar a desvantagem para o segundo e, principalmente, para o FC Porto, líder destacado.

positivo 
arbitragem
Os centrais do Moreirense tiveram sempre um nível muito alto. Travaram a preceito todos os avançados encarnados e só numa infelicidade não ficaram com a ficha limpa. O autocarro do Moreirense sai da Luz com um ponto.

NEGATIVO 
Equívocos de Veríssimo
Colocar Paulo Bernardo numa faixa surpreende. Manter tanto tempo em jogo João Mário não se entende. Depois tirar Seferovic para colocar Diogo Gonçalves e colocar Darwin sozinho na frente muito menos. Tentou remendar com Yaremchuk.

GOLO COM MUITAS DÚVIDAS
O golo do Moreirense surge num lance que deixa muitas dúvidas. Quando a bola é cruzada para a área, Rafael Martins parece estar fora de jogo e a sua ação atrapalha Otamendi. Depois, acaba por acontecer o autogolo. VAR não teve esse entendimento.
Rafa Silva Paulo Bernardo Rui Costa Benfica FC Porto na Liga Veríssimo Moreirense João Mário
Ver comentários