Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
4

"Paulo Bento faz falta ao Sporting"

Ex-avançado leonino diz que é difícil a um treinador pegar numa equipa que não foi construída por ele. Mas frisa que Carlos Carvalhal está a fazer o que pode.
27 de Fevereiro de 2010 às 00:00
Derlei, antigo jogador de FC Porto e Sporting
Derlei, antigo jogador de FC Porto e Sporting FOTO: Pedro Ferreira/Record

Correio Sport – Amanhã há clássico em Alvalade entre Sporting e FC Porto. Quem é o favorito?

Derlei - Se formos pelo contexto, pela classificação e por tudo aquilo que as equipas têm apresentado, o FC Porto leva vantagem. Mas o Sporting, quando joga em casa, é difícil. E num clássico conta pouco essa condição de estar melhor do que o adversário. É um jogo de 50 por cento para cada equipa.

- Quem é que gostava que ganhasse o jogo?

- Pela situação que atravessa e que não é condizente com o valor dos jogadores que constituem o plantel, gostava que vencesse o Sporting, por 2-0, com golos do meu grande amigo Liedson.

- Porque é que o Sporting está a fazer uma época tão abaixo das suas possibilidades ou, pelo menos, das expectativas que sempre gera?

- O Sporting dos últimos anos já vinha a fazer mais do que se imaginava. A verdade é que Paulo Bento nunca teve muita mão-de-obra disponível e quando alguns jogadores mais influentes se lesionavam ou estavam castigados ele não tinha soluções que colmatassem essas baixas. Era o que os dirigentes podiam oferecer. E veja-se que neste ano, com a lesão do Izmailov, andou-se muito tempo a falar da falta dele. No FC Porto e agora no Benfica, quando os melhores jogadores não estão, isso passa mais despercebido, pois há alternativas de nível mais homogéneo.

- Falta qualidade ao plantel do Sporting?

- Não, mas quem gasta mais tem maiores possibilidades de ter melhores jogadores. Em qualquer negócio é assim. No futebol não é excepção.

- Onde é que o plantel do Sporting perde para o do FC Porto e do Benfica?

- Basicamente, em experiência e maior equilíbrio na qualidade média; e isso nota-se nesta fase, em que era preciso que houvesse jogadores já com a vivência de terem passado situações semelhantes a esta do Sporting noutros clubes. Para muitos, é a primeira vez que uma coisa destas, uma época assim, está a acontecer. Neste aspecto, a juventude atrapalha bastante a estabilidade do plantel.

- Um Derlei talvez fizesse falta. Porque não ficou mais uma época?

- Porque não quis. Fiquei grato ao Sporting, mas já estava a ganhar claramente abaixo do meu valor. Cheguei a dizer isso aos dirigentes do Sporting.

- Estava a perder dinheiro?

- Não era isso. Trata-se do que já não estava a ganhar. Posso dizer que ao sair, em comparação com a Rússia, no Sporting ganhava menos 75 por cento. Depois, no último ano, os jogadores tiveram de passar a descontar mais – mas os clubes não comparticiparam mais nem aumentaram o salário. E saí, mas sem mágoa.

- Paulo Bento contava consigo para mais uma época?

- Sim, ele queria que eu continuasse, mas não senti que o Sporting estivesse disposto a um esforço para me segurar.

- Bento acabou por sair meses mais tarde...

- Devido ao tempo que esteve no clube, ao conhecimento que tem do futebol e à forma como sempre se integrou, acredito que Bento faça falta ao Sporting. O Paulo é bastante compreensivo, aguentou muita coisa, é paciente e gosta de trabalhar.

- Carlos Carvalhal foi uma boa escolha para suceder a Paulo Bento?

- Na minha opinião, o Sporting não podia ter apostado num treinador melhor do que Carlos Carvalhal. É um dos treinadores mais interessantes e mais competentes da nova geração. Acompanhei o trabalho dele em equipas de menor nomeada e apreciei a forma desinibida e personalizada como colocava as equipas dele a jogar.

- Mas no Sporting as coisas não lhe estão a correr lá muito bem…

- Carvalhal tem feito tudo o que pode. Assumiu uma equipa montada por outro treinador, a jogar de forma diferente, e é difícil assimilarem as ideias de um novo técnico de repente. Mas já vi bons jogos do Sporting com Carvalhal.

- Falemos um pouco do FC Porto. Quem é o grande reforço da equipa nesta temporada?

- Sem desfazer nos jogadores, é sempre Pinto da Costa. É a grande alma do clube, o coração, o centro de tudo.

- Vítor Baía seria um bom sucessor como presidente?

- Tem perfil. Sempre foi um líder dentro do campo, é muito consciencioso e esclarecido. Não acredito que Pinto da Costa abra mão do cargo que ocupa no FC Porto a breve prazo, mas não me admirava que já se estivesse a preparar sucessor.

- Radomel Falcão é uma espécie de Derlei?

- Não, é diferente. É um matador, é mais homem de área do que eu. Tem-me impressionado. Resolve muito bem na área e é muito ágil a finalizar.

- Que outros jogadores o têm impressionado na equipa do FC Porto?

- O Varela tem conseguido o seu espaço, cruza bem com os dois pés, faz grandes assistências e também marca golos. Integrou-se muito bem.

- Curiosamente, você está a falar de um jogador que o Sporting não quis…

- É difícil analisar se servia para o Sporting. Tudo depende do modelo táctico do treinador. Veja-se o Deco, que no início da carreira, quando chegou a Portugal, não dava para o Benfica e agora é o que é…

- E o FC Porto ficou a ganhar nos dois casos…

- É verdade (risos).

- Jogou nos dois clubes e por isso está à vontade para comparar as estruturas de um e de outro. Qual a mais forte?

-O FC Porto é uma máquina mais forte do que o Sporting. Diria que o Sporting é o futuro, o FC Porto é o presente e, provavelmente, também o futuro. O FC Porto soube apetrechar-se e perceber que sucesso atrai sucesso. E cresceu na Europa, o que ajudou muito.

- E para esse processo precisou de árbitros?...

- De maneira nenhuma. Isso é pouco sério. No ano em que houve as célebres escutas telefónicas e em que se falou do ‘Apito Dourado’ até ganhámos a Liga dos Campeões.

- Ter sido treinado por José Mourinho foi especial?

- Foi. Tem uma característica única, a atenção ao detalhe. A maior qualidade é a atenção. É muito criterioso.

PERFIL

Vanderlei Fernandes Silva nasceu a 14/7/1975 (34 anos) em S. Bernardo do Campo, no Brasil. Vindo do Madureira, chega a Portugal em 1999 para a União de Leiria. As boas exibições valem o salto para o FC Porto, onde em 2003 marca dois golos na final da Taça UEFA. No ano seguinte sagra-se campeão europeu mas vai para o futebol russo. Daí transfere-se para o Benfica no início de 2007 mas 6 meses depois vai para o Sporting, onde volta a brilhar até voltar ao Brasil em 2009.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)