Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

Euro2016 com receita bruta de dois mil milhões de euros

Segundo a UEFA, a competição levou à criação de 25.000 empregos a tempo total.
8 de Julho de 2016 às 17:35
No domingo disputa-se a final do Euro2016, no Stade France, em Paris
No domingo disputa-se a final do Euro2016, no Stade France, em Paris FOTO: Reuters
O Euro2016 de futebol gerou uma receita líquida de 830 milhões de euros, resultado da diferença entre a receita de 1,93 mil milhões de euros e a despesa de 1,1 mil milhões, revelou esta sexta-feira a organização.

Desse lucro, 600 milhões serão destinados às 55 federações filiadas da UEFA, e o remanescente, de 230 milhões de euros, cobrirá custos de organização do Euro2020 e da fase de qualificação.

De acordo com a organização, as receitas tiveram um crescimento de 34% em relação à organização do Euro2012, coorganizado por Polónia e Ucrânia, especialmente devido ao aumento de 18 para 24 equipas na fase final.

O essencial das receitas da UEFA é proveniente dos direitos televisivos (1,05 mil milhões de euros), dos programas de parceria (480 milhões de euros) e da venda de bilhetes (400 milhões).

Os benefícios para o país organizador, a França, estavam estimados pelo centro económico e de direito do desporto, ainda antes do início da competição, em 1,2 mil milhões de euros, dos quais 200 milhões em taxas e impostos.

Segundo a UEFA, a competição levou ainda à criação de 25.000 empregos a tempo total.

O modelo de 24 equipas teve um efeito positivo e será novamente aplicado no Euro2020, embora ainda seja prematuro falar do que acontecerá em 2024.

"Permitiu a pequenas equipas trazerem qualquer coisa ao torneio", salientou o diretor de competições da UEFA, Giorgio Marchetti, dizendo que, com exceção da Albânia, todas se qualificaram para a fase seguinte.

Um modelo que deixou Portugal a caminho dos oitavos de final, como uma das seleções mais bem classificadas nas terceiras posições da fase de grupos, o que não aconteceria no formato anterior, que apurava apenas as duas primeiras.

Em matéria de segurança, uma preocupação maior para a organização, nomeadamente face aos atentados em Paris e, depois, em Bruxelas, o secretário-geral da UEFA, Theodoros Theodoridis, congratulou-se com a organização.

O responsável lembrou os incidentes com adeptos rapidamente resolvidos nos estádios, além da rápida reação do comité da UEFA aos confrontos entre russos e ingleses em Marselha, com a colaboração das duas federações.

No domingo disputa-se a final do Euro2016, no Stade France, em Paris, entre a anfitriã França e Portugal, que estará pela segunda vez na sua história na final de um Europeu de futebol.
UEFA Polónia Ucrânia França Giorgio Marchetti Albânia Portugal Paris Bruxelas Europeu
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)