Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
1

FIGO CUMPRE 100 JOGOS EM COMPETIÇÕES EUROPEIAS

Luís Figo torna-se hoje o primeiro futebolista português e um dos poucos a nível mundial a atingir os 100 jogos em competições da UEFA (Eurotaças).
16 de Setembro de 2003 às 00:00
Luís Figo vai juntar-se à elite de cinco jogadores com 100 jogos
Luís Figo vai juntar-se à elite de cinco jogadores com 100 jogos FOTO: Sergio Perez (Reuters )
O n.º10 do Real Madrid, salvo imprevisto de última hora, será titular no jogo que opõe os campeões espanhóis ao Olympique de Marselha no estádio Santiago Bernabéu. Este novo recorde de Figo surge numa altura em que o jogador está apenas a quatro jogos (96) de atingir o "centenário" pela selecção nacional, que reforçará ainda mais o seu estatuto de jogador mais "internacional" da história do futebol português.
Além de Figo, e de acordo com os dados disponíveis – a UEFA nunca estabeleceu uma listagem oficial – apenas mais 5 jogadores atingiram/ultrapassaram a marca dos 100 jogos em competições europeias: os italianos Paolo Maldini (recordista) e Giuseppe Bergomi; o alemão Lothar Matthaeus, o inglês Ray Clemence e o belga Michel Preud'homme. Deste quinteto só Maldini está em actividade.
O embate de logo à noite é o 67.º jogo de Luís Figo na Liga dos Campeões, competição que disputa ininterruptamente desde 1997-98. Em seis participações na prova máxima da UEFA, Figo só não atingiu as fases decisivas em 1998 e 1999, quando representava o Barcelona. Desde então foi campeão em 2002 (Real Madrid) e semifinalista em 2000, 2001 e 2003. Nos 66 encontros realizados ao serviço do ‘Barça’ e do Real, Figo marcou 17 golos (é o quinto melhor marcador português na Taça/Liga dos Campeões) sendo o balanço claramente favorável: 38 vitórias, 15 empates e apenas 13 derrotas.
Nas restantes competições, Figo soma 8 jogos (1 golo) na Taça das Taças; 21 jogos (3 golos) na Taça UEFA; e 4 jogos (nenhum golo) na Supertaça Europeia. O jogador venceu a Taça das Taças com o Barcelona em 1997 e a Supertaça Europeia em 1998 (Barcelona) e 2003 (Real Madrid). Sublinhe-se que com a Taça Intercontinental conquistada no ano passado, Figo tornou-se o único futebolista português com cinco títulos internacionais no palmarés, à frente de Fernando Couto (4).
A estreia europeia de Figo aconteceu há 12 anos (18 Setembro de 1991), no estádio de Alvalade, num Sporting-Dínamo de Bucareste a contar para a Taça UEFA: os ‘leões’ ganharam por 1-0 e o treinador era Marinho Peres. Desde então Figo completou 99 jogos (21 golos) com um balanço impressionante de 56 vitórias, 23 empates e apenas 20 derrotas. O objectivo do número dez realista quando inicia a 13.ª participação nas Eurotaças não podia ser mais claro e assumido: o título europeu. Mais um.
CARLOS QUEIROZ 'REPETE' E APADRINHA
A carreira europeia de Luís Figo divide-se em três fases: Sporting (quatro participações na Taça UEFA entre 1991 e 1994); Barcelona (cinco épocas, de 1995 a 2000, as três últimas na Liga dos Campeões); e Real Madrid (vai para a quarta temporada, sempre na Liga dos Campeões).
Curiosidade: Figo ‘repete’ dois treinadores no percurso: Bobby Robson (92-93 e 93-94 no Sporting; 96-97 no Barcelona) e agora Carlos Queiroz. Pelo caminho, Figo foi treinado por Marinho Peres, Johan Cruyff, Louis van Gaal e Vicente del Bosque.
A história repete-se e Queiroz tem a particularidade de ter comandado o Sporting no jogo que lançou definitivamente Figo como estrela de primeira grandeza em palcos espanhóis: precisamente num célebre Real Madrid-Sporting (13 Setembro de 1994) a contar para a Taça UEFA, que o Real ganhou imerecidamente por 1-0. Figo fez uma exibição extraordinária e... adivinhem... o treinador do Real chamava-se Jorge Valdano, o actual ‘patrão’ de Carlos Queiroz em Chamartin. Fiz a reportagem desse jogo para o ‘Record’ e lembro-me de ter assistido, no final do jogo (no corredor de acesso aos balneários), a uma troca de impressões de Queiroz com Valdano. Um dos tópicos era... Figo. Cabe a Carlos Queiroz, pai da geração de ouro, apadrinhar o ‘centenário’ europeu do grande Figo. A história também sabe ser justa.
Ver comentários