Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Franco imune a pressões

Filipe Soares Franco resistiu a todas as pressões, internas e externas, e anunciou ontem que a assembleia geral (AG) do Sporting para analisar e votar a proposta de alienação de património vai mesmo realizar-se. Com todos os riscos a isso inerentes. O cenário de eleições antecipadas, noticiado ontem pelo CM, reunia grande consenso entre a ‘entourage’ do presidente do Sporting, que todavia optou em sentido contrário.
28 de Fevereiro de 2006 às 00:00
Em declarações à SIC Notícias, Soares Franco reconheceu estar a ser pressionado por vários sectores, no sentido de avançar de imediato para eleições, mas não o fará por uma questão de princípio.
O líder ‘leonino’ terá chegado à conclusão que a sua credibilidade perante os associados seria colocada fortemente em causa caso optasse por uma mudança de rumo, abdicando da realização da AG. Por outro lado, Franco terá concluído que a aproximação do Sporting ao primeiro lugar da Liga (está a apenas dois pontos da liderança depois da derrota do FC Porto na Luz) torna pouco aconselhável a introdução de factores de potencial desestabilização da equipa de futebol, como seria a realização de eleições antecipadas.
“Só quem não me conhece é que pensaria que viabilizaria eleições antecipadas”, afirmou ontem Soares Franco à TVI, acrescentando que a AG será marcada assim que for encontrado o “local próprio”. Recorde--se que a AG para decidir sobre a venda de património não chegou a realizar-se na passada quinta-feira porque os mais de três mil sócios que compareceram não couberam na sala da antiga FIL. Apesar de ter optado por manter a AG, Soares Franco, que só será candidato caso as suas propostas sejam aprovadas, sabe que corre riscos enormes.
Uma reunião magna com mais de três mil sócios será complicada de gerir e poderá constituir terreno propício para a oposição. Mas mesmo que seja derrotado na AG, Franco prefere sair do clube de cabeça erguida, ciente de que defendeu uma medida impopular mas que entendeu ser a melhor , do que optar por uma mudança de rumo com base em motivações de ordem política.
PESEIRO: "NUNCA FUI ACARINHADO"
José Peseiro quebrou o silêncio e aceitou pronunciar-se sobre a sua passagem pelo Sporting. O treinador atribuiu o seu fracasso no comando técnico dos ‘leões’ à falta de empatia com os adeptos.
“Nunca me senti valorizado, acarinhado ou tolerado, já bastava ser tolerado, mas em 16 meses que estive no Sporting não sei se em algum momento senti isso”, afirmou à TVI, acrescentando: “Se comigo tivesse havido a empatia que existe agora e um apoio institucional mais forte, se calhar tínhamos ganho alguma coisa”.
O técnico, que deixou o clube há quatro meses, diz que só aceitou iniciar esta época porque “os responsáveis deram a entender que iam melhorar as condições de protecção à equipa”.
APONTAMENTOS
SUBTIL REAGE
Subtil de Sousa, líder do Movimento Sporting Renovado, reagiu à hipótese de eleições antecipadas. “A AG tem de realizar-se, não se pode brincar com os sócios”, disse à Antena 1.
AQUISIÇÕES
Os jovens brasileiros Ronny (lateral-esquerdo) e Yannick (médio) assinaram contrato válido por quatro anos com os ‘leões, provenientes do campeão brasileiro, o Corinthians. CASTIGO
A Comissão Disciplinar da Liga condenou o Sporting ao pagamento de 6842 euros ao Belenenses, pelos prejuízos causados em 14 de Janeiro no Restelo, em jogo da 18.ª jornada.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)