Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

Fartura de avançados para resolver Liedson

Liedson, o goleador brasileiro do Sporting, voltou a resolver um problema complicado à equipa e a Paulo Bento, repetindo a marcação do golo decisivo frente ao Belenenses, tal como fizera há quatro meses no Jamor na última final da Taça de Portugal.
3 de Setembro de 2007 às 00:00
O belenense Zé Pedro em despique com Abel: os azuis só caíram na recta final da partida
O belenense Zé Pedro em despique com Abel: os azuis só caíram na recta final da partida FOTO: Tiago Petinga/Lusa
Com a equipa azul reduzida a dez unidades, devido a expulsão do guarda-redes Costinha e de João Moutinho desperdiçar numa grande penalidade, o treinador leonino colocou em campo todos os seus avançados, alterando o sistema para um 3x4x3 que sujeitou a extrema defesa azul a grande pressão, tornando inevitável o golo. Foi o montenegrino Vukcevic, um dos elementos lançados na segunda parte, que realizou o excelente cruzamento da esquerda para as costas dos defesas azuis, onde Liedson pôde cabecear certeiro, a 11 minutos do final. Este lance tornou inglório o regresso de Marco à baliza do Belenenses, que se iniciou com a defesa de uma grande penalidade, muito mal apontada por João Moutinho.
O Sporting justificou totalmente os três pontos, frente a adversário com várias unidades de ataque, mas quase nula criatividade e sem agressividade ofensiva. O que estabelece uma diferença nos métodos semelhantes de Paulo Bento e Jorge Jesus: ambos optaram por uma grande quantidade de jogadores de ataque, mas os do Sporting foram incomparavelmente intencionais.
Até ao intervalo, o Sporting insistiu muito nos pontapés longos, com pouca intervenção dos médios, excepto nas recuperações de segundas bolas por parte de Moutinho e Romagnoli, que ainda conseguiram criar rupturas em duas ou três ocasiões, apanhando a defesa azul em contra-pé, concebendo então a melhor ocasião de golo, negado por Costinha ao russo Izmailov (32’). Na resposta, o Belenenses enviou uma bola ao poste direito de Stojkovic, na sua única jogada de perigo real em toda a partida. No segundo tempo, o Belenenses só defendeu.
BENTO DIZ QUE RESULTADO FOI JUSTO
Paulo Bento, treinador do Sporting, considerou que a sua equipa foi capaz de aliar o resultado à exibição. “Tanto o resultado como a exibição foram bons”, começou por dizer, continuando a sua análise elogiosa ao jogo dos leões. “À excepção da bola de Ruben Amorim ao poste, dominámos e pressionámos o adversário. Logo, a exibição foi agradável”, classificou. O treinador do Sporting prosseguiu no tom positivo à sua equipa. “A 2.ª parte começou com um ataque perigoso do Belenenses, mas depois a equipa teve grande personalidade, criou algumas oportunidades e chegámos finalmente ao golo. Creio que o resultado é completamente justo”.
Jorge Jesus, treinador do Belenenses, criticou o árbitro Carlos Xistra. “O lance da grande penalidade se fosse basquetebol era falta ofensiva. O árbitro mostrou demasiados amarelos num jogo de ritmo elevado, que pelos vistos ele não sabe o que é.”
APONTAMENTOS
COSTINHA REVOLTADO
Costinha ficou revoltado com a expulsão determinada pelo árbitro Carlos Xistra. “Fiz a mancha e não podia desviar-me dele [Liedson]. Ele é que se atirou para cima de mim. O Liedson é que tocou em mim, não fui eu que toquei nele. É triste penalizar um jogador assim”, disse.
STOJKOVIC MAIS FORTE
Vladimir Stojkovic, guarda-redes do Sporting, disse que saiu fortalecido do lance do dragão na semana passada. “Depois do FC Porto, talvez seja bom ter problemas. Foi duro, mas ficámos mais fortes”, admitindo que ontem começou o jogo apreensivo. “Tive algum receio, mas o Sporting é uma grande equipa.” Stojkovic não quis falar do lance, nem do árbitro Pedro Proença, que mandou marcar livre indirecto há uma semana, no Dragão.
POSITIVO
PAULO BENTO RADICAL
Paulo Bento nunca perdeu a serenidade nem deixou que a equipa fosse afectada pelas vicissitudes da partida. Ao mandar a campo todos os avançados disponíveis deu um sinal de convicção e de força, sem medo de mudar radicalmente o sistema de jogo. A substituição de Tonel é feita por quem sabe de bola.
NEGATIVO
6º FALHANÇO EM EM DOIS ANOS
Com Paulo Bento ao comando, o de ontem foi o 6.º penálti desperdiçado em jogos da Liga, de um total de 13, o que dá uma média demasiado baixa para uma equipa de alta competição. Moutinho parecia tornar-se um especialista, mas ontem reviveu o drama do falhanço frente a Vítor Baía nas meias-finais da Taça de há dois anos.
ARBITRAGEM
60 MIUNTOS À INGLESA
O árbitro Carlos Xistra não realizou uma arbitragem exemplar, mas não teve falhas graves. Na gestão dos cartões foi ‘inglês’ durante 60 minutos, apitando pouco e bem, mas depois voltou a ser o velho Xistra da Beira Baixa, com festival de sopro e cartolinas para todos os gostos. Boas decisões no lance do penálti e na expulsão.
MOMENTOS DO JOGO
MINUTO 43
Iniciativa de Ruben Amorim culminada num remate ao poste
MINUTO 51
Batido, Costinha travou Liedson na área: penálti.
MINUTO 80
O mortífero Liedson marcou o único golo do encontro.
FICHA DO JOGO
Local: José Alvalade, em Lisboa (32 266 espectadores)
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco
Sporting: Stojkovic, Abel, Tonel (Yannick Djaló, 66m), Polga, Ronny, Miguel Veloso (Vukcevic, 56m), João Moutinho, Izmailov (Purovic, 66m), Romagnoli, Derlei, Liedson.
Treinador: Paulo Bento
Belenenses: Costinha, Cândido Costa, Rolando, Hugo Alcântara, Rodrigo Alvim, Ruben Amorim, Gabriel Gomez (João Paulom, 82m), Zé Pedro (Marco, 53m), Fernando, Silas (Rafael Bastos, 63m), Roncatto
Treinador: Jorge Jesus
Marcador: 1-0, Liedson (79m)
Acção disciplinar: Amarelos: Gabriel Gomez (69m), Fernando (71m), Vukcevic (75m), Marco (77m), Hugo Alcântara (78m), Romagnoli (87m), Yannick (90’ 1m); Vermelho: Costinha (50m)
Melhor marcadorLiedson
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)