Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

FC Porto em 'estado de Calamidade' deixa três pontos na Mata Real

Campeão vulgarizado por um fantástico Paços de Ferreira, que até teve de lidar com o erro claro de arbitragem num golo muito mal anulado aos homens da casa.
Sérgio Pereira Cardoso 31 de Outubro de 2020 às 01:30
Campeão vulgarizado por um fantástico Paços de Ferreira, que até teve de lidar com o erro claro de arbitragem num golo muito mal anulado aos homens da casa.
Campeão vulgarizado por um fantástico Paços de Ferreira, que até teve de lidar com o erro claro de arbitragem num golo muito mal anulado aos homens da casa.
A gravou-se, e muito, a situação do FC Porto, dominado e derrotado por um belíssimo Paços de Ferreira, que ganhou com justiça um encontro em que até acaba com queixas da arbitragem. Os dragões arriscam-se a ficar a oito pontos do Benfica e a seis do Sporting. Isto, à 6ª jornada.

Interessa explicar que Conceição operou três mudanças, voltando ao 4x3x3, sem Zaidu (castigado), Pepe (teste inconclusivo à Covid) e Fábio Vieira. Manafá ficou com a esquerda da defesa, Corona na direita, Leite ao centro e Grujic logo à frente. À falta do capitão, o barco teve buracos por todo o lado. O Paços vulgarizou os azuis-e-brancos na primeira parte. Aos 11’, Leite e Corona fazem asneira e deixam o israelita Dor Jan isolado. À segunda, fez o 1-0.

Se reagiu o FC Porto? Sim. Foi a melhor fase dos dragões, com três oportunidades em dez minutos. Evanilson acertou em Jordi, Grujic cabeceou ao lado e Sérgio Oliveira, de livre, esbarrou no ferro. Manta esticada na frente, tudo destapado atrás.

Aos 37’, Singh finaliza, à vontade, mais uma belíssima jogada a toda a largura do terreno. André Narciso (VAR) mandou Nuno Almeida ao vídeo e ambos concordaram numa suposta falta sobre Mbemba - Dor Jan remata em esforço e, na sequência, tem um contacto normal com Mbemba, com a bola já longe. Golo muito mal anulado.

Mesmo com o treinador expulso por protestos, o Paços repetiu o 2-0, fazendo da defesa portista um parque de diversões. Golo de Eustáquio. O FC Porto logo reduziu num penálti - também polémico - nos descontos, mas a cara de Sérgio Conceição dizia tudo. Vinha aí um sermão dos grandes.

E não só. Nakajima e Díaz em vez de Grujic e Uribe. Houve espaço para... piorar. Penálti por mão de Marega e Bruno Costa a marcar à equipa de formação. Três golos, que só não passaram a quatro devido à barra e a Marchesín. À entrada da reta final, Otávio trouxe uma bomba de oxigénio, mas a melhor oportunidade até final seria novamente para os da casa. Valeu outra vez Marché. Apito final. Dragão por terra e a ficar sem chão.

Sérgio foi única boia em dia de naufrágio
o Marchesín – Evitou a goleada aos 66 e aos 90 minutos.
o Corona – Mal a defender, desperdiçou um golo aos 61’.
o Mbemba – Acusou em demasia a falta de Pepe. Não foi o líder que a defesa precisava.
o Diogo Leite – Primeiro jogo da época. Afogou-se na enxurrada de erros defensivos.
o Manafá – Surpreendido várias vezes nas costas. Exibição para esquecer.
o Grujic – Estreia a titular. Sacrificado ao intervalo.
o Uribe – Falhou na cobertura a Eustáquio no 2º golo do Paços. Exibição para esquecer.
o Sérgio Oliveira - Foi o único que jogou perto do seu nível, mas não chegou para disfarçar as fragilidades a meio-campo. Seguro a marcar o penálti, ainda acertou no poste na marcação de um livre.
o Marega – Trapalhão a atacar e fez um penálti inacreditável.
o Otávio – Descaído para a esquerda foi inconsequente. Na 2ª parte melhorou a jogar no meio e fez um grande golo.
o Evanilson – Segurou uma ou outra bola a jogar de costas e fez pouco mais do que isso.
o Nakajima – Melhorou a circulação de bola da equipa, mas sem efeitos práticos.
o Luis Díaz – Notou-se que não está a 100% fisicamente. Mas foi dos poucos que, a espaços, criou desequilíbrios.
o Taremi – Foi, ainda assim, o avançado que deu mais trabalho aos defesas contrários.
o Felipe Anderson – Com esta falta de intensidade não vai convencer Sérgio Conceição.
o Fábio Vieira – Entrou (tarde) para o forcing final.

ANÁLISE
+ Paços de gigante
Fantástico encontro do Paços, cuja classificação já não refletia a qualidade exibida nas cinco primeiras jornadas. Dominou o FC Porto no jogo corrido e nas bolas paradas.

- Errado do início ao fim
Conceição falhou em toda a linha e, como se não bastasse, ainda foi expulso após o apito final, por palavras ao árbitro. Defesa foi um desastre na ausência forçada de Pepe.

Isto só vídeo...
Difícil de compreender como árbitro e VAR anulam o golo de Singh. Penálti por mão de Eustáquio também parece mal assinalado - o jogador está de costas e em desequilíbrio. Já o de Marega é inequívoco.
Ver comentários