Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
8

Olé Portugal os campeões somos nós (COM FOTOGALERIA)

Com cinco meses de atraso e ao som de olés, Portugal realizou ontem uma exibição exuberante, de intensidade, agressividade competitiva e talento, muito talento, com realce para os golos de Ronaldo e Postiga, ainda que só os do leão tenham contado.
18 de Novembro de 2010 às 00:30
Mesmo no final da primeira parte foi Carlos Martins a inaugurar o marcador com um potente remate
Cristiano Ronaldo fez um bailinho madeirense frente a Sergio Ramos, mas alegado fora de jogo de Nani estragou um grande golo
Vicente del Bosque teve uma noite de pesadelo na Luz, vendo a Espanha sofrer quatro golos
Paulo Bento deixou Cristiano Ronaldo no banco ao intervalo mas ainda viu a sua equipa marcar mais três golos
Hugo Almeida entrou para o lugar de Postiga, que tinha marcado dois golos, ainda a tempo de fazer o 4-0
João Pereira, João Moutinho e Helder Postiga festejam jogada de entendimento que permitiu ao avançado marcar de calcanhar
Antony Gautier não ligou aos protestos dos espanhóis mas anulou um golo limpo a Portugal
No início tudo eram brincadeiras entre os capitães de Portugal e Espanha, Cristiano Ronaldo e Iker Casillas
Dimensão da derrota perturbou os jogadores da selecção que venceu Portugal na África do Sul
Pepe e Paulo Machado festejam o golo de Hugo Almeida, mesmo antes do apito final
Novamente titular, o avançado sportinguista Helder Postiga testou reflexos de Casillas
Duelo entre Busquets e Ronaldo foi marcado pela dureza. Ambos viram o cartão amarelo
Espectadores presentes no Estádio da Luz vibraram com o golo do jogador do Benfica
Iker Casillas, capitão da selecção portuguesa, ficou desolado com os quatro golos que sofreu
Mesmo no final da primeira parte foi Carlos Martins a inaugurar o marcador com um potente remate
Cristiano Ronaldo fez um bailinho madeirense frente a Sergio Ramos, mas alegado fora de jogo de Nani estragou um grande golo
Vicente del Bosque teve uma noite de pesadelo na Luz, vendo a Espanha sofrer quatro golos
Paulo Bento deixou Cristiano Ronaldo no banco ao intervalo mas ainda viu a sua equipa marcar mais três golos
Hugo Almeida entrou para o lugar de Postiga, que tinha marcado dois golos, ainda a tempo de fazer o 4-0
João Pereira, João Moutinho e Helder Postiga festejam jogada de entendimento que permitiu ao avançado marcar de calcanhar
Antony Gautier não ligou aos protestos dos espanhóis mas anulou um golo limpo a Portugal
No início tudo eram brincadeiras entre os capitães de Portugal e Espanha, Cristiano Ronaldo e Iker Casillas
Dimensão da derrota perturbou os jogadores da selecção que venceu Portugal na África do Sul
Pepe e Paulo Machado festejam o golo de Hugo Almeida, mesmo antes do apito final
Novamente titular, o avançado sportinguista Helder Postiga testou reflexos de Casillas
Duelo entre Busquets e Ronaldo foi marcado pela dureza. Ambos viram o cartão amarelo
Espectadores presentes no Estádio da Luz vibraram com o golo do jogador do Benfica
Iker Casillas, capitão da selecção portuguesa, ficou desolado com os quatro golos que sofreu
Mesmo no final da primeira parte foi Carlos Martins a inaugurar o marcador com um potente remate
Cristiano Ronaldo fez um bailinho madeirense frente a Sergio Ramos, mas alegado fora de jogo de Nani estragou um grande golo
Vicente del Bosque teve uma noite de pesadelo na Luz, vendo a Espanha sofrer quatro golos
Paulo Bento deixou Cristiano Ronaldo no banco ao intervalo mas ainda viu a sua equipa marcar mais três golos
Hugo Almeida entrou para o lugar de Postiga, que tinha marcado dois golos, ainda a tempo de fazer o 4-0
João Pereira, João Moutinho e Helder Postiga festejam jogada de entendimento que permitiu ao avançado marcar de calcanhar
Antony Gautier não ligou aos protestos dos espanhóis mas anulou um golo limpo a Portugal
No início tudo eram brincadeiras entre os capitães de Portugal e Espanha, Cristiano Ronaldo e Iker Casillas
Dimensão da derrota perturbou os jogadores da selecção que venceu Portugal na África do Sul
Pepe e Paulo Machado festejam o golo de Hugo Almeida, mesmo antes do apito final
Novamente titular, o avançado sportinguista Helder Postiga testou reflexos de Casillas
Duelo entre Busquets e Ronaldo foi marcado pela dureza. Ambos viram o cartão amarelo
Espectadores presentes no Estádio da Luz vibraram com o golo do jogador do Benfica
Iker Casillas, capitão da selecção portuguesa, ficou desolado com os quatro golos que sofreu

Derrotando os temíveis campeões do Mundo por 4-0, a Selecção saiu, em definitivo, das trevas em que esteve mergulhada nos últimos dois anos.

