Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Com o selo de Jardel

Em vésperas de comemorar o 33.º aniversário, SuperMário Jardel voltou a fazer das suas, ao apontar um golo pleno de oportunidade, frente ao Estrela da Amadora, após centro rasteiro de Tininho. O jogador festejou vivamente e olhando para o céu dedicou o feito aos deuses.
18 de Setembro de 2006 às 00:00
Tanto mais que esse golo acabou por ser determinante na conquista dos três pontos por parte do Beira-Mar, que derrotou, em Aveiro, os tricolores por 2-0. O jogo em si foi equilibrado, já que ambos os conjuntos optaram pela simetria do 4x3x3, onde uma vez mais os donos da casa evidenciaram alguma dificuldade inicial em planificar as jogadas.
Quando isso aconteceu, a asa esquerda aveirense funcionou em pleno e em sequência de três contra-ataques sucessivos o golo acabou por surgir, aos 25’, por Mário Jardel. Até ao intervalo, o Beira-Mar dominou e teve o ensejo em dilatar o marcador com duas jogadas bem arquitectadas pelo médio Luciano Ratinho.
O Estrela da Amadora sentiu que tinha de fazer mais pela vida e a contrariedade ocorreu ao minuto 59 quando Paulo Sérgio foi expulso por atirar a bola ostensivamente à cara de Jorge Vidigal.
O árbitro, o bracarense Cosme Machedo, preferiu dar o segundo amarelo, quando deveria ter mostrado o vermelho directo por se tratar de uma agressão premeditada.
Sem soluções, Daúto Faquirá ainda tentou alargar a frente do ataque fazendo entrar Ndiaye e Jaime. Só que o Beira-Mar não deu hipóteses e o jogo passou a ter sentido único. Rui Lima desperdiçou um remate na cara do guardião Paulo Lopes. Antes disso, foi Mário Jardel que, depois de se isolar, efectuou um remate frouxo. Pouco depois daria o seu lugar a Jorge Leitão, saindo sob um forte aplauso e entregando a camisola a um miúdo da bancada.
Houve tempo ainda para Alcaraz selar o resultado final depois de um bom trabalho de Rui Lima.
Ver comentários