Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
4

FC Porto salvou-se no final e garantiu 'quartos' da Taça

Suplente Evanilson evitou eliminação, depois de o Nacional ter dado a volta para 2-1.
Sérgio Pereira Cardoso 13 de Janeiro de 2021 às 01:30
Nacional - FC Porto
Nacional - FC Porto
Esteve por um fio a participação do FC Porto nesta Taça de Portugal. Depois de ver o Nacional dar a volta para 2-1, o Dragão evitou a eliminação aos 88’, num lance tão polémico quanto a expulsão anterior de um homem da casa. No prolongamento, Sérgio Oliveira e Taremi estenderam a passadeira para os ‘quartos’.

Se é verdade que a equipa de Conceição sofreu, também o é que não foi por falta de entrega. Houve várias ocasiões de golo, só que a desinspiração portista, a inspiração de Piscitelli e um toque de azar com bolas nos ferros complicaram a missão. Díaz é que não liga a nada disso: 0-1, aos 22’ num belo remate.

O problema, novamente, esteve no momento defensivo. Sarr a lateral não funciona e Pepe não se mostrou no seu topo. O Nacional aproveitou as oportunidades e deu a volta ao jogo.

Aos 65’, António Nobre expulsou Rui Correia e a pressão portista intensificou-se, embora nem sempre de forma lúcida. Ameaçava haver novo bailinho da Madeira - o Sporting caíra no Marítimo -, mas foi só preciso uma nota de samba de Evanilson para mudar o tom da festa, aos 88’. No prolongamento, Oliveira disparou de primeira para o 3-2 e Taremi empurrou para o quarto. Diogo Costa ainda defendeu um penálti e trouxe mais sorrisos ao detentor do troféu, que sofre e segue.

análise
+ O resgate veio do banco  
Evanilson entrou e, segundos depois, marcou o 2-2 que salvou o FC Porto de uma eliminação que estava por minutos. É verdade que ainda falhou outro golo em cima da linha, mas aí já estava tudo resolvido. Jovem Diogo Costa defendeu penálti.

- Inspiração a menos
O que obrigou a transpiração a mais, a poucos dias de um clássico com o Benfica, na sexta-feira. O FC Porto até entrou bem no encontro, só que as falhas na frente levam a que as falhas atrás se possam pagar muito caro. Sarr não pode mesmo ser lateral.

Prejuízo para o Nacional
Rui Correia é expulso num lance em que usa o ombro no contacto com Toni Martínez e dá toda a ideia de que Evanilson toca a bola com o braço momentos antes de finalizar o 2-2. Bem ao não assinalar penálti que Taremi tentou forçar. No limiar da simulação.

Samba de ‘Eva’ parou o bailinho e Sérgio Oliveira já não teve dó
o Diogo Costa – Dois remates, dois golos sofridos. Reagiu a tempo de evitar um 3-2 do meio da rua e defendeu penálti no último segundo.
o Nanu – Incansável. Piscinas atrás de piscinas e assistência para o primeiro golo.
o Pepe – Batido no 1-0 e em vários lances ao longo do jogo. Ameaçou o golo.
o Diogo Leite – Também esteve perto de marcar, num livre à barra. Mais regular.
o Sarr – Um a menos. Não é, definitivamente, lateral. Deu muito espaço no 1-1 e 2-1.
o Grujic – Parece jogar a uma velocidade abaixo dos outros, mas não comprometeu.
o Corona – Não está na melhor fase. Tem magia nos pés, porém, não pode passar tanto tempo alheado do jogo.
o Sérgio Oliveira - Avisou ao que vinha com os três primeiros remates, um de canto direto à barra. Manteve o tom ao longo do jogo, mas só perdeu o dó no tiraço do 3-2 . 
o Luis Díaz – Entrada fulminante com um golaço. Sempre ligado à corrente.
o Taremi – Nunca desistiu e está presente nos golos, o último dos quais da sua autoria.
o Toni Martínez – Oportunidade perdida, tal como as várias bolas que lhe chegaram.
o Zaidu – Importante para dar largura na esquerda.
o Otávio – Como um relógio. A equipa é melhor com ele.
o Marega – Desinspirado.
o João Mário – Desinibido.
o Evanilson – Decisivo. Golo resgatou os dragões. Falhou outro incrível, aos 115’.
o Loum – Fez penálti.
Ver comentários