Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
9

O FANTÁSTICO MUNDO DOS TREINADORES VIRTUAIS

No passado mês de Novembro surgiu o tão esperado ‘Football Manager 2005’. Milhares de seguidores dos jogos de estratégia de futebol já testaram o novo jogo. O CM falou com José Chieira, responsável pela pesquisa em Portugal, sobre este fenómeno de popularidade
4 de Dezembro de 2004 às 00:00
Qualquer bom ‘treinador de teclado’ que se preze, sabe quem é José Guilherme Chieira, não não pelas funções que desempenha na Académica de Coimbra, enquanto director do Gabinete de Prospecção, mas sim pelo trabalho efectuado como responsável pela equipa de pesquisa portuguesa da Sports Interactive no desenvolvimento da série de jogos ‘Championship Manager’ e, mais recentemente, do novo título da empresa britânica, o ‘Football Manager 2005’ (’FM 2005’).
Liderando uma equipa de aproximadamente 60 colaboradores, Zé Chieira é o responsável pela observação, recolha e envio de todos os dados relativos ao futebol português, desde a SuperLiga até aos distritais. “O jogo tem uma base de dados composta por mais de 250 mil nomes de jogadores, técnicos, olheiros, fisioterapeutas de mais de 180 países. Cada país tem uma base de dados pela qual é responsável um coordenador de pesquisa. Este elemento tem por função coordenar os demais ‘olheiros’ que fornecem os dados para tornar o jogo o mais real possível”, explica ao CM.
Mas uma questão que muitas vezes fica sem resposta é, se a avaliação é feita por ‘adeptos’, como pode ser um trabalho isento?
“Nunca haverá uma avalição consensual sobre um mesmo jogador. O futebol é assim na vida real e isto reflecte-se no trabalho de pesquisa que efectuamos. Pede-se por isso, aos colaboradores que não tenham apenas um bom conhecimento táctico sobre o futebol, mas que estejam bem informados sobre a realidade do clube/jogador/’staff’ que vão observar. A avaliação é feita segundo uma escala e critérios muito bem definidos, em termos físicos, tácticos e psicológicos”.
A lista de candidatos a um ‘cargo’ de colaborador diz bem do fenómeno que é um jogo como o ‘FM2005’. “Recebemos diariamente cerca de 15/20 ‘e-mails’ de pessoas que pretendem colaborar connosco. É óbvio que a escolha terá sempre de recair sobre uma pessoa que além de ter um bom conhecimento de futebol, não se mostra demasiado clubista ou bairrista. Os colaboradores devem saber enquadrar a sua avaliação de acordo com a escala e a realidade do país/Liga onde se encontram”, adianta Chieira, antes de explicar.
“Se olhamos para o Barcelona e damos 20 valores ao Ronaldinho no aspecto técnico, não podemos dar 20 valores a um jogador que actua numa equipa de um escalão inferior. Este jogador até pode conseguir fintas vistosas, mas não se pode comparar o nível de futebol praticado na Liga Espanhola com a II Divisão B. Temos sempre o cuidado de explicar isso aos nossos colaboradores”, assegura.
PRIORIDADE AO REALISMO
É por isso que entre a equipa de olheiros portugueses do jogo dá-se muita importância ao trabalho efectuado nos escalões mais pequenos, nomeadamente da II B para baixo. “Em regra geral é um meio mais fácil de se movimentar. Nos clubes de menor projecção é fundamental contarmos com indivíduos locais que, em muitos casos, conhecem as pessoas sobre as quais informam. Por exemplo, para mim é mais importante saber a idade exacta e o nome completo de um jogador da II B, porque são estas informações que conferem maior realismo ao jogo”, explica.
O certo é que enquanto as centenas de milhares de ‘treinadores de teclado’ começam agora a descobrir o ‘FM 2005’, a equipa de pesquisa está já a trabalhar na próxima versão do jogo. “Eu próprio disponho de pouco tempo para jogar. Trabalhar no gabinete de prospecção da Académica permite assistir em média a 6/8 jogos por fim-de-semana, o que ao final de uma época representa um número incrível de jogos em todos os escalões. E porque há sempre algo que não está exactamente como deveria ter saído, porque o futebol é algo em constante mudança, estamos constantemente a actualizar dados para as próximas versões do jogo”, concluiu.
LÍDER DE VENDAS
Apenas cinco dias após ter sido colocado à venda em Portugal, o ‘Football Manager’ já havia alcançado a liderança dos jogos de computadores mais vendidos. Aliás, este fenómeno repetiu.se ainda na Noruega, Suécia, Dinamarca, França, Itália, Reino Unido e Grécia, o novo título da Sports Interactive liderou as vendas naquele segmento de mercado. O jogo assume-se assim como um feroz concorrente do ‘Championship Manager 5’ (com data prevista de lançamento para Janeiro de 2005), última versão de um jogo cujo domínio avassalador ficou, curiosamente, a dever-se em grande parte aos membros da SI. Entretanto, a empresa britãnica abandonou a Eidos e ligou-se à Sega para abraçar o projecto FM 2005. Outro título que também se encontra à venda no mercado é o ‘Total Club Manager 2005’, da EA Sports. No entanto, nem mesmo o facto de ter por ilustração de capa o técnico campeão europeu, José Mourinho, chega para convencer os técnicos do teclado.
