Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
7

Ingleses pedem arresto de bens a Vale e Azevedo

Os bens da casa de Vale e Azevedo, em Colares, Sintra, foram ontem arrestados, na sequência de uma acção de uma imobiliária inglesa por incumprimento contratual.
19 de Janeiro de 2007 às 00:00
Móveis, molduras e peças várias foram ontem retiradas da casa de Vale e Azevedo em Colares
Móveis, molduras e peças várias foram ontem retiradas da casa de Vale e Azevedo em Colares FOTO: António Cotrim, Lusa
Em causa está, segundo adiantou ao CM a advogada do ex-presidente benfiquista, Luísa Cruz, um contrato de promessa de compra e venda de um imóvel em Inglaterra.
Sem precisar o valor do contrato, Luísa Cruz admitiu estar em causa “mais de um milhão de libras [um milhão e 500 mil euros]”.
Segundo a causídica, Vale e Azevedo terá desistido de exercer a opção e “denunciou o contrato”, mas a imobiliária inglesa sentiu-se lesada e interpôs acção para “reparação de prejuízos” que alega ter sofrido.
“Fomos notificados, apresentámos a oposição e juntámos um seguro-caução de uma empresa francesa”, acrescentou Luísa Cruz, mostrando-se surpreendida por não ter sido antes notificada de que o seguro-caução não foi aceite, nem de que o arresto de bens iria ter lugar.
Por os proprietários não estarem presentes, a porta da casa, cuja quinta Vale e Azevedo tem alugado para festas (casamentos e/ou baptizados) particulares, foi arrombada.
Vale e Azevedo encontra-se em Inglaterra, tendo a advogada garantido ao CM que a presença naquele país prende-se “com a sua vida pessoal” e que que em nada está relacionada com este processo.
Luísa Cruz diz ter dado conta da acção de ontem ao ex-presidente benfiquista a quem foi informando dos bens arrestados: móveis, molduras, peças de louça e afins. “O recheio de uma casa, cujo valor nem de perto nem de longe chega à quantia da acção judicial”, nas palavras da advogada. Os televisores e ecrãs de plasma não foram levados por a sua origem, factura e n.º de série estarem “identificadas”.
A advogada estranha ainda que Filipa Vale e Azevedo, mulher do ex-presidente do Benfica, casada “com separação de bens”, possa ter sido envolvida, “sem que tenha assinado um só documento em Inglaterra.”
REGRESSO A PORTUGAL NO DOMINGO
Ausente em Inglaterra, João Vale e Azevedo regressa domingo a Portugal para estar presente segunda-feira no tribunal, onde tem marcada audiência, segundo garantiu ontem a sua advogada. Luísa Cruz adiantou que o ex-presidente benfiquista teria desejado regressar a Portugal a tempo de acompanhar o arresto de bens, mas que o clima no Reino Unido (assolado pelo temporal ‘Kyril’) não permite o tráfego aéreo regular.
Vale e Azevedo já foi condenado e cumpriu prisão pelo desvio de verbas na transferência do guarda-redes russo Ovchinikov e já foi condenado, sob recurso, por burla e falsificação de documentos nos processos Euroárea (venda de terrenos) e Dantas da Cunha (hipoteca de um imóvel em Lisboa).
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)