Em noite de festa ibérica para Mundo ver, a Selecção contribuiu com uma primeira parte de altíssimo nível, emperrando a máquina trituradora espanhola, embora à custa de alguma perda de criatividade no meio-campo. Com este modelo e sem um comando na intermédia, Paulo Bento opta pelo ataque rápido, restringindo até os espaços de intervenção de Ronaldo e Nani, sem autorização para saírem dos flancos. Desde o primeiro minuto, quando o aniversariante Nani obrigou Casillas à primeira de uma série de excelentes defesas, até ao 45º, quando Carlos Martins inaugurou a contagem, com uma recarga fulminante a nova intervenção do guardião espanhol a remate cruzado de Ronaldo, foi muito curto o período em que Portugal não controlou as operações.

À meia hora, ainda Silva desperdiçou uma boa ocasião frente a frente com Eduardo, mas a Selecção respondeu com duas jogadas excepcionais: primeiro, o árbitro invalidou uma obra-prima de Ronaldo e depois foi Piqué, sobre a linha, a desviar o remate de Martins.

O segundo tempo começou com um golo fabuloso do renascido Hélder Postiga, de calcanhar, a passe de João Moutinho, e com uma perdida infantil de Nani. O fulminante contra-ataque português aproveitava o adiantamento da Espanha à procura de um golo e, depois das substituições, chegou o terceiro, novamente oferecido por Moutinho a Postiga. O jogo acabou em apoteose com o golo de Hugo Almeida, em novo contra--ataque lançado por Pepe. Olé Portugal! Foi a maior vitória lusa sobre os espanhóis, depois do 4-1, em 1947.

PORTUGAL EM 8.º E ESPANHA LIDERA

A selecção nacional manteve o oitavo lugar no ranking FIFA, com 1102 pontos. A campeã mundial e europeia, Espanha, lidera a tabela com 1920 pontos, seguida por Holanda (1718), Brasil (1493), Alemanha (1489) e Argentina (1353).

"ESTA VITÓRIA VALE PRESTÍGIO"

"Não há milagres. Temos muito pouco tempo para trabalhar e o que nos vale é a qualidade e entrega dos jogadores e que nos levaram a ganhar. Esta vitória vale prestígio, porque foi contra uma grande equipa. Era impensável ganhar por estes números. Espero que este élan se mantenha", disse Paulo Bento.

RONALDO MERECIA AQUELE GOLO

EDUARDO – Pareceu nervoso de início, mas recompôs-se.

JOÃO PEREIRA – À boleia de Nani, jogou com olhos postos no ataque sem perder de vista os adversários que tinha de defender.

RICARDO CARVALHO – Autoridade máxima no eixo. Sempre com elegância e tranquilidade.

BRUNO ALVES – O complemento ideal de Carvalho. Seguro e rijo, como um central deve ser.

BOSINGWA – Disfarçou alguma falta de ritmo com experiência e sentido posicional.

RAUL MEIRELES – Tampão eficaz à frente da defesa. Grande disponibilidade para várias tarefas.

JOÃO MOUTINHO – Trabalho de formiga na oposição ao futebol ‘tiki-taka’ dos espanhóis.

CARLOS MARTINS – Um golo aos campeões do Mundo (remate oportuno e seco) é façanha para figurar num álbum de recordações.

NANI – Arrastou a equipa para uma exibição empolgante. Mas a desconcentração no lance de génio de Ronaldo foi uma nódoa negra em noite inspirada.

H. POSTIGA – Noite para não mais esquecer. Dois golos à Espanha, um de calcanhar. Ganhou o lugar.

RUI PATRÍCIO – Melhor estreia na Selecção nem a pedido. Tranquilo.

PEPE – Onde Carvalho foi elegante, Pepe foi eficaz.

DANNY – Rendeu Ronaldo e manteve a equipa esticada.

MAN. FERNANDES – Músculo e ar fresco que toda a equipa agradeceu.

HUGO ALMEIDA – Um golo a fechar o jogo com chave de ouro.

PAULO MACHADO – Breves minutos para uma estreia absoluta.

CRISTIANO RONALDO – Magistral. Assinou um lance de antologia que ficará para a história como um dos seus melhores golos... que não foi. Por culpa de um auxiliar míope e de um Nani precipitado. Voltou a ser genial no golo de Martins.

FICHA DO JOGO

Jogo preparação - 17/11/2010

Estádio Luz - Assistência: 30000

Golos: 1-0 Carlos Martins (45’), 2-0 Postiga (49’), 3-0 Postiga (68’), 4-0 Hugo Almeida (90 3’)

PORTUGAL

Eduardo (Rui Patrício 55’), João Pereira, Ricardo Carvalho (Pepe 46’), Bruno Alves, Bosingwa, Raul Meireles, João Moutinho, Carlos Martins (M.Fernandes 62’), Nani (P. Machado 75’), Cristiano Ronaldo (Danny 46’), Hélder Postiga (H. Almeida 75’).

Treinador: Paulo Bento

ESPANHA

Casillas, Sérgio Ramos, Puyol (Arbeloa 72’), Piqué (Marchena 46’), Capdevilla, Busquets, Xabi Alonso (Llorente 57’), Xavi (Fàbregas 46’), David Silva 5, Iniesta (Cazorla 57’), David Villa (Torres 46’).

Treinador: Vicente del Bosque

Árbitro: Antony Gautier (França)

Disciplina: amarelos: Busquets (8’), Ronaldo (9’), Fàbregas (72’)

Classificação do jogo: 8

PORTUGAL ESPANHA SELECÇÃO RONALDO CRISTIANO RONALDO PAULO BENTO POSTIGA GOLEADA CARLOS MARTINS HUGO ALMEIDA
Ver comentários