Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

Colombianos tiram sono a Jorge Jesus

O FC Porto ultrapassou sem sobressaltos o Marítimo e continua a pressionar o principal rival na corrida pelo título, o Benfica. Golos de Jackson (dois), James (dois) e Varela premeiam um jogo eficaz dos portistas e castigam as debilidades defensivas dos insulares, que só criaram perigo uma vez, na 2ª parte.
3 de Novembro de 2012 às 01:00
O portista Danilo perseguido pelo madeirense Ruben Ferreira
O portista Danilo perseguido pelo madeirense Ruben Ferreira FOTO: luis vieira

Costuma dizer--se que os audazes atraem a sorte. Talvez seja. A verdade é que, aos quatro minutos, os dragões já venciam, com um golo de belo efeito de Jackson, guiados pela audácia do meio-campo formado por Fernando, Moutinho e Lucho, ontem particularmente estimulados pelo adormecimento do adversário. Após uma jogada ao primeiro toque, Jackson surgiu felino e ameaçador na cara do guarda-redes Ricardo: fintou-o e fez o 1-0.

Se as veleidades concedidas pela equipa de Pedro Martins espantaram no Dragão, o mesmo aconteceu com a reacção do FC Porto às saídas prematuras de Fernando (dores musculares) e Maicon (entorse no tornozelo direito). Vítor Pereira mudou as peças, só que a eficácia foi a mesma. Quem aproveitou para brilhar foi Varela – marcou o golo mais vistoso da noite. Seguindo o exemplo de Jackson Martínez, fintou os adversários, que se encontravam a dormir, e disparou com êxito à baliza, de longe.

Já na 2ª parte, depois de o Marítimo ter ligado um pouco os motores com as mexidas de Pedro Martins, o FC Porto baixou o ritmo. A gestão portista chegou a alimentar a fé de Olberdam e Danilo Dias, mas Jackson fez questão de a matar com mais um golo, depois de Moutinho ter lançado a bola para as costas dos centrais. Depois, James voltou a marcar, a passe de Defour, com mais um golpe de sorte para os dragões: a bola desviou em João Guilherme.

Jackson ‘Implacável’ Martínez

Helton – Espectador. Saiu tocado no único lance em que teve de se aplicar.

Danilo – Perante a inoperância ofensiva dos insulares, brilhou no ataque. Podia ter marcado aos 18 minutos

Maicon – Tranquilo até tentar desarmar um adversário e lesionar-se sozinho. Estavam decorridos 29 minutos.

Otamendi – Isolado por Lucho, falhou um golo que parecia fácil (32’) - rematou ao lado.

Mangala – Cumpriu sem problemas.

Fernando – Seguro e determinado. Saiu lesionado aos 25’ e pode falhar o jogo com o D. Kiev, na terça-feira, para a Champions.

Lucho – Deu início à jogada do primeiro golo (4’). Aos 8’, em boa posição, cabeceou por cima.

João Moutinho – Foi o motor da equipa. Decisivo a recuperar bolas e nas assistências para os golos de Jackson e James.

James – Fez a assistência para o primeiro golo. Procurou o golo e encontrou-o aos 72’ e aos 77’ (contou com a ajuda de um desvio de João Guilherme).

Varela – Entrou bem, fez um cruzamento para um cabeceamento de Lucho (8’). Marcou o golo mais bonito do encontro (35’). Passou por dois adversários e rematou ao ângulo superior direito da baliza de Ricardo, a 101 km/h.

Defour – Uma falha, mal aproveitada pelos insulares.

Abdoulaye – Cumpriu na direita e integrou-se bem no ataque.

Fabiano – O guarda-redes entrou aos 72’, mas tal como Helton continuou a ser um mero espectador. n

FC Porto Benfica Futebol Liga Marítimo Jackson
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)