Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Cheirou a título no dérbi da Luz (COM REACÇÕES)

Nada satisfeito com a pálida imagem deixada pela sua equipa na primeira parte, Jorge Jesus deixou Éder Luís no balneário e lançou Alan Kardec no jogo. O primeiro lance de perigo foi dos encarnados e o público corresponeu em pleno, procurando empolgar a equipa. O Benfica continuava, no entanto, longe de ser a equipa tranquila e dominadora que já demonstrou ser esta época e as jogadas de laboratório a que habituou os adeptos continuavam a não sair.
13 de Abril de 2010 às 22:48
Dérbi lisboeta empatado ao intervalo
Dérbi lisboeta empatado ao intervalo FOTO: António Cotrim/Lusa

Apesar de o Sporting quase não importunar Quim, o desacerto no passe e a velocidade de execução das águias deixava muito a desejar e jogadas de perigo quase nem vê-las.Cardozo, o especialista, preparou-se para levar emoção as bancadas, tomando posição para a marcação de um livre directo, mas Carlos Martins antecipou-se e o disparo não passou da barreira.

Contudo, aos 68 minutos, o paraguaio provocou a explosão de alegria que percorreu todo o estádio. No sítio certo, desviou com o pé esquerdo um remate de Fábion Coentrão para o fundo das redes de Rui Patrício.

Com o golo, apareceu finalmente a verdadeira face do Benfica. Triangulações, velocidade, exploração dos flancos e foi num lance de contra-ataque que Aimar apareceu isolado, fez o que quis de Rui Patrício e sentenciou o jogo.

Finalmente, a águia subjugava o leão.

REACÇÕES

LUISÃO: "AINDA FALTAM QUATRO JOGOS"

"Ainda falta muito, restam ainda 4 jogos, que serão difíceis. Ainda assim, o jogo de hoje lembra um pouco esse desafio pela grandeza de um dérbi disputado na reta final do campeonato". Sobre as acusações de João Moutinho, Luisão afirmou: "É normal quando a equipa rival perde..."

JOÃO MOUTINHO: "CAMPO INCLINADO"

"O jogo na minha opinião resumiu-se a dois minutos da segunda parte. Houve uma entrada dura em que o árbitro disse que o Luisão escorregou. Comparem este lance com o vermelho do Izmailov no último jogo".

"O campo estava inclinado. Houve faltas não assinaladas para o Sporting e a cada toque nos jogadores do Benfica o árbitro apitava. Com isso, a nossa equipa foi ficando intranquila e o Benfica, que é uma equipa com qualidade, marcou dois golos", acrescentou o médio do Sporting.

TREINADORES

JORGE JESUS, TÉCNICO DO BENFICA

Jorge Jesus era o rosto da confiança após “mais uma final ganha” pelo Benfica. Apesar de um início de jogo onde o Sporting “surpreendeu pelo ‘pressing’ apresentado pela sua primeira linha defensiva”, o técnico encarnado considerou justo o triunfo da sua equipa, elogiando o rendimento do argentino Pablo Aimar, que entrou ao intervalo para o lugar de Éder Luís.

 

“É verdade que Aimar foi determinante mas o Sporting da segunda parte também não foi o mesmo dos primeiros 45 minutos. Deixar Aimar no banco foi estratégia pensada e acabou por surtir efeito. Às vezes corre mal”, disse Jesus, enaltecendo, de seguida, a capacidade de sofrimento do clube da Luz, depois de se colocar em vantagem no marcador. “O mais importante foi não perder. Depois do 2-0, soubemos defender o resultado de forma inteligente. Sabíamos que, face aos resultados de Sp. Braga e FC Porto, teríamos de vencer para manter a vantagem pontual [seis pontos]”, sublinhou.

 

Sobre a possibilidade do Benfica se sagrar campeão no Estádio do Dragão,  caso vença Académica e Olhanense, e se esse facto traria motivação extra, Jesus preferiu não entrar em polémicas.

 

“O nosso pensamento é o de vencer todos os jogos, independentemente do adversário. Às vezes os jogos mais difíceis são os mais fáceis e vice-versa. E teremos a prova diante da Académica, no domingo. Faltam-nos sete pontos para o título e não iremos baixar os braços até o alcançarmos”, concluiu.

 

CARLOS CARVALHAL, TÉCNICO DO SPORTING

 

“Esta equipa está em construção, mas estamos no bom caminho até porque é nítido a evolução da equipa”, disse Carlos Carvalhal no final da partida.

 

O técnico leonino lançou ainda críticas ao árbitro João Ferreira, devido a uma entrada dura de Luisão sobre Liedson no início da segunda parte. “Tem sido muito fácil expulsar jogadores do Sporting. A expulsão de Luisão poderia ter mudado o rumo dos acontecimentos”, salientou Carvalhal, afirmando ter havido um número exagerado de faltas “à entrada da área”.

 

O treinador dos leões destacou os primeiros 45’ da equipa que poderiam ter determinado um resultado diferente. “Tivemos um primeiro tempo de domínio com algumas ocasiões que não conseguimos concretizar. O Benfica esteve  melhor no segundo tempo e conseguiu concretizar”, destacou.

 

A poucas semanas de deixar o comando técnico do Sporting Carvalhal aproveitou para fazer uma análise  dos quatro meses à frente dos leões: “Primeiro apanhei com uma equipa debilitada com muito trabalho por fazer e o que é certo é que conseguimos sete triunfos consecutivos. Depois tivemos uma série má  que coincidiu com momentos internos muito negativos que foram públicos [caso de agressão de Sá Pinto  a Liedson] e depois voltámos a levantar a equipa a jogar cada vez melhor e com grandes exibições”, concluiu o técnico deixando por fim uma palavra de apreço aos adeptos que ontem apoiaram a equipa na Luz.

Ver comentários