Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
3

...OU VAI OU RACHA SR. CAMPEÃO EUROPEU

O jogo da época chega muito cedo para o FC Porto. Dentro de três dias, no estádio do Dragão, o campeão europeu em título recebe o Paris SG e só tem três hipóteses de evitar a eliminação prematura da Liga dos Campeões: ganhar, ganhar e ganhar.
30 de Outubro de 2004 às 00:00
...OU VAI OU RACHA SR. CAMPEÃO EUROPEU
...OU VAI OU RACHA SR. CAMPEÃO EUROPEU
Outro resultado constituirá praticamente uma sentença de morte nas aspirações europeias do Porto e um duríssimo revés para o treinador Víctor Fernández e para o presidente Pinto da Costa.
O FC Porto investiu uma verdadeira fortuna em reforços na sequência do encaixe milionário proporcionado pela venda de um “pacote” de jogadores ao Chelsea, acrescida de Deco (Barcelona) e Pedro Mendes (Tottenham), e a verdade é que, até ao momento, os resultados são tudo menos famosos: a equipa perdeu a Supertaça europeia, foi eliminada da Taça de Portugal logo na 1.ª ronda e segue no 2.º lugar da Superliga. O único resultado realmente digno de registo foi a vitória na Luz (1-0) e mesmo esse foi alcançado da maneira que se sabe. O sub-rendimento do campeão europeu está perfeitamente expresso no balanço dos 13 jogos oficiais disputados: 5 vitórias, 4 empates e 4 derrotas, um registo impensável na era Mourinho. Mais preocupante ainda, o campeão não conseguiu derrotar nenhum dos quatro adversários europeus (Valência, CSKA, Chelsea e PSG) após conquistar brilhantemente, nas duas ultimas épocas, a Taça UEFA e a Champions.
O investimento inédito (em termos domésticos) feito pelo FC Porto no defeso visava acima de tudo, como é evidente, uma boa participação na Liga dos Campeões. Porque essa é a competição que oferece prémios e receitas milionárias, porque essa é a competição onde os Diegos, os Carlos Albertos e os Fabianos desta vida se valorizam a sério. Sem essas receitas, nada feito.
A situação actual do FC Porto na ‘Champions’ é muito delicada (um ponto em 3 jogos, contra, 9 do líder Chelsea, 4 do CSKA e 3 do Paris SG) ao ponto de estar em risco a participação na Taça UEFA – leia-se 3.º lugar final no grupo. Ainda para mais, o Chelsea de Mourinho ameaça garantir já na terça-feira a qualificação para a fase seguinte, o que não deixa de ser constrangedor para Fernández e para a direcção portista. A massa adepta dos ‘dragões’ não anda satisfeita e a tentação para as comparações cresce à medida que se afundam as expectativas criadas no início da época. O reverso da medalha é o seguinte: se há equipa lusa capaz de reagir às derrotas e às crises anunciadas, essa é a do FC Porto. E também vai sendo tempo de o campeão europeu puxar dos galões. Vai sendo tempo.
FC Porto-PSG, 3.ª-feira, directo RTP1/Sport TV, 19h45
SEMANADA AZUL
No espaço de quatro dias, o Chelsea reduziu para dois pontos a diferença do líder Arsenal e seguiu em frente na Taça da Liga; hoje joga no terreno do West Bromich Albion antes de viajar a Moscovo, onde tentará, terça-feira, diante do CSKA, garantir a qualificação automática para a fase seguinte da Liga dos Campeões. Uma semana particularmente exigente que pode acabar em beleza para Mourinho– pois se os azuis até já goleiam na Premier....
WBA-Chelsea, hoje, directo Sport TV, 15h00
O CRÉDITO DE RIJKAARD
O Barcelona caiu na Taça do Rei aos pés de um “pequenito” uma semana depois de ter caído injustamente em S.Siro perante o Milan. Sempre por 1-0. De permeio, aumentou para 5 pontos o avanço na Liga. O sinal de alarme já soou – duas derrotas em três jogos significam alguma coisa – e vamos ver o que faz hoje o Barça em Bilbau (difícil, difícil) antes do tira-teimas com o Milan na quarta-feira. Para já, o ‘dream team’ de Rijkaard mantém o crédito.
At. Bilbau-Barcelona, hoje, diferido, 00h30
SAMBA ASSIM É BEM-VINDO
A confirmar-se a vinda de Robinho para o Benfica em Janeiro, essa é uma boa notícia para a SuperLiga. Robinho, 20 anos, tem pinta de grande jogador, é uma das maiores promessas do Brasil e parece destinado a vingar no ‘escrete’. A vinda de Robinho, há muito referenciado no mercado internacional (o PSV bem tentou...), também é boa para a visibilidade e credibilidade internacional da SuperLiga.
Assim como o FC Porto era o clube onde jogava Deco e onde jogam agora Carlos Alberto, Diego e Fabiano, também o Benfica pode vir a ser o clube onde jogam Luisão e Robinho. Se acrescentarmos a este quinteto dois excelentes brasileiros do Sporting – Rochemback e Liedson – temos de convir que a imagem da Superliga só tem a ganhar. Há pouco mais de dez anos o campeonato luso importava brasileiros da estirpe de Mozer, Aldair, Ricardo Gomes, Valdo, Geraldão, Aloísio, Branco, Luisinho, Douglas e Silas. Depois, com a notória excepção de Jardel, o nível das importações brasileiras caiu a pique. Parece que há uma nove ponte aérea em marcha e ainda bem. Samba assim é sempre bem-vindo.
Ver comentários