Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

Brasil sofreu muitos recordes negativos no 1-7 com Alemanha

Desde a maior derrota do Brasil em mundiais, passado pela maior derrota de um país anfitrião na fase final destes torneios, até à velocidade da goleada (0-5 aos 29 minutos), a "canarinha" acumulou recordes negativos para todos os gostos.
8 de Julho de 2014 às 23:54

O anfitrião Brasil, o país com mais títulos mundiais de futebol, somou esta terça-feira uma série de recorde negativos, ao ser goleado por 7-1 com a Alemanha, nas meias-finais do Mundial 2014.

No Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, os "canarinhos" voltaram a perder por seis golos de diferença quase um século depois: só havia acontecido uma vez, no longínquo ano de 1920, em Viña del Mar, no Chile, frente ao Uruguai. Então, a 18 de setembro de 1920, a formação "celeste" bateu os brasileiros por 6-0, rumo à vitória na Copa América, disputada nessa edição por quatro seleções, no sistema de todos contra todos, no Chile. Em solo brasileiro, o Brasil só havia perdido por quatro golos de diferença e num particular, disputado frente à Argentina, que ganhou por 5-1 no Rio de Janeiro, também há muitos anos, mais precisamente em janeiro de 1939.

No que respeita apenas ao Mundial, que os "canarinhos" ganharam em 1958, 1962, 1970, 1994 e 2002, a goleada face aos alemães dobrou a maior de sempre. Antes, em 102 jogos, o Brasil só havia perdido em 15 ocasiões e só uma vez por três golos, na final do Mundial de 1998, frente à anfitriã França, que ganhou por 3-0, com dois golos de Zinedine Zidane e um, a acabar, de Emmanuel Petit. De resto, os brasileiros tinham perdido nove vezes por um golo e cinco por dois, uma delas com Portugal (1-3 em 1966, com dois de Eusébio).

Os sete golos sofridos também são um recorde negativo para o Brasil em Mundiais, superando em dois os sofridos nos oitavos de final da edição de 1938, mas, então, numa vitória por 6-5 sobre a Polónia, após prolongamento. Como "visitada", a Suíça havia sofrido sete golos numa ocasião, mas quando perdeu por 7-5 com a Áustria, na edição de 1954.

O anfitrião de um Mundial também nunca tinha perdido por seis de diferença, nem nada parecido: o máximo estava em três, no Suécia-Brasil (2-5, em 1958), no México-Itália (1-4, em 1970) e no África do Sul-Uruguai (0-3, em 2010). Numa meia-final da principal competição também não há nenhuma vitória por seis golos, sendo que os recordes eram longínquos, os 6-1 de Argentina aos Estados Unidos e do Uruguai à Jugoslávia (ambos em 1930) e ainda da RFA à Áustria (1954).

A velocidade da goleada também foi recorde, já que nunca uma equipa havia chegado aos 29 minutos a vencer por 5-0, o que aconteceu hoje, rumo ao 7-1 final. Na história das fases finais, a Jugoslávia tinha sido a seleção a estar mais perto, quando, em 1974, frente ao Zaire, chegaram ao 5-0 aos 30 minutos. Chegariam ao intervalo a vencer por 6-0 e acabariam por ganhar por 9-0.

Mundial 2014 Brasil sofreu recordes negativos 1-7 Alemanha
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)