Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

Benfica vence bem Sporting ainda longe do equilíbrio (COM FOTOS)

O Sporting começa por cima. Assusta os benfiquistas, com forte pressão alta que leva a recuperações de bola logo no meio-campo ofensivo. Jardel e Garay falham passes devido a essa pressão e Javi García parece desaparecido em combate.
27 de Novembro de 2011 às 01:00
Rui Patrício mostrou-se muito seguro em todo o jogo, mas nada pôde fazer no momento decisivo
Van Wolfswinkel ficou em branco e as oportunidades que criou foram desperdiçadas
Árbitro João Capela mostrou o segundo amarelo a Cardozo por protestos. O Benfica ficou com menos um durante meia-hora
Ao contrário de Aimar, o holandês Schaars só ficou ligado à decisão do jogo por não ter saltado juntamente com Javi García
No final foram os benfiquistas a festejar os três pontos no relvado do Estádio da Luz
Dezenas de cadeiras foram incendiadas nas bancadas do Estádio da Luz depois do apito final
Maxi Pereira e Diego Capel travaram sucessivos duelos. Para o uruguaio do Benfica fica a glória de o espanhol do Sporting não ter feito golo ou assistência
Médio espanhol do Benfica decidiu o jogo com uma cabeçada certeira no final da primeira parte
Houve menos problemas disciplinares do que é habitual nos dérbis, mas João Capela não teve uma tarefa fácil
Matías Fernández sofreu uma lesão a meio da primeira parte e já não pôde manter mais duelos com o benfiquista Bruno César
Jorge Jesus ficou extremamente exaltado com a expulsão, mas aproveitou as substituições para reequilibrar a sua equipa
Brasileiro Elias foi o sportinguista mais perdulário, ficando duas vezes frente a frente com Artur Moraes sem conseguir marcar
Javi García correspondeu de cabeça a um canto marcado de forma primorosa por Aimar. Estava feito o primeiro golo
Paraguaio Cardozo e norte-americano Onyewu enfrentaram-se pela primeira vez e nenhum dos dois ficou com boas recordações
Aimar teve muita liberdade no meio-campo e aproveitou-a para criar as jogadas mais perigosas da equipa da casa
Estádio da Luz encheu-se de adeptos encarnados
Domingos Paciência teve que mexer na equipa muito cedo, fazendo entrar o extremo Carrillo, que deveria ser guardado para arma secreta na segunda parte
Incêndio foi combatido por alguns bombeiros e as chamas apagaram-se em alguns minutos
Luís Filipe Vieira e outros dirigentes benfiquistas estiveram no relvado a observar o incidente
Rui Patrício mostrou-se muito seguro em todo o jogo, mas nada pôde fazer no momento decisivo
Van Wolfswinkel ficou em branco e as oportunidades que criou foram desperdiçadas
Árbitro João Capela mostrou o segundo amarelo a Cardozo por protestos. O Benfica ficou com menos um durante meia-hora
Ao contrário de Aimar, o holandês Schaars só ficou ligado à decisão do jogo por não ter saltado juntamente com Javi García
No final foram os benfiquistas a festejar os três pontos no relvado do Estádio da Luz
Dezenas de cadeiras foram incendiadas nas bancadas do Estádio da Luz depois do apito final
Maxi Pereira e Diego Capel travaram sucessivos duelos. Para o uruguaio do Benfica fica a glória de o espanhol do Sporting não ter feito golo ou assistência
Médio espanhol do Benfica decidiu o jogo com uma cabeçada certeira no final da primeira parte
Houve menos problemas disciplinares do que é habitual nos dérbis, mas João Capela não teve uma tarefa fácil
Matías Fernández sofreu uma lesão a meio da primeira parte e já não pôde manter mais duelos com o benfiquista Bruno César
Jorge Jesus ficou extremamente exaltado com a expulsão, mas aproveitou as substituições para reequilibrar a sua equipa
Brasileiro Elias foi o sportinguista mais perdulário, ficando duas vezes frente a frente com Artur Moraes sem conseguir marcar
Javi García correspondeu de cabeça a um canto marcado de forma primorosa por Aimar. Estava feito o primeiro golo
Paraguaio Cardozo e norte-americano Onyewu enfrentaram-se pela primeira vez e nenhum dos dois ficou com boas recordações
Aimar teve muita liberdade no meio-campo e aproveitou-a para criar as jogadas mais perigosas da equipa da casa
Estádio da Luz encheu-se de adeptos encarnados
Domingos Paciência teve que mexer na equipa muito cedo, fazendo entrar o extremo Carrillo, que deveria ser guardado para arma secreta na segunda parte
Incêndio foi combatido por alguns bombeiros e as chamas apagaram-se em alguns minutos
Luís Filipe Vieira e outros dirigentes benfiquistas estiveram no relvado a observar o incidente
Rui Patrício mostrou-se muito seguro em todo o jogo, mas nada pôde fazer no momento decisivo
Van Wolfswinkel ficou em branco e as oportunidades que criou foram desperdiçadas
Árbitro João Capela mostrou o segundo amarelo a Cardozo por protestos. O Benfica ficou com menos um durante meia-hora
Ao contrário de Aimar, o holandês Schaars só ficou ligado à decisão do jogo por não ter saltado juntamente com Javi García
No final foram os benfiquistas a festejar os três pontos no relvado do Estádio da Luz
Dezenas de cadeiras foram incendiadas nas bancadas do Estádio da Luz depois do apito final
Maxi Pereira e Diego Capel travaram sucessivos duelos. Para o uruguaio do Benfica fica a glória de o espanhol do Sporting não ter feito golo ou assistência
Médio espanhol do Benfica decidiu o jogo com uma cabeçada certeira no final da primeira parte
Houve menos problemas disciplinares do que é habitual nos dérbis, mas João Capela não teve uma tarefa fácil
Matías Fernández sofreu uma lesão a meio da primeira parte e já não pôde manter mais duelos com o benfiquista Bruno César
Jorge Jesus ficou extremamente exaltado com a expulsão, mas aproveitou as substituições para reequilibrar a sua equipa
Brasileiro Elias foi o sportinguista mais perdulário, ficando duas vezes frente a frente com Artur Moraes sem conseguir marcar
Javi García correspondeu de cabeça a um canto marcado de forma primorosa por Aimar. Estava feito o primeiro golo
Paraguaio Cardozo e norte-americano Onyewu enfrentaram-se pela primeira vez e nenhum dos dois ficou com boas recordações
Aimar teve muita liberdade no meio-campo e aproveitou-a para criar as jogadas mais perigosas da equipa da casa
Estádio da Luz encheu-se de adeptos encarnados
Domingos Paciência teve que mexer na equipa muito cedo, fazendo entrar o extremo Carrillo, que deveria ser guardado para arma secreta na segunda parte
Incêndio foi combatido por alguns bombeiros e as chamas apagaram-se em alguns minutos
Luís Filipe Vieira e outros dirigentes benfiquistas estiveram no relvado a observar o incidente

