Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

Descolagem falhada

O Sporting somou o quarto jogo consecutivo sem vitórias e não conseguiu capitalizar os tropeções de Benfica e FC Porto. Travada por um excelente Marítimo, a equipa de Paulo Bento falhou (irremediavelmente?) as pazes com os adeptos, apesar de uma exibição a dar sinais de melhoria.
2 de Novembro de 2009 às 00:30
O sportinguista Hélder Postiga remata à baliza do Marítimo, perante a oposição de Fernando Silva
O sportinguista Hélder Postiga remata à baliza do Marítimo, perante a oposição de Fernando Silva FOTO: Manuel Moreira

As três mexidas de Paulo Bento no onze correspondiam a um apelo à garra, e os frutos foram visíveis desde os primeiros minutos. Com mérito repartido por um Marítimo moralizado, as oportunidades sucediam-se nas duas balizas e o jogo ganhava uma intensidade raras vezes vista em Alvalade.

Se aos maus resultados recentes se juntava uma passividade inaceitável, desta vez os adeptos não podiam criticar a atitude da equipa. O problema resumia-se ao mérito do adversário: com Bruno a dar o tom a meio-campo e Manú e Djalma a ameaçarem pela velocidade, o Marítimo deixava em Alvalade o retrato de uma equipa de corpo inteiro, obrigando Patrício a boas intervenções.

Com Liedson muito abaixo do habitual, limitando ainda mais as soluções ofensivas, o Sporting cerrava os dentes e ia à luta. E foi feliz aos 54 minutos, quando os centrais do Marítimo cometeram o primeiro erro da noite, permitindo a Matías encher o pé, para o segundo golo em dois jogos. Em condições normais, o leão teria a vitória nas mãos: a equipa, sem deslumbrar, não repetia o adormecimento de outras noites, mantendo a concentração em níveis altos. Mas do outro lado estava um Marítimo com jogadores em estado de graça. Que outra forma de explicar a inspiração de Manú, a restabelecer o empate oito minutos depois com um sério candidato a golo do ano? Entre a espada e a parede, Paulo Bento corria todos os riscos, lançando Caicedo e Saleiro, mas o remate do equatoriano ao poste, no último minuto, forçava-o a deixar o campo sob lenços brancos.

ANÁLISE

POSITIVO

Que golaço, Manú

Aos 62 minutos, Alvalade foi palco de um dos momentos mais espectaculares desta Liga: o remate de Manú, directo à gaveta de Rui Patrício, é daqueles lances que marcam uma carreira.

NEGATIVO

Liedson a menos

A grande penalidade sobre Hélder Postiga e o remate ao poste de Felipe Caicedo poderiam ter ajudado o leão a escrever outra história. Mas a desinspiração de Liedson pesa demasiado numa equipa com soluções limitadas.

ARBITRAGEM

Uma falha capital

Começou bem, com um critério largo, a deixar o jogo fluir. Foi perdendo critério e estragou tudo ao avaliar mal um derrube de Fernando ao avançado Hélder Postiga, dentro da área, e não fora.C

SPORTING: MATÍAS FERNANDEZ AINDA LEVOU ILUSÃO A ALVALADE

Matías – Excelente golo de pé direito, após grande remate à entrada da área. Muito mais activo no segundo tempo, teve bons pormenores para os avançados. Acabou o jogo desgastado.

Rui Patrício – Espectacular defesa a remate de longe de Djalma e uma saída oportuna com os pés. Sem culpa no golo.

Abel – Tantas indecisões e passes errados. Muito mal. Mereceu a substituição.

Carriço – O melhor da defesa, desarmou e soube sair a jogar. Ainda rematou com perigo.

Tonel – Deixou escapar Manú logo de início, mas não mais facilitou.

André Marques – Melhor do que Abel, mas ainda assim insuficiente. Ficou a ver Manú rematar para o golo do Marítimo.

Miguel Veloso – Tentou dinamizar e aparecer em zonas de remate e assistiu Carriço para cabeceamento perigoso.

Pereirinha – Oportunidade perdida. Progrediu para... trás e futebol não é râguebi. Fraco.

Moutinho – Na meia esquerda, pouco jogo produziu. Era preciso mais do capitão.

Liedson – Rematou com perigo e tentou entender-se com Postiga, mas ficou ‘a falar sozinho’.

Hélder Postiga – Quezilento e displicente, levou os adeptos ao desespero. Sofreu falta para penálti e teve um remate intencional.

Pedro Silva – Levou energia ao jogo, mas foi pouco esclarecido.

Caicedo – Para o chuveirinho, assistiu Postiga por uma vez e falhou o golo na última jogada do encontro ao atirar a bola ao poste esquerdo de Peçanha.

Carlos Saleiro – Ponta de lança a extremo. Zero.

"NÃO TOMO DECISÕES A QUENTE"

"Não vou tomar decisões a quente nem na praça pública". No final da partida do Sporting com o Marítimo (1-1), Paulo Bento mostrou todo o seu descontentamento pelo empate: "É um resultado injusto. A partir do golo do Marítimo começámos a jogar mais com o coração do que com a cabeça. Faltou algum discernimento. O grande objectivo está longe mas não podemos desistir. Há que ter cabeça fria e ver que soluções podemos encontrar nesta situação difícil."

O técnico dos leões deixou ainda um comentário acerca da arbitragem: " Mais uma grande penalidade que não foi assinalada."

NOTAS

MATÍAS FERNÁNDEZ: DESOLADO

"Lamentavelmente o meu golo não serviu de muito. Estamos a treinar bem e vamos ter de melhorar. As coisas estão difíceis mas vamos lutar até ao fim", disse ontem Matías Fernández

SORTE: VAN DER GAAG

O treinador do Marítimo, Mitchel Van der Gaag, mostrou-se satisfeito com a prestação da sua equipa e reconheceu alguma sorte. "Trabalhámos muito e fomos felizes", disse

HEERENVEEN: VITÓRIA NA LIGA

O Heerenveen (adversário do Sporting na Liga Europa), bateu ontem o ADO La Haye por 3-0 e está em 14.º na Liga holandesa, a 11 pontos do líder Twente (32 pontos)

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)