Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Ferguson trava Jose

A série de 39 jogos consecutivos sem derrotas de Mourinho – que ontem fez o seu encontro 50 na Premiership – e do Chelsea no campeonato inglês chegou ontem ao fim, com uma derrota em Old Trafford frente ao Manchester United, por 1-0.
7 de Novembro de 2005 às 00:00
O’Shea não consegue travar remate de Del Horno, com o guardião Van der Sar atento ao lance
O’Shea não consegue travar remate de Del Horno, com o guardião Van der Sar atento ao lance FOTO: Tom Hevezi, Epa
No dia em que comemorava 19 anos à frente do clube, Alex Ferguson não só venceu, como também averbou o seu primeiro triunfo em confrontos com o técnico luso. Cristiano Ronaldo esteve em destaque nos ‘red devils’ ao fazer a assistência para o golo de Fletcher.
Ferguson pode, aliás, começar a considerar-se um verdadeiro ‘caçador de recordes’: na época passada, também em Old Trafford, o Arsenal foi batido quando levava já 49 jogos sem perder no campeonato inglês. Já José Mourinho, que disputou ontem o seu jogo 50 na Premiership, perdeu, pela terceira vez na sua carreira, dois jogos consecutivos. Para o Chelsea são cinco encontros – todas as competições incluídas –, em que não consegue vencer.
Como seria de esperar, o jogo foi electrizante. Não só pelo fantástico ambiente de Old Trafford, mas também pela entrega dos jogadores. Depois de uma semana conturbada – as declarações polémicas de Roy Keane ameaçaram perturbar a preparação dos ‘red devils’ –, o United surgiu transfigurado para melhor e durante cerca de uma hora tomou conta das operações.
A equipa da casa foi mesmo a mais atacante na primeira parte, perante um Chelsea muito cauteloso, e foi dos pés de Ronaldo que saiu o cruzamento para o golo: o extremo trocou as voltas a Paulo Ferreira e endereçou o esférico para o poste mais distante, onde surgiu Fletcher a cabecear para aquele que seria o único golo dessa partida.
Na etapa complementar, o Chelsea entrou em campo com ‘ganas’ e, já com Gudjohnsen em campo, conseguiu encostar o United na sua área e mostrou-se muito perigoso, criando várias situações de golo. No entanto, apesar de todos os esforços, os ‘blues’ não conseguiram reverter o resultado. O United subiu ao terceiro posto, estando a 10 pontos do líder Chelsea, que viu a sua vantagem para o Wigan, segundo, passar para seis pontos.
"DESILUDIDO MAS ORGULHOSO"
No final, Mourinho confessou-se “desiludido” com o desfecho do encontro: “Creio que a diferença entre as duas equipas foi a sorte. Todos os que estiveram envolvidos neste jogo devem estar orgulhosos, porque foi uma grande partida de futebol. No final fiquei com um gosto amargo na boca. Estou muito desiludido, mas não temo o futuro”.
Ainda assim, o técnico luso destacou a exibição da sua equipa e relembrou que o Chelsea continua com uma vantagem muito tranquila na classificação. “Este é um daqueles jogos em que ficamos desiludidos mas também orgulhosos. Perder a jogar mal é diferente de perder jogando bem. Na 2.ª parte, pressionámos muito e eles tudo fizeram para segurar a vantagem. Ainda assim continuamos numa posição confortável”, concluiu.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)