Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Há sempre alternativas

Justiça seja feita a Carlos Queiroz que, com a sua convocatória tem dado muito que falar a toda a gente, sobretudo aos profissionais da opinião, e logo num momento em que, por força do encerramento das competições oficiais internas começava a haver uma grande falta de assunto. Os “lapsos” de Queiroz nas suas escolhas têm sido clinicamente dissecados em todas as mesas de operações, mesas de cafés, de esplanadas e, também, em todas as mesas de trabalho porque com uma carga de suspeitas tão negativa sobre o futuro da nossa selecção na África do Sul, não há nenhum português que se consiga concentrar nos seus afazeres e laborar a preceito.
22 de Maio de 2010 às 00:00
Há sempre alternativas
Há sempre alternativas

Como em todas as ocasiões semelhantes, há sempre quem tire o seu proveito. Como tirou, por exemplo, Domingos Paciência. O foco sobre os “lapsos” de Queiroz permitiu que quase passasse em claro o “lapso” de Domingos quando, entrevistado na RTPN, afirmou o seguinte: “O Benfica foi muito forte e anulou todos. Anulou-nos a nós, ao Braga e ao Sporting.” Depois de um breve silêncio, não fossem os bracarenses levar a mal e os benfiquistas desatarem-se a rir, Domingos emendou-se : “…anulou-nos a nós, ao FC Porto e ao Sporting”. Ah, pronto, assim já está bem. “Nós” era o Sporting de Braga, não era de modo algum o FC Porto, foi apenas um lapso.

Em termos de paixão, também a selecção não pode deixar de trazer sempre à baila esta história do “nós”, precisamente por ser “a equipa de todos nós”. Não é de crer, no entanto, que os benfiquistas e os sportinguistas se desinteressem da aventura portuguesa no Mundial africano só porque alguns dos seus jogadores mais estimados não mereceram a atenção do seleccionador nacional.

Mas se se der o caso, haverá outras opções. A FIFA recomendou a todas as Federações presentes no grande evento que pintassem slogans nos autocarros que transportam as respectivas selecções. Assim sendo, os benfiquistas podem decidir apoiar a Nigéria, cujo slogan é “Super Águias, estamos unidos” enquanto os sportinguistas podem dividir-se entre os que estão com os Camarões, cujo slogan é “Os leões indomáveis estão de volta”, ou com o Paraguai, “O leão Guarani ruge na África do Sul”.

Para variar, os portistas não têm motivos de zanga com o seleccionador. Mas se os houvesse, também eles poderiam  torcer por duas outras selecções: a da Nova Zelândia, que levará no seu autocarro a frase “Chutando ao estilo kiwi” ou a da Holanda, cujo slogan é “Receiem as 11 laranjas”. Por causa da fruta, naturalmente. 

ERRAR É HUMANO

ENTRE A ESPADA E A PAREDE

Há ocasiões no decorrer de um jogo em que um árbitro se sente entre a espada e a parede. É posto perante factos de tal modo flagrantes que deixa de ter à sua disposição um leque criativo de opções para lidar com eles. O final de época do FC Porto ficou marcado por situações destas. A última aconteceu na final da Taça. Bruno Alves, que nenhum árbitro se atreveu a expulsar nos últimos cinco anos, estragou o seu currículo disciplinar nos derradeiros segundos do jogo com o Chaves e, praticamente, obrigou Pedro Proença a pô-lo na rua. “Querem ver que sou eu que vou ter de expulsar este tipo? Ele parece muito chateado mas tenho a certeza de que não é comigo. O que me vale é que se vai embora e para o ano já não está cá…”, terá pensado Proença.

A insólita expulsão do “capitão” do FC Porto só tem paralelo nas inauditas expulsões de Jesualdo Ferreira na antepenúltima e na penúltima jornadas do campeonato. De treinador que nunca tinha sido expulso, passou a ser expulso domingo-sim, domingo-sim. E se explicou, em Setúbal, que agiu “em defesa” dos seus jogadores, já na jornada seguinte justificaria que “para defender” os seus jogadores está sempre disposto “a ir até aos limites”. O apreço é recíproco. Muitos jogadores do FC Porto vieram defender a continuidade de Jesualdo. Mas, francamente, não hão-de os árbitros andar baralhados com estas novidades?

POSITIVO 

DEL NERI DÁ O SALTO

Na sua fugaz passagem pelo FC Porto desmentiu aquele teorema de que “com Pinto da Costa qualquer treinador serve”. Regressou pela porta pequena ao futebol italiano para ser agora apontado como o próximo técnico da poderosa Juventus. Merecido. 

MOURINHO IMPARÁVEL?

Depois de ter vencido a Taça de Itália, há quinze dias, e o “scudetto”, na semana passada, José Mourinho joga hoje, em Madrid, a sua segunda final da Liga dos Campeões. Na verdade, ninguém é tão “especial” como ele. 

NEGATIVO

OUTRA VEZ IZMAILOV

Se a época do Sporting foi para esquecer, a constante reedição da novela Izmailov em nada contribuiu para atenuar os males de Alvalade. “Perdi a confiança nas pessoas do Sporting”, foi a última achega do russo que não se sabe onde vai parar. 

PÉROLA

“Eh pá, vocês não me querem mesmo aqui.”, Jesualdo Ferreira 

Compreende-se a mágoa de Jesualdo Ferreira, no momento de celebrar mais uma vitória das muitas que deu ao FC Porto, ao ver-se confrontado publicamente com a iminência da sua saída. Mas confundir os ditames da sua entidade patronal com os poderes dos pobres jornalistas de gravador em punho, essa não… 

Ver comentários