Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Leão sobe outro degrau para a final

O Sporting está nas meias-finais da Taça de Portugal, ao vencer o Marítimo por 3-0, com um início de segunda parte demolidor. Os leões resolveram o jogo em 15’, muito em parte devido à acção endiabrada de Carrillo, que marcou um golo de cabeça – o seu primeiro com a camisola do Sporting – e depois ao sofrer a falta para o penálti que deu o 2-0.

23 de Dezembro de 2011 às 01:00
Onyewu e Schaars festejam com Wolfswinkel o 2-0 de grande penalidade
Onyewu e Schaars festejam com Wolfswinkel o 2-0 de grande penalidade FOTO: Vítor Mota

Na altura, o Marítimo já estava desfragmentado, com Igor Rossi a ser expulso por cometer uma grande penalidade sobre Wolfswinkel – o holandês falhou essa, mas converteu a segunda.

Até então (primeira parte), o Marítimo disputou o jogo palmo a palmo com o Sporting, apesar de a equipa leonina ter sido mais perigosa, com André Martins a atirar à trave. Mas houve jogo nas duas balizas e Patrício teve de fazer uma grande defesa, além de Baba ter deixado em estado de alerta a defesa leonina, com rápidos contra-ataques.

Foi um jogo intenso, entre duas equipas que quiseram ganhar o jogo, o que tornou a partida emocionante. A questão essencial foi que o Sporting teve uma velocidade a mais e extremos capazes de provocar muitos estragos na defesa dos insulares – quando o espanhol Capel apareceu pela primeira vez em jogo, foi para tirar o cruzamento que deu o 1-0 a Carrillo. O Sporting ainda teve uma contrariedade com a saída de Daniel Carriço por lesão, mas, curiosamente, a entrada de André Santos catapultou os leões para uma boa exibição no segundo tempo.

Com Igor Rossi expulso, o Marítimo ficou totalmente nas garras de um leão que estava insaciável e ainda deu o retoque final no marcador por Insúa, à segunda.

Acabou por parecer mais fácil do que realmente foi.

AVANÇADO BABA AINDA INCOMODOU MAS A EQUIPA PERDEU-SE COM DEZ

O Marítimo defendeu até onde pôde, com o central João Guilherme e o lateral Luís Olim a afastarem tudo o que fosse sinal de perigo e o guarda-redes Ricardo muito atento. A formação madeirense só baixou a guarda após o primeiro golo do Sporting e acabou por se perder em inferioridade numérica, após a expulsão de Igor Rossi.

O ponto alto da equipa foi a etapa inicial, com Sami a partir a loiça toda do meio-campo para a frente, sempre no contra-golpe. O jovem proveniente da equipa B do Marítimo chegou a testar os reflexos de Rui Patrício e o mesmo aconteceu com o colega Baba, que obrigou o guarda-redes leonino a uma defesa espectacular com os pés.

MARTINS AGITA, CARRILLO MARCA

Rui Patrício – Duas defesas a remates de Sami e Baba.

João Pereira – Podia ter arriscado mais. Bem só no 2º tempo.

Onyewu – Ludibriado uma vez por Baba. Mergulhou de cabeça na área, mas a bola saiu mal.

Polga – Compenetrado e duro.

Insúa – Agressivo a defender, útil nas bolas paradas e de pontaria afinada. Fez de cabeça o terceiro golo dos leões.

Carriço – Lesionou-se cedo, na fase de estudo das equipas.

André Martins – Remates aos ferros e muita teimosia. O elo mais forte da primeira parte.

Schaars – Mais discreto do que o costume. Auxiliou pouco os colegas da frente.

Wolfswinkel – Exibição intermitente. Mostrou mau feitio, falhou um penálti e depois redimiu-se ao transformar outro com êxito. Ainda assistiu Insúa para o último golo leonino.

Capel – A assistência para Carrillo foi fantástica, deixando em evidência toda a sua velocidade e capacidade técnica.

André Santos – Seguro, ajudou a pautar o jogo da equipa.

Pereirinha – Cheirou o golo no primeiro toque que deu na bola.

Arias – Um disparo torto.

Carrillo – Ora na esquerda ora na direita, deliciou os adeptos com passes geniais e fez o seu primeiro golo no Sporting. Ainda arrancou o penálti que deu o 2.º tento ao leão.

"GOLOS VIERAM MAIS TARDE QUE O ESPERADO"

Domingos Paciência admitiu que já estava à espera de um adversário "difícil", e salientou a importância de o Sporting ter marcado logo ao intervalo. "Os golos vieram mais tarde do que o esperado, mas o Marítimo jogou no erro do nosso eixo central. Estamos nas quatro frentes e isso é importante."

Por sua vez, Pedro Martins desabafou: "Ainda bem que acabou o ciclo de jogos com os grandes. Assim, acabam as expulsões e os penáltis. Gostava de ver se fosse ao contrário, se os árbitros as assinalavam."

FICHA DO JOGO

Taça de Portugal – ‘Quartos’ – 22/12/2011

Estádio José Alvalade – Assistência: 21 522 

Golos: 1-0 Carrillo (49’), 2-0 Wolfswinkel (60’ gp), 3-0 Insúa (82’)

Figura do jogo: Carrillo, extremo, 20 anos 

SPORTING

Rui Patrício, João Pereira, Onyewu, Polga, Insúa, Carriço (André Santos 30’), André Martins (Pereirinha 69’), Schaars, Carrillo (Arias 84’), Wolfswinkel, Capel.

Suplentes não utilizados; Marcelo, Evaldo, Bojinov e Rubio

Treinador: Domingos Paciência

MARÍTIMO

Ricardo Ferreira, Briguel, João Guilherme, Igor Rossi, Luís Olim, Roberto Sousa, Olberdam (Benachour 68’), Danilo Dias (Heldon 76’), Rafael Miranda, Sami (Pouga 85’), Baba.

Suplentes não utilizados: Peçanha, Robson, Ibrahim e João Luiz

Treinador: Pedro Martins

Árbitro: Artur Soares Dias (Porto)

Disciplina: Amarelos: Polga (7’), Rafael Miranda (18’), Sami (25’), André Santos (30’), André Martins (44’), Briguel (53’), João Guilherme (58’). Insúa (65’). VERMELHO: Igor Rossi (55’) 

SPORTING MARÍTIMO TAÇA DE PORTUGAL JOGO
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)