Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Fomos a melhor equipa

Co Adriaanse, técnico holandês do FC Porto, não ficou desiludido com os seus pupilos, apesar da derrota por 3-2 em Glasgow. “Foi um bom jogo, com muita velocidade. Qualquer equipa poderia ganhar e o Glasgow Rangers marcou mais um golo que nós”, começou por referir o treinador portista, destacando: “Gostei da atitude dos meus jogadores e a parte final foi difícil para nós porque jogámos com menos um jogador (lesão de Sokota)”.
14 de Setembro de 2005 às 00:00
Co Adriaanse gostou da atitude da sua equipa, apesar da derrota na estreia da Liga dos Campeões
Co Adriaanse gostou da atitude da sua equipa, apesar da derrota na estreia da Liga dos Campeões FOTO: António Simões (Lusa)
Apesar de estar desiludido com o resultado desfavorável, Adriaanse fez questão de frisar o orgulho que sentiu dos seus jogadores. “A equipa lutou, trabalhou e dominou, mas não fomos felizes”, adiantou.
O treinador do FC Porto, apesar de ter a lição bem estudada e estar consciente de que os trunfos do adversários seriam os lances de bola parada e o jogo aéreo, acabou por ver a sua equipa surpreendida, com Prso a usar toda a sua experiência para fazer falta sobre Baía. “Aquele segundo golo do Glasgow Rangers foi estranho, mas vamos continuar a lutar pela vitória no nosso grupo”, desabafou, justificando a sua opção de colocar Pepe a titular: “O nosso adversário tem jogadores muito altos e como Pepe marcou dois golos foi uma escolha feliz.”
Pepe, uma das figuras do FC Porto, ao marcar dois golos na sua estreia a titular, reconheceu que a sua equipa deveria ter trocado mais a bola. “Quando estávamos em desvantagem numérica deveriamos ter gerido o empate. Fiquei contente por ter bisado, mas triste com a derrota da equipa.”
Entretanto, Sokota contraiu uma grave entorse no joelho direito e Pedro Emanuel partiu os ossos do nariz, devendo falhar o próximo jogo da Liga frente ao Sp. Braga.
EM DESTAQUE - PEPE
Foi a surpresa de Adriaanse, que o colocou a titular como defesa-direito, em vez de Sonkaya. Marcou os dois golos portistas, o primeiro de cabeça, o segundo de barriga, ambos após cantos de César peixoto na direita (cinco dos nove golos do FC Porto esta época foram na sequência de canto).
Passou para central quando Pedro Emanuel se lesionou e bateu-se bem – mas também podia fazer mais no terceiro golo, porque foi ele que saltou com Kyrgiakos.
POSITIVO - ATACAR, ATACAR
Os jogos deste FC Porto estão destinados a ser grandes espectáculos. Mesmo em Ibrox Park, onde nunca nenhum clube português ganhou, não haverá muitas equipas que tenham tido tanto jogo atacante como ontem tiveram os dragões. Apesar disso, só marcaram de canto e às vezes os atacantes eram tantos que até se atrapaçhavam – aconteceu com Sokota e Hugo Almeida e, noutro lance, com Sokota e Alan, perdendo-se uma óptima ocasião.
NEGATIVO - FALHOU A DEFESA E O ATAQUE
Dois dos três golos escoceses aconteceram na sequência de livres. No terceiro, o FC Porto até tinha um homem a menos, no segundo Prso fez falta sobre Baía. Mas é indiscutível que o sistema defensivo muitas vezes está em dificuldade, porque a equipa se plasma toda para a frente. Da forma como a equipa jogou, nem se poe criticar só a defesa – o ataque tem que marcar mais golos (e não só de canto) com tão grande volume.
JANKAUSKAS TORCE PELO FC PORTO
O ex-portista Jankauskas, agora ao serviço dos escoceses do Hearts, marcou presença na bancada e vibrou com o FC Porto, o clube do seu coração. “Vou torcer sempre pelo FC Porto e serei portista para sempre”, adiantou ao CM, destacando o encontro com os seus grandes amigos Pedro Emanuel e Ricardo Costa.
Quanto à partida, Jankauskas considerou que tratou-se de um jogo muito duro.
“Foi muito difícil porque os jogos aqui são encarados como uma guerra. O FC Porto jogou bem mas não teve sorte com as lesões de Pedro Emanuel e Sokota. Jogar com 10 complica tudo. O FC Porto merecia mais. Qualidade não faltou e é evidente que o Porto é melhor equipa”, concluiu.
Ver comentários