Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

‘Escrete’ sem cabeça nem Kaká

A cabeça fria dos holandeses e o desnorte colectivo dos brasileiros decidiram ontem a favor dos europeus e garantiram a sua quarta presença em meias-finais. Enquanto a Holanda fez tudo para proteger e fazer sobressair os seus dois grandes talentos, Sneijder e Robben, o Brasil pagou pela ‘más companhias’ e pela falta de liderança de Kaká.
3 de Julho de 2010 às 00:30
Festa ‘laranja’ no Nelson Mandela Bay
Festa ‘laranja’ no Nelson Mandela Bay FOTO: Michael Kooren/Reuters

Seria injusto justificar o categórico triunfo holandês com os erros infantis dos brasileiros, mas a eliminação do ‘escrete’ foi precipitada pelos seus dois elementos mais fracos e contestados, o lateral-esquerdo Michel Bastos e o médio defensivo Felipe Melo. O lateral ainda foi poupado à expulsão, mas deu origem ao golo do empate e obrigou Dunga a substituí-lo, em meia dúzia de minutos que desconcentraram a equipa. E foi nessa fase de desnorte, já a perder por 1-2, que Felipe Melo, depois de ter feito autogolo, se fez expulsar com uma agressão a Robben.

O Brasil tinha sido superior no primeiro tempo, conseguindo bloquear Robben e isolar Von Persie, embora à custa de muitas faltas, e teve as melhores oportunidades. As equipas jogaram antes do intervalo condicionadas pelo golo de Robinho (9’), valendo à Holanda uma excelente defesa de Stekelenburg, a remate de Kaká (31’). A Holanda também acusou a substituição à última hora do central Mathijsen.

Após o intervalo, os holandeses surgiram mais coesos e descontraídos, os brasileiros cada vez mais nervosos e inseguros, perante as acelerações de Robben e os sprints desequilibrantes de Sneijder. Do desconchavo brasileiro falam eloquentemente os dois golos de cabeça no centro da grande área, o segundo obtido por Sneijder, o jogador mais pequeno em campo, num pontapé de canto.

MAIS

Sneijder de ouro

Já com três golos marcados e três assistências, o holandês Wesley Sneijder não pára de subir na tabela da Bota de Ouro, menos de um ano depois de ter sido dispensado pelo Real Madrid. 

MENOS

Defesa falhou

A selecção brasileiro sai do Mundial com quatro golos sofridos, três dos quais de cabeça e na zona frontal, o que não abona um sector que se anunciava como uma fortaleza, apoiado por dois médios defensivos.

CÉSAR: "ERREI A BOLA"

"O futebol é 11 contra 11, e na segunda parte, os holandeses mereceram a vitória. Acabei por errar a bola no primeiro golo", disse o guardião brasileiro Júlio César

KAKÁ: FUTURO INCERTO

Depois da derrota com a Holanda, Kaká não deu como certa a sua continuidade na selecção brasileira: "Tenho que reflectir sob re tudo na minha vida", disse o médio, de 28 anos

ROBINHO: "DISTRAÍDOS"

"Não sei explicar a derrota, fizemos uma primeira parte excelente, mas no segundo tempo estávamos distraídos", afirmou Robinho, autor do golo da selecção brasileira

RONALDO: FELIPE MELO

"Felipe Melo não deve passar férias no Brasil". Foi esta a frase que Ronaldo ( ‘Fenómeno’) publicou ontem na sua página do Twitter, depois da expulsão do médio frente à Holanda

MELO: "PEPE DESLEAL"

Felipe Melo comentou a sua expulsão. "Se quisesse entrar para partir a perna de Robben, tinha-o conseguido. Na partida com Portugal, Pepe foi mais desleal comigo", disse o médio

SNEIJDER: FANTÁSTICO

"É um momento fantástico. Nunca deixámos de lutar e merecemos completamente esta vitória", disse o holandês Wesley Sneijder, depois da vitória sobre o Brasil nos ‘quartos’

CÔNSUL: FERIDO

O cônsul da Holanda no Rio de Janeiro (Brasil), Paul Comenencia, ficou ferido ao ser atingido por um foguete depois da vitória holandesa sobre o Brasil no Mundial

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)