Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

“O Benfica nunca jogou nem vai jogar para o empate”

Jorge Jesus, treinador do Benfica,diz que só pensa na vitória diante do Rio Ave, pede um estádio cheio e um ambiente temível para com o adversário, desvaloriza as ausências de Fábio Coentrão, Di María e Javi García e acredita na conquista do título.
8 de Maio de 2010 às 20:29
Jorge Jesus
Jorge Jesus FOTO: Vítor Mota

– Vai jogar com o Rio Ave pela terceira vez esta época mas desta feita numa partida que pode dar o título. Sente os jogadores ansiosos?

Jorge Jesus – Temos tido alguma atenção à ansiedade, mas essa atenção não é de agora, tem existido ao longo de toda a época. O Benfica joga sempre para ganhar e essa pressão também está presente no último jogo.

– Quando foi apresentado na Luz como sucessor de Quique Flores (17 de Junho) disse que os jogadores do Benfica iriam jogar o dobro. Pensa que conseguiu?

– Estamos próximos de atingir esses objectivos, mas só vão ser cumpridos se ganharmos ao Rio Ave. Eu sempre pensei em fazer os jogadores do Benfica renderem mais, porque só assim era possível ser campeão. Vamos estar seguros que amanhã [hoje] teremos de fazer um jogo com qualidade.

– O que mais teme no Rio Ave?

–  O Rio Ave é muito forte no contra golpe e já não sofre golos há três jogos, por isso vamos ter de jogar de forma  inteligente para facilitar a nossa missão.

– Admite jogar para o empate [Benfica só precisa de 1 ponto para conquistar o título] ?

–  Benfica nunca jogou para o empate, aliás, isso nem passa pela minha filosofia de jogo, nem pelo pensamento dos jogadores. Vamos jogar no risco, como temos feito sempre, um risco calculado nas várias fases de jogo, para conseguirmos a vitória. Jogamos sempre para ganhar e no último jogo não vai ser diferente.

– Acredita que o Rio Ave poderá fazer muitas alterações para o jogo da Luz?

– Não tenho essa certeza, mas isso não será uma vantagem. Nós vamos jogar com o que trabalhámos durante a semana, não nos preocupamos com os adversários.

– Espera um Estádio da Luz entusiasta no apoio à equipa?

– É muito importante que o estádio esteja esgotado não só com a presença de 65 mil pessoas, mas que todos entrem no jogo, que haja um clima de grande pressão sobre o adversário, desconcentrá-lo com os assobios. Queremos um clima à Benfica como antigamente. Os ambientes na Luz eram temíveis e, amanhã [hoje], mais que nunca, os adeptos têm de ser fervorosos, apaixonados e mostrarem que estão sempre com a equipa. É importante que não transmitam intranquilidade à equipa e que apoiem sempre, mesmo nas jogadas em que estejamos menos bem.

– Preocupa-o as ausências de Fábio Coentrão, Di maría e Javi García (todos castigados) ?

– Tanto o Fábio Coentrão como o Di María e o Javi Garcia são jogadores com uma grande intensidade de jogo, mas também já houve jogos em que eles não jogaram e nós ganhámos.

– Terá de mexer forçosamente na estrutura da equipa devido às já referidas ausências. Já sabe quem irá jogar?

– Neste momento o que conta são os jogadores que vão entrar em campo e os que forem lançados vão, com certeza, mostrar que uma equipa não é feita apenas de 11 jogadores, mas sim da qualidade do seu plantel. Ainda não decidi se haverá alguma modificação posicional e táctica. Vou pensar, até amanhã [hoje], no melhor para a equipa e nas opções que poderão facilitar a nossa vitória.

Ver comentários