Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
4

Guerra aberta com Benfica

António Salvador pediu ontem, numa carta aberta publicada no site do Sp. Braga, uma maior união dos adeptos em torno da equipa e aproveitou para criticar a Comissão Disciplinar (CD) da Liga e o Benfica.
5 de Fevereiro de 2010 às 00:30
Guerra aberta com Benfica
Guerra aberta com Benfica FOTO: Hugo Delgado

"O Sp. Braga é, de forma legítima, o líder do campeonato nacional – e não precisamos de antecipar jornadas para sermos primeiros –, mas fora das quatro linhas tudo têm feito para nos tirar esse estatuto", escreveu o líder arsenalista.

Ricardo Costa, presidente da CD, também não foi esquecido: "Não serão ‘alguns doutores’ que nos irão parar nem derrubar."

O Sp. Braga publicou, no site oficial, um vídeo em que Raul José, adjunto do Benfica, aparece a separar Vandinho e Maxi Pereira, antes do intervalo do jogo realizado a 31 de Outubro de 2009, num gesto visto pelos minhotos como agressão. Quando prestou declarações na Liga, porém, o médio nunca imputou a Raul José a prática de qualquer agressão.

Os incidentes que levaram às suspensões de Vandinho (três meses) e Mossoró (três partidas) não constam nos relatórios do árbitro Jorge Sousa e dos delegados da Liga, algo que causou estranheza em Braga. O CM sabe, no entanto, que os processos aos atletas partiram da própria CD, após ter conhecimento das imagens televisivas e das notícias de jornais. Se constassem no relatório do árbitro, as agressões de Mossoró e Ney (levou duas partidas) tinham castigo imediato. E a Vandinho seria aberto um processo, já que a moldura disciplinar era superior a um mês.

Ver comentários