Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto

Liga critica "tentativa de golpe" com proposta de alteração legislativa

Proposta visa passar para a Federação a competência de elaborar os regulamentos de arbitragem e disciplina.
Lusa 11 de Julho de 2017 às 22:29
Árbitro
Árbitro
Árbitro
Árbitro
Árbitro
Árbitro
Árbitro
Árbitro
Árbitro

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) criticou hoje a proposta de alteração legislativa que visa passar para a Federação (FPF) a competência de elaborar os regulamentos de arbitragem e disciplina, classificando-a como uma "tentativa de golpe".

Em comunicado, a Liga classifica a proposta de alteração legislativa como "tentativa de golpe na autorregulação das sociedades desportivas", considerando que o processo foi gerido de "forma encapotada", o que "põe em causa o edifício do futebol profissional, assim como a gestão e credibilidade das sociedades desportivas que representa".

Em causa está a proposta de alteração ao projeto de lei n.º 507/XIII/2.ª, a que a agência Lusa teve hoje acesso, que incide sobre o artigo 24.º da Lei de Bases da Atividade Física e do Desporto, e sobre o Decreto-Lei n.º 248-B/2008, alterado pelo Decreto-Lei n.º 93/2014, e significaria que a LPFP deixaria de elaborar e aprovar os regulamentos de arbitragem e disciplina das I e II ligas.

Segundo o documento, que será votado na quinta-feira, a elaboração e aprovação "dos regulamentos de arbitragem e disciplina das competições desportivas profissionais" passariam para a alçada da "direção da federação desportiva na qual a liga profissional se insere", ao contrário do que é vigente até agora, em que a formulação e aprovação dos documentos cabe à Liga, que depois os "submete a ratificação pela assembleia-geral da federação no seio da qual se insere".

A proposta altera ainda vários outros pontos direcionados com a integridade e transparência das sociedades desportivas e das competições.

Segundo o comunicado hoje divulgado pela Liga, o organismo marcou presença numa audiência concedida ao Grupo de Trabalho Desporto da Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto da assembleia, na qual não tinha tido conhecimento das alterações, criticando a comissão por não ter "tido o elementar cuidado de abrir nova ronda de audição das entidades".

"Esta alteração não tem sequer, como preocupação ulterior, a defesa da transparência e integridade das competições desportivas", considerou o organismo, que considera que a "verdadeira intenção" é "uma regulamentação 'à medida'" que levará a "um retrocesso de décadas", tendo como objetivo "confiscar às sociedades desportivas profissionais a capacidade de se auto-regularem, no que diz respeito à elaboração dos regulamentos de disciplina e de arbitragem", naquilo que avaliam como "a emissão de um atestado de incompetência" às sociedades desportivas que compõem a LPFP.

A Liga e as sociedades desportivas "repudiam veementemente a proposta", acrescentando que as alterações propostas revelam "leviandade" e "revelador de infantilidade".

O documento do órgão liderado por Pedro Proença acusa ainda a proposta de ser "inconstitucional" e "bem reveladora da assinalada agenda obscura", lamentando "que o grupo parlamentar do PSD tente enxertar um documento de transparência e integridade o esvaziamento da capacidade do futebol profissional se auto-regular".

A Liga vai mais longe e diz que a proposta "mais não representa que o fim do futebol profissional em Portugal" e apela "ao bom senso" dos outros partidos e do Governo, adiantando ainda que organismo e clubes vão "lutar até ao limite para que os direitos que adquiriram por lei não lhes sejam retirados de forma encapotada".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)