Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

Novidade no destino final

Vaias em Guimarães e a história do costume no Estádio da Luz.
7 de Julho de 2012 às 15:00
A competição entre factos
A competição entre factos

Bola a sério ainda não há. Agora bola com aqueles condimentos apimentados que fazem da temporada oficial de futebol um maná de conflitos e de crispações regionais e nacionais já há e já rola em todo o seu esplendor. Comecemos por Guimarães, o berço da nacionalidade.

Foi lá que se ouviram com grande veemência as primeiras vaias do ano no arranque dos trabalhos da equipa vimaranense. É obra. A vítima não foi nenhum árbitro nem nenhum dirigente. Foi um jogador da casa, acabadinho de chegar de férias, e contemplado com insultos entre outras manifestações de protesto assim que pousou o pé no relvado.

Trata-se do guarda-redes brasileiro Nilson, um histórico da baliza do Vitória, que, por chalaças do destino, se encontra em maus termos com a direcção do clube e com os adeptos. Com mais um ano de contrato, foi sugerido a Nilson que procurasse outro clube para prosseguir a carreira, coisa que, aparentemente, Nilson não se deu ao trabalho de fazer porque, na verdade, lá estava ele junto com os seus companheiros na apresentação da equipa o que muito desesperou os mirones. "Vai-te embora, só queres é dinheiro!", gritaram-lhe entre outros mimos. E assim se deu por inaugurada a época oficial dos dislates futebolísticos em território nacional.

Entre os grandes rivais, a coisa ainda só ferve em lume brando. O Benfica e o Sporting estão em guerra surda pela contratação de um defesa argentino chamado Rojo, cuja coloração do nome mais o apontava para o Benfica, ainda que o Sporting, fazendo fé na imprensa, esteja mais perto de seduzir com a sua oferta o clube de origem do dito jogador.

Esta situação, a verificar-se, não pode nem deve causar grande mossa no gabinete de prospecção e contratação sediado no Estádio da Luz. Estão mais do que habituados os responsáveis benfiquistas a viver situações semelhantes pelo que tudo vai ficar igual e na mesma no referido gabinete. Normalmente é para o FC Porto que o Benfica costuma perder, ano a ano, os excelentes jogadores que referencia, publicita e vê reforçar a equipa arqui-rival que mora no Dragão. Se Rojo acabar em Alvalade estaremos apenas perante a novidade no destino final de mais um jogador que esteve quase-quase na Luz. E o que é isso para nós?

ERRAR É HUMANO

Árbitro com valor acrescentado

 

"Prejudiquei tantos clubes, porque razão só falam do Benfica?", protestou a meio da semana o nosso melhor árbitro da actualidade, Pedro Proença. É uma frase curiosa e reveladora de uma humildade que, por norma, não é o apanágio da personalidade pública de Proença, o único português que conseguiu chegar à final do último Europeu de futebol e que, por essa justíssima razão, tem recebido grande atenção dos jornais e das televisões. Este momento de popularidade, com o valor acrescentado do orgulho patriótico que o feito de Proença despertou, não parece incomodar minimamente o árbitro nascido e talhado para o galarim.

Assumir, numa hora de consagração internacional, que os árbitros erram e que ele próprio, tão humano quanto os outros e apenas mais bem penteado do que os demais, erra também e para todos os lados, é uma assunção de humildade que só lhe fica bem. A questão com o Benfica é de outra natureza. É puro azar. Proença foi chamado a dirigir o jogo do título na temporada passada e de um erro do seu fiscal-de-linha nasceu o golo irregular que lançou o FC Porto para a vitória na prova mais importante do calendário nacional. Foi só isto. Coisa pouca. E para o ano há mais. Umas boas férias é o que todos os desportistas desejam a Pedro Proença.


POSITIVO

Nuno imortal

Aos 36 anos, Nuno Gomes assinou um contrato com o Blackburn Rovers e vai, em fim de carreira, experimentar as delícias do futebol inglês onde, segundo o avançado, não se olha para o bilhete de identidade.

Veloso a Leste

Miguel Veloso fez um Europeu com muita qualidade e, naturalmente, deu que falar, valorizou-se. Depois de dois anos em Génova vai agora cumprir um contrato de 4 anos com o Dínamo de Kiev.

Liedson campeão

O Corinthians conquistou a primeira Taça Libertadores da sua carreira batendo na final, a duas mãos, o Boca Juniors. No jogo decisivo, Liedson entrou na segunda parte e festejou o sucesso em campo.

PÉROLA

"Foi apenas uma frase grosseira."

Juiz Jorge Guedes, Tribunal da Covilhã

Caso encerrado. O ex-seleccionador nacional Carlos Queiroz escapou de ter de se defender em Tribunal da acusação de difamação agravada. O caso remontava a 2010 quando, no estágio da selecção antes do Mundial, o responsável pelo combate ao doping em Portugal, Luís Horta, foi recebido de modo pouco afável.

Leonor Pinhão Nilson
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)