DESAFIOR AMBICIOSOS PARA TODOS OS GOSTOS
O ‘Football Manager 2005’ é um jogo de estratégia de futebol, na qual o jogador assume o papel de um treinador. Simples? Não é assim tão linear. “O jogo tem um nome novo, mas tem uma história e é desenvolvido pelas mesmas pessoas que começaram, há 10 anos, a série ‘Championship Manager’. Hoje, o jogo assumiu dimensões impensáveis, atingindo um estatuto universal”, explica José Chieira, garantindo ainda ser um desafio constante para qualquer aspirante a treinador. “Alguns jogadores gostam de assumir o comando de uma equipa de topo, na qual dispõem de muito dinheiro para grandes contratações e tentam ganhar tudo o que há para ganhar. Outros, optam por ir às mais baixas ligas do jogo, como a ‘Conference League’ inglesa, procurando alcançar o sucesso com equipas de poucos recursos. Para aqueles que pensam que treinar uma grande equipa é fácil, não se esqueçam que nestes clubes a gestão de egos e as exigências dos adeptos e da direcção são bem maiores”, explica.
PERFIL
Nome: José Guilherme Chieira
Idade: 31 anos (04/07/1973)
Formado em Economia (Univ. Católica/Lisboa) e com uma especialização em Gestão do Desporto Profissional (ISEG/Lisboa), José Chieira é director de prospecção da Académica de Coimbra (dos seniores às escolinhas). Há 10 anos que colabora com a Sports Interactive e desempenha actualmente as funções de director de pesquisa e prospecção em Portugal. Entre os 18 e os 27 anos foi praticante, treinador e dirigente de futebol universitário, tendo ainda praticado basquetebol, enquanto federado, no Olivais Futebol Clube-Coimbra (dos 10 aos 17 anos).
FM 2055 EM IMAGENS
Todos os jogadores, técnicos e demais elementos são rigorosamente avaliados neste jogo. Os criadores do ‘FM 2005’ incluíram até um pequeno relvado virtual para que os utilizadores possam vizualizar os jogos. Para ter sucesso neste jogo é preciso dar atenção a todos os aspectos, desde o treino até às relações com a Comunicação Social e aos empresários dos jogadores. O resultado é um viciante e tentador desafio.
CURIOSIDADES
MOTIVO PARA DIVÓRCIO
Entre os mais ferrenhos adeptos dos jogos de 'football management', alguns houve que levassem o vício tão longe que acabaram por ter graves problemas nos seus lares, com alguns episódios deveras caricatos. Em Inglaterra, já foram noticiados três casos de divórcio, sempre com base na mesma justificação: ele passa demasiado tempo à frente do PC a jogar 'Championship Manager' (CM). Em Portugal também deu-se uma situação idêntica, com uma esposa indignada a abandonar o marido por este dedicar mais tempo ao jogo do que às suas obrigações conjugais.
UM PASSO À FRENTE
Saviola, Freddy Adu, Carlos Tevez e D'Alessandro são nomes mundialmente reconhecidos. No entanto, para muitos adeptos dos jogos de estratégia de futebol, estes atletas já são conhecidos de longa data. "As promessas que a Imprensa descobre são, em regra geral, futebolistas que os utilizadores do CM já utilizam há muito nos seus plantéis. Isto mostra bem a qualidade dos nossos observadores, porque sei, por experiência própria, que não é fácil antecipar o talento de um atleta de 14/15 anos e ter a certeza que aos 18/19 esse talento será uma confirmação", afirma José Chieira.
MAIS DE 2500 OLHEIROS
O 'FM 2005' reúne dados sobre jogadores, técnicos, estádios, árbitros de 51 países. Para tal, a SI conta com um verdadeiro mini-exército de olheiros para garantir a recolha de uma informação a mais fidedigna possível. São mais de 2500 em todo o Mundo que trabalham gratuitamente. Aliás, José Chieira garante que outra solução seria pouco viável: "Não podemos remunerar os colaboradores. Se o fizéssemos com um teríamos que fazé-lo copm todos os colaboradores. Como compensação, oferecemos aos colaboradores uma cópia do jogo antes deste ser comercializado".
O CASO 'TÓ MADEIRA'
Nem sempre os colaboradores de José Chieira agem da forma mais correcta e os adeptos do Championship Manager foram enganados no famoso caso 'Tó Madeira'. "O Tó Madeira era, na verdade, um colaborador chamado António Lopes, que informava sobre o Gouveia. Ele tinha representado o clube nas camadas jovens, mas parou de jogar quando veio estudar para Coimbra. Como tinha trabalhado connosco, teve direito de editar os dados do Gouveia, mas acabou por tentar prolongar a sua carreira no próprio jogo, incluindo-se na equipa com notas dignas de um jogador de topo", conta Chieira.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)