Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

César Boaventura: "Vieira disse-me: 'não vás para o futebol, é só vigaristas'"

Está no meio das guerras do futebol português, mas há 10 anos tinha grande sucesso no imobiliário.
4 de Abril de 2019 às 17:49
César Boaventura
César Boaventura
César boaventura
César Boaventura
César Boaventura
César Boaventura
César boaventura
César Boaventura
César Boaventura
César Boaventura
César boaventura
César Boaventura
Durante 85 minutos, num hotel de Lisboa, César Boaventura falou à SÁBADO de tudo: a relação com Luís Filipe Vieira, os seus negócios antes do futebol (comprava e vendia terrenos para a construção de hipermercados, teve uma rede de bares de dança do ventre e sapatarias), e as polémicas que o incluem na guerra Benfica-FC Porto.

"O primeiro jogador que transferi foi o Nélson Semedo. Ele estava no Sintrense e fui eu que o coloquei no Benfica. Não recebi dinheiro nenhum. Ainda nem era agente, mas foi com esse caso que ganhei gosto por isto."

A entrada no mundo do futebol deu-se em janeiro de 2014, com o ex-futebolista Abel Silva. "Já o conhecia de vir a Lisboa ver jogos do Benfica, e um dia ele falou-me na hipótese de comprar a SAD do Atlético. O clube estava na II Liga, em situação de descida, e fizemos um acordo com os chineses, que tinham maioria na SAD: se não descêssemos, ficávamos com a equipa profissional por 350 mil euros. Disse-lhes que ia meter lá um treinador da minha confiança (Jorge Simão) e cinco jogadores. Fui falar com o presidente do Benfica, e ele disse-me: "Não te metas no futebol, que é um mundo de vigaristas." Mas ajudou-me e deixou-me levar para o Atlético o guarda-redes Mika e o Manuel Liz, que estavam na equipa B. Investi lá 120 mil euros e conseguimos não descer, mas depois os chineses não honraram o acordo e foi aí que me virei para o agenciamento de jogadores."

Leia o artigo completo na edição da SÁBADO.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)