Do lado do Sporting, as unidades de menor rendimento são Carriço e Onyewu. O norte-americano com pontos demasiado fracos para esta velocidade e estes palcos, Carriço sempre à procura dos espaços e ritmo certos para a função de trinco. A primeira oportunidade de golo é do Sporting, aos 6', quando um inspirado Capel centra e Wolfswinkel, solto, cabeceia ao lado.

O Benfica só emerge do mar verde-e-branco aos 12'. Aimar marca canto para o fabuloso pé esquerdo de Gaitán. O remate de fora da área estoira no poste direito de Rui Patrício. O enérgico Wolfswinkel continua mal marcado pelos centrais do Benfica. Aos 15', o ponta-de--lança serve o pior pé de Schaars, que remata a rasar o poste. Só após os 20 minutos, o Benfica equilibra o jogo e os laterais começam a subir ao meio--campo contrário.

É num sprint atrás de Emerson que, aos 24', Matías rasga um músculo e sai para a entrada de Carrillo. O Sporting ganha velocidade mas perde visão de jogo e controlo de bola. E estas qualidades necessárias, o Sporting perde-as para nunca mais as encontrar. Com Matías a coxear, sai também a inteligência do Sporting. Só os maus passes de Jardel dão ainda ânimo ao ataque da equipa de Domingos. O jogo continua intenso e Aimar vai encontrando os espaços para a sua maravilhosa técnica encantar.

Aos 42' chega o primeiro grande momento do jogo. Aimar marca um canto na esquerda, a bola sobrevoa Onyewu até à cabeça de Javi García, que na zona do primeiro poste faz o único golo do jogo.

O segundo grande momento deste dérbi surge aos 63', quando o árbitro mostra o segundo amarelo a Cardozo por este ter protestado falta com uma mera palmada na relva. Esta decisão excessiva de Capela leva o Benfica a fechar-se com as saídas de Aimar e Bruno César.

Contra dez, o Sporting não mostra soluções para chegar ao empate. A última grande oportunidade é desperdiçada por Elias, aos 65', com a baliza aberta, após lance de insistência do excelente Wolfswinkel, num momento de desconcentração de Artur. O brasileiro atira ao lado.

O jogo termina com uma pressão cega do Sporting frente a um Benfica a defender com grande competência.

FICHA DE JOGO

Liga: 11º Jornada

Estádio da Luz - Lisboa

BENFICA: Artur, Maxi Pereira, Jardel, Garay, Emerson, Javi García, Witsel, Bruno César (Ruben Amorim), Pablo Aimar (Rodrigo), Gaitán (Nolito), Cardozo.

Treinador: Jorge Jesus

SPORTING: Rui Patrício, João Pereira, Onyewu, Polga, Insúa (Bojinov), Carriço (André Santos), Matías Fernandez (Carrillo), Schaars, Elias, Capel, Wolfswinkel.

Treinador: Domingos Paciência

Golos: 1-0 Javi García

Espectadores: 63 146

Melhor em campo: Pablo Aimar, Médio, 32 anos.

BENFICA SPORTING DÉRBI ESTÁDIO DA LUZ JAVI GARCÍA
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)