Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
5

Matreirice ajuda muito

O Farense manteve um registo 100% vitorioso fora de portas mas a turma da capital algarvia passou por sobressaltos em Alvor (3-2), valendo-se de alguma dose de fortuna (os locais desperdiçaram uma grande penalidade e cometeram erros defensivos fatais) para regressar a casa com três preciosos pontos na bagagem.
28 de Janeiro de 2008 às 00:30
Num jogo muito agradável – bem melhor do que muitos dos campeonatos profissionais –, o Alvorense marcou cedo, com Chiquinho a aproveitar uma série de ressaltos, mas o Farense depressa empatou, na cobrança de um livre (a bola, rematada por Brasa, ainda sofreu um desvio num defensor contrário).
Os forasteiros assumiram, então, algum ascendente e Brasa, na cobrança directa de um canto, fez a bola bater na barra. Num contra-ataque, porém, Chiquinho foi derrubado por Wilson e o árbitro assinalou prontamente (e bem) a marca da grande penalidade. Américo, chamado a marcar, permitiu a defesa de Costa.
Daí até ao final do primeiro tempo o equilíbrio foi notório mas Bruno fez a diferença: recebeu a bola de costas para a baliza, rodou e disparou com violência, num dos melhores momentos da tarde.
No segundo tempo o ritmo do jogo baixou, muito por culpa do Farense, interessado em segurar a vantagem. Num lance de bola parada, Bruno saltou à vontade (falha clara na marcação) e fez o 1-3, mas o jogo não acabou aí, pois o Alvorense reduziu, num belo lance – toque de Mário José para o remate colocado de Adriano.
Até ao final, a matreirice da experiente equipa do Farense susteve o entusiasmo dos locais.
Num jogo vivo e muito disputado, o árbitro rubricou um trabalho muito positivo.
Ver